Top 5 Dicas para Sedação e Anestesia em Cães Agressivos e Enfermos

22 de outubro de 2021

Katherine Bennett, DVM, Universidade do Tennessee

Christine Egger, DVM, MVSc, CVA, CVH, DACVAA, Universidade do Tennessee

ANESTESIOLOGIA & GESTÃO DA DOR

A agressão representa mais de 50% dos problemas relacionados ao comportamento em cães, e animais agressivos e enfermos representam um risco inerente à equipe veterinária. O manejo comportamental é a solução ideal a longo prazo para animais agressivos; no entanto, alguns procedimentos cirúrgicos ou diagnósticos requerem atenção relativamente imediata e impedem as modificações de comportamento mais recomendadas. Devem ser tomadas precauções para garantir a segurança do paciente e da equipe ao sedar ou anestesiar esses pacientes.

A seguir, as dicas dos autores para um manuseio seguro de um cão desatado ou anestesiado apresentado para procedimentos diagnósticos ou cirúrgicos.

1

Comunicação do Proprietário

A comunicação com o tutor do animal de estimação antes da consulta agendada é fundamental. A discussão deve incluir medicamentos atuais, comportamento do paciente em casa e se o proprietário está confortável medicando o paciente no domicílio. O envolvimento do proprietário pode ajudar a facilitar uma abordagem baseada em equipe para sedação segura e eficaz do paciente. Além disso, uma avaliação completa do risco deve ser explicada ao proprietário, pois muitos medicamentos sedativos podem ter efeitos adversos em pacientes com comorbidades, particularmente doenças cardiovasculares. Pacientes com doença sistêmica podem exigir alterações de dose e/ou protocolos de medicamentos alternativos.

2

Preparação

Administração domiciliar de um ou mais sedativos (por exemplo, trazodona, clonidina, dexmedetomidina, acepromazina, alprazolam) no dia anterior e no dia da visita agendada permite melhor avaliação e pode facilitar a administração de sedativos adicionais no ambiente clínico. Deve-se ter cuidado ao prescrever vários medicamentos que alteram a serotonina, já que a síndrome da serotonina é um efeito colateral potencialmente letal. Combinar diferentes medicamentos ou introduzir novos medicamentos que alteram a serotonina ao protocolo de tratamento de um cão pode ter efeitos deletérios; proprietários devem ser informados de que, embora incomum, desinibição de tendências comportamentais e/ou desenvolvimento de agressão pode ocorrer em casa. Se efeitos comportamentais adversos ou sinais da síndrome da serotonina não ocorrerem, a dose pode ser gradualmente aumentada ao longo de 1 a 2 dias até que a dose desejada seja atingida ou o efeito desejado seja alcançado. Alternativamente, medicamentos que não alteram os níveis de serotonina (por exemplo, α2 agonistas, benzodiazepínicos, gabapentina) podem ser usados.

Síndrome de Serotonina

A síndrome da serotonina, definida como um grupo de sinais clínicos associados à administração de medicamentos que alteram a serotonina (por exemplo, inibidores seletivos de recaptação de serotonina, inibidores de monoamina oxidase, antidepressivos), embora raros na medicina veterinária, podem ocorrer quando vários medicamentos que alteram a serotonina são coadministrados. Os sinais clínicos da síndrome da serotonina incluem estado mental alterado, agitação, nervosismo, mioclonia, hiperreflexia, tremores, diarreia, incoordenação, aumento da frequência cardíaca e pressão arterial, e hipertermia. Se um paciente já está recebendo medicamentos para alteração de comportamento ou outros motivos, recomenda-se a introdução lenta de medicamentos adicionais em doses mais baixas. Qualquer sinal de agitação, inquietação ou mioclonia pode sugerir síndrome de serotonina, e a cessação de quaisquer medicamentos adicionais que alterem a serotonina é recomendada.

Protocolos comuns de administração em casa incluem a administração de trazodone oral, gabapentina e alprazolam um dia antes da consulta e na manhã da consulta agendada ou administração de acepromazina oral, gabapentina e alprazolam, potencialmente coadministrada com maropitante (2 mg/kg PO q24h) para diminuir o risco de vômito após posterior administração de sedativos injetáveis (especialmente aqueles que contêm um puro μ opioide).

3

Sedação

Muitos pacientes podem ficar mais estressados na área de espera hospitalar, tornando mais difícil para os medicamentos sedativos atingirem a eficácia total. Se disponível, outras partes do hospital (por exemplo, estacionamento, área de relevo gramado, celeiro) podem ser usadas como distração ambiental para o paciente durante o manuseio, espera e/ou administração de sedativos. Porque os cães usam múltiplas pistas (por exemplo, visuais, auditivas, olfativas) para influenciar seu comportamento e/ou reações ao seu ambiente, vozes suaves e calmas e envolvimento limitado de pessoal são recomendados. Os sprays de feromônio podem ajudar a reduzir a ansiedade, mas não têm sido mostrados para reduzir consistentemente a agressão em cães.

