Universidade é condenada após utilizar cães em pesquisas.

23 de janeiro de 2020

Denúncia à UEM foi realizada em 2011, porém caso só foi encerrado em 2019

Após ter ganho destaque internacional em 2011, com uso de cães em experiências cirúrgicas no curso de Odontologia, a Universidade Estadual de Maringá (UEM) foi proibida pelo Ministério Público do Estado de utilizar animais em experiências. Informação foi divulgada pelo portal Veterinária Atual, no dia 10 de janeiro.

Segundo publicação, a maioria dos animais era da raça beagle, utilizada devido à semelhança dentária com os humanos. Para ação, o Ministério afirmou que o animais “eram criados fadados à morte”, já que as experiências eram realizadas em animais com 1 ou 2 anos, onde, após os procedimentos, “eram eutanasiados por meio de uma sobredose de anestesia e os corpos não aproveitados seguiam para incineração”. A acusação refere que a prática ocorria desde 1980.

Também foi apontando pelo inquétiro, que a prática de maus-tratos, a criação em ambiente inadequado no canil e a própria eutanásia era irregular, pois não seguia o protocolo, causando sofrimento e dor.

De acordo com o G1, em matéria publicada em setembro de 2019, a Universidade foi multada em R$ 10 mil pelo Conselho Nacional de Controle de Experimentação Animal (Concea), do Ministério da Ciência e Tecnologia, por ter utilizado os animais nas pesquisas.

No período da denúncia (2011), a instituição liberou apenas uma pequena nota afirmando ter acatado a decisão do Ministério da entrega dos cães. “A Universidade Estadual de Maringá (UEM) cumpriu determinação judicial e entregou os cães da raça beagle aos oficiais de justiça, ontem (26). A ação judicial continua em trâmite na 5ª Vara Cível da comarca de Maringá”.

Fonte: Veterinária Atual e G1, adaptado pela equipe Cães&Gatos VET FOOD.

http://www.caesegatos.com.br/noticia/universidade-condenada-ap-s-utilizar-c-es-em-pesquisas-

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd
Bitnami