A síndrome do jaleco branco (ou seja, o aumento da resposta simpática do paciente ao estresse devido ao aparecimento de pessoal médico em jalecos brancos ou roupas similares) tem sido bem documentada na medicina humana. Para reduzir a ameaça percebida do pessoal médico, os funcionários que interagem com o paciente devem evitar o uso de jalecos brancos ou roupas hospitalares semelhantes enquanto manuseia inicialmente o paciente (ou seja, desde a chegada até a administração da sedação injetável). Normalmente, recomenda-se que um casaco ou outro traje externo seja usado sobre roupas hospitalares.

A administração da sedação através de uma injeção intramuscular é preferível e pode ser feita enquanto o paciente está andando em uma coleira, desde que a pessoa que manuseia o paciente e a pessoa que administra os medicamentos tenha experiência suficiente para uma injeção rápida do membro pélvico e reação subsequente do paciente. Essas drogas são tipicamente usadas em combinação para fornecer sedação profunda e/ou anestesia geral. A combinação de diferentes classes de medicamentos permite uma redução de dose em todos os agentes, limitando, assim, potencialmente efeitos adversos negativos.

Outras técnicas de manuseio envolvem o uso de uma cerca de meia parede ou elo de corrente como barreira entre o paciente e o injetor/manipulador. Um protocolo sedativo ideal, como recomendado na medicina humana, é a ação rápida com efeitos colaterais mínimos, embora, sem exame físico, efeitos adversos sejam difíceis de prever em pacientes fractious.13 Note-se que a maioria dos medicamentos anestésicos estão associados a algum grau de risco14; esse risco é aumentado em pacientes que não podem ser avaliados para comorbidades pré-existentes (por exemplo, doenças cardíacas). Drogas reversíveis (por exemplo, α2 agonistas, opioides) são preferíveis, pois seus efeitos adversos podem ser mitigados com agentes de reversão, se necessário.

Alguns pacientes podem se sedar o suficiente para perder a proteção das vias aéreas. Os suprimentos para intubação e ventilação adequada devem estar sempre disponíveis para pacientes que apresentem sinais de necessidade de uma via aérea protegida ou suporte ventilatório (por exemplo, cianose, respiração rasa, regurgitação).

4

Manuseio do paciente enquanto hospitalizado

Pacientes enfermos podem exigir precauções adicionais para o manuseio e administração de medicamentos enquanto hospitalizados. Os procedimentos padrão de monitoramento são recomendados com o paciente sedado ou anestesiado. A hospitalização de animais enfermos normalmente requer planejamento.

A colocação de um cateter intravenoso em um membro pélvico pode ser vantajosa, pois proporciona mais espaço entre a cabeça do paciente e o local da injeção. Se a colocação do cateter pélvico não for viável, a colocação adicional de conjuntos de extensão longa anexados ao cateter IV pode facilitar a administração de medicamentos semi-remotos e fornece um nível adicional de segurança para o paciente e a equipe.

Uma coleira e/ou focinheira tipo cesta  podem ser usados para fornecer segurança adicional para pacientes agressivos, e permitir que os pacientes usem um cinto com uma coleira anexada enquanto em uma gaiola pode ser útil ao removê-los do espaço confinado. As gaiolas ou corridas de nível de piso são preferidas, pois evitam a necessidade de o manipulador levantar o paciente para fora da gaiola e para o chão ou para um portador. Focinheiras com conexões adequadas também são úteis para fornecer oxigênio de fluxo para pacientes agressivos.

5

Recuperação

Para procedimentos ambulatoriais (por exemplo, cirurgia ambulatorial, procedimentos diagnósticos) que necessitam de sedativos/medicamentos anestésicos, uma focinheira cesta pode ser modificada para que o tubo endotraqueal possa ser removido através da focinheira, o que permite que a focinheira seja colocada no paciente antes da extubação e esteja no local no final do procedimento. Isso facilita a segurança no período de recuperação e ainda permite que o paciente seja monitorado de perto.

Cateteres intravenosos podem ser removidos pouco antes da do paciente acordar. Com toda a fita removida e um curativo sobre o cateter, a linha de extensão, que está presa ao  cateter, pode ser puxada, removendo assim o cateter enquanto mantém o curativo no lugar para hemostase. Os sedativos podem ser administrados por via intravenosa pouco antes da remoção do cateter no momento da alta e podem facilitar uma transição suave do hospital para o veículo de transporte. O proprietário deve estar ciente da natureza e duração esperada do protocolo de sedação.

Conclusão

Um planejamento, comunicação e preparação cuidadosos podem facilitar uma consulta segura e produtiva para pacientes desastrados que precisam ser sedados ou anestesiados. A restrição farmacológica multimodal, juntamente com abordagens modificadas para a administração de medicamentos e o manuseio do paciente, podem mitigar a maioria das questões encontradas com pacientes agressivos no ambiente hospitalar.

REFERÊNCIAS

  1. Fatjó J, Amat M, Mariotti VM, Luis Ruiz de la Torre J, Manteca X. Análise de 1040 casos de agressão canina em uma prática de referência na Espanha. J Vet Behav Clin App Res. 2007;2(5):158-165.
  2. Sueda KL, Malamed R. Agressão canina contra as pessoas: um guia para os praticantes. Veterinário Clin North Am Small Anim Pract. 2014;44(3):599-628.
  3. Boyer EW, Shannon M. A síndrome da serotonina. N Engl J Med. 2005; 352(11):1112-1120.
  4. Gruen ME, Sherman BL. Uso de trazodone como agente adjunto no tratamento de transtornos de ansiedade canina: 56 casos (1995-2007). J Am Vet Med Assoc. 2008;233(12):1902-1907.
  5. Gilbert-Gregory SE, Stull JW, Rice MR, Herron ME. Efeitos da trazodona em sinais comportamentais de estresse em cães hospitalizados. J Am Vet Med Assoc. 2016;249(11):1281-1291.
  6. Thomas DE, Lee JA, Hovda LR. Avaliação retrospectiva da toxicose de antidepressivos inibidores seletivos de recaptação de serotonina: 313 cães (2005-2010). J Veterinário Emerg Crit Care (San Antonio). 2012;22(6):674-681.
  7. Hay Kraus BL. Eficácia do maropitante na prevenção de vômitos em cães pré-medicados com hidromorfina. Veterinária Anaesth Analg. 2013;40(1):28-34.
  8. Hsu Y, Sun L. Fatores associados a respostas agressivas em cães de estimação. Appl Anim Behav Sci. 2010;123(3-4):108-123.
  9. Luescher AU, Reisner IR. Agressão canina em relação a pessoas familiares: um novo olhar para um velho problema. Veterinário Clin North Am Small Anim Pract. 2008;38(5):1107-1130, vii.
  10. Mills DS, Ramos D, Estelles MG, Hargrave C. Uma investigação tripla cega controlada por placebo na avaliação do efeito do Dog Appeasing Pheromone (DAP) sobre o comportamento relacionado à ansiedade de cães problemáticos na clínica veterinária. Appl Anim Behav Sci. 2006;98(1):114-126.
  11. Pickering TG, James GD, Boddie C, Harshfield GA, Blank S, Laragh JH. Quão comum é a hipertensão do jaleco branco? JAMA. 1988;259(2):225-228.
  12. Wang XX, Shuai W, Peng Q, et al. Efeito jaleco branco em pacientes hipertensos: o papel do ambiente hospitalar ou presença médica. J Am Soc Hypertens. 2017;11(8):498-502.
  13. Moore G, Pfaff JA. Avaliação e gerenciamento de emergência do adulto agudamente agitado ou violento. UpToDate. https://www.uptodate.com/contents/assessment-and-emergency-management-of-the-acutely-agitated-or-violent-adult. Atualizado em 2 de outubro de 2017. Acessado em 12 de setembro de 2018.
  14. Brodbelt DC, Flaherty D, Pettifer GR. Risco anestésico e consentimento informado. In: Grimm KA, Lamont LA, Tranquilli WJ, Greene SA, Robertson SA, eds. Veterinary Anesthesia e Analgesia. 5ª ed. Ames, IA: John Wiley & Sons; 2015:11-22.
  15. Crowell-Davis SL, Seibert LM, Sung W, Parthasarathy V, Curtis TM. Uso de clomipramina, alprazolam e modificação de comportamento para tratamento de fobia de tempestade em cães. J Am Vet Med Assoc. 2003;222(6):744-748.
  16. Grimm KA, Lamont LA, Tranquilli WJ, Greene SA, Robertson SA, eds. Anestesia Veterinária e Analgesia: A Quinta Edição de Lumb e Jones. Ames, IA: John Wiley & Sons; 2015.
  17. Plumb DC. Manual de Drogas Veterinárias da Plumb. 9ª ed. Hoboken, NJ: Wiley-Blackwell; 2018.
  18. Haberzettl R, Bert B, Fink H, Fox MA. Modelos animais da síndrome de serotonina: uma revisão sistemática. Behav Brain Res. 2013;256:328-345.
  19. Crowell-Davis SL, Poggiagliolmi S. Understanding behavior — síndrome da serotonina. Compêndi Contin Educ Vet. 2008;30(9):490-493.
AUTORES
Katherine Bennett

DVMUniversidade do Tennessee

Katherine Bennett, DVM, é residente em anestesia na Universidade do Tennessee. Ela ganhou seu DVM da Universidade Purdue. Os interesses do Dr. Bennett incluem facilitar estadias hospitalares sem estresse e sem dor para os pacientes, aprender e ensinar, e apresentar palestras personalizadas de CE em conferências e clínicas privadas.

Christine Egger

DVM, MVSc, CVA, CVH, DACVAAUniversidade do Tennessee

 

 

 

 

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd