Testes de diagnóstico para FeLV

23 de setembro de 2021
mulher-fazendo-carinho-em-gato

A Felv, também conhecida como leucemia viral felina, é uma doença causada por um retrovírus do gênero Gammaretrovirus que atinge gatos especialmente até os três anos de idade e com uma prevalência mundial de infecção de 1 a 6%. Entre os problemas desencadeados pela infecção podemos destacar imunossupressão, distúrbios da medula óssea e neoplasias.

A transmissão entre os animais ocorre especialmente pelo contato prolongado com secreções salivares, sendo a testagem, vacinação e isolamento de gatos infectados algumas das principais medidas contra a disseminação da doença. 

“O diagnóstico de FeLV pode ser difícil devido aos diferentes cursos de infecção”, explica a .Dra. Paola Lazaretti, mestra com ênfase em nefrologia pela USP,  “além disso, a interação entre o vírus e o sistema imunológico pode mudar ao longo do tempo, dependendo de vários fatores (por exemplo, idade, função imunológica, pressão infecciosa, patogenicidade da cepa do vírus, variabilidade genética do vírus ao longo do tempo)”.

Via de regra, o diagnóstico de FeLV,  é realizado a partir de um processo de triagens a partir de ensaios de ELISA para o antígeno de Felv. Mesmo que alguns gatos testados positivos para o antígeno da FeLV não apresentem sinais clínicos da doença, é recomendada a realização de hemograma, painel bioquímico e exame de urina para avaliar a possível existência de distúrbios relacionados à FeLV nesses animais. 

“Embora os testes de infecção por FeLV possam detectar a presença do vírus (por exemplo, antígeno FeLV, DNA do FeLV) ou anticorpos, eles não podem ser usados ​​para diagnosticar linfoma ou leucemia”, afirma a Dra. Paola Lazaretti, “esses testes não podem determinar se um gato tem doença associada ao FeLV porque os sinais clínicos em gatos infectados pelo FeLV podem ser secundários ou completamente não relacionados ao FeLV”. 

A maioria dos testes disponíveis detecta o vírus diretamente, com exceção dos testes de anticorpos introduzidos recentemente (isto é, método de detecção indireto). Os testes diretos de infecção por FeLV não são influenciados por anticorpos maternos, portanto, gatinhos (incluindo recém-nascidos) podem ser testados em qualquer idade. As vacinações de FeLV não causam um resultado positivo em testes diretos de FeLV.

Os testes podem variar no valor diagnóstico, particularmente os testes de ponto de atendimento (TPAs) realizados nas clínicas, e os resultados devem ser confirmados por outros métodos ou pela repetição do teste, idealmente usando uma marca diferente

É recomendada a repetição imediata do teste em casos de resultados positivos para gatos de áreas com baixa prevalência de infecção por FeLV, gatos de baixo risco (morando em apartamento, por exemplo) ou então quando o resultado pode levar à eutanásia (em caso de animais em situação de abrigo). 

Em casos negativos, é recomendada a retestagem para gatos com altos fatores de risco.  

Segue abaixo uma lista com os principais testes de diagnóstico para FeLV hoje disponíveis no mercado: 

 

ELISAs & e ensaios de imunomigração para detectar  antígeno livre de FeLV 

 

ELISAs e outros ensaios imunomigração rápido ou imunocromatográficos  que detectam o antígeno do FeLV p27 livre (solúvel) no sangue estão disponíveis como testes em ponto de atendimento ou testes de laboratório (geralmente ELISA de placa).

Os testes de ponto de atendimento (TPA) geralmente têm um bom desempenho geral com  sensibilidades e especificidades diagnósticas pouco variáveis. Os testes de laboratório que detectam o antígeno FeLV p27 têm sensibilidades e especificidades semelhantes quando comparados aos testes rápidos realizados nos pontos de atendimento mas alguns também quantificam a carga de antígeno. Os testes de ELISA de ponto de atendimento devem ser realizados com soro ou plasma, nunca com sangue total.

Os TPA e os testes laboratoriais para detecção do antígeno p27 livre FeLV no sangue não devem ser usados ​​com a saliva frequentemente resultam em falso-negativos.

Antigenemia está presente se os resultados do teste forem positivos; a antigenemia é geralmente uma medida de viremia e, se persistente, é diagnóstica para infecção progressiva. Resultados falso-positivos tornaram-se mais comuns devido à diminuição da prevalência de FeLV em muitos países. 

Na fase inicial da infecção (nas primeiras 3 semanas), os testes de antígeno geralmente ainda não são positivos.

 

Ensaios de imunofluorescência para detectar o antígeno FeLV intracelular 

 

Os ensaios de imunofluorescência (IFAs) detectam o antígeno p27 intracelular em esfregaços de sangue (em neutrófilos e plaquetas) e fornecem resultados positivos mais tardiamente (normalmente, ≈3 semanas depois) do que os testes para o antígeno p27 livre pois o antígeno p27  intracelular só pode ser detectado por IFAs em neutrófilos e plaquetas após a medula óssea ser infectada. IFAs, portanto, não são recomendados como testes de triagem porque os gatos nas primeiras semanas de viremia já transmitem FeLV. 

Podem ocorrer resultados de IFA falso-negativos, principalmente em gatos com neutropenia e trombocitopenia. 

Podem ocorrer resultados falso-positivos como resultado de coloração inespecífica, esfregaço sanguíneo de espessura inadequada, erro na técnica ou interferência ao usar sangue anticoagulado.

IFAs requerem processamento especial, microscopia de fluorescência e equipe altamente experiente; portanto, apenas os resultados de laboratórios de referência experientes devem ser considerados.

 

Isolamento de vírus para detectar vírus em replicação 

 

O isolamento de vírus detecta vírus em replicação no sangue e requer cultura de vírus em linhagens de células felinas. Este é um teste sensível que pode ser usado para detectar a  infecção por FeLV durante a viremia primária; portanto, os resultados podem ser positivos na pós-infecção precoce, mesmo antes dos testes para o antígeno p27 livre. 

No entanto, o isolamento do vírus não é prático para o diagnóstico de rotina porque é difícil e demorado de ser executado e requer instalações especiais; portanto, não é recomendado como um teste de triagem, mas pode ser usado para a confirmação de resultados positivos do teste do antígeno FeLV p27.

 

PCR para detectar DNA proviral

O PCR detecta DNA proviral (provírus FeLV) no sangue que são sequências de ácido nucleico viral integradas no genoma celular dos gatos. Os valores diagnósticos podem variar porque os métodos de PCR não são padronizados; somente laboratórios com controle de qualidade adequado devem ser usados. 

O PCR é geralmente um método sensível porque amplifica as sequências de FeLV e pode detectar pequenas quantidades de DNA; também é altamente específico, o que pode levar a resultados falso-negativos, quando pequenas variações no genoma viral impedem a ligação dos primers. Os primers devem, portanto, visar regiões altamente conservadas do genoma do FeLV. A PCR também pode ser realizada na medula óssea ou tecido em vez de sangue e pode ajudar a resolver casos com resultados de teste de antígeno p27 discordantes. É o teste de confirmação recomendado para resultados positivos do teste do antígeno p27 e o teste de escolha para detectar infecção regressiva (PCR positivo em combinação com teste do antígeno p27 negativo).

RT-PCR para detectar FeLV RNA

Real Time-PCR detecta RNA viral no sangue e na saliva. O RNA viral pode ser detectado durante a replicação viral; portanto, a detecção de RNA viral por RT-PCR não fornece as mesmas informações que a detecção de provírus FeLV (DNA) por PCR.

O RT-PCR é altamente específico e sensível, mas apresenta as mesmas vantagens e desvantagens metodológicas da PCR e, portanto, só deve ser realizada em laboratórios especializados.

O RT-PCR realizado em sangue ou saliva tem significado clínico diferente. O RT-PCR positivo na saliva indica disseminação de FeLV pela saliva, enquanto RT-PCR positivo forte no sangue indica viremia e infecção progressiva (ou regressiva precoce), embora RT-PCR positivo baixo no sangue também possa ocorrer em gatos infectados regressivamente e servir como um indicador de reativação futura.

Quando realizado em sangue, o RT-PCR é útil na detecção da infecção por FeLV na fase inicial porque fornece resultados positivos antes dos testes para o antígeno p27 livre. 

Quando realizado na saliva, o RT-PCR é um indicador confiável de antigenemia.

A presença de gatos que disseminam FeLV e vivem em um ambiente com vários gatos pode ser descartada ao testar a saliva (swabs), para a tanto, amostras de saliva de até 10 gatos podem ser reunidas no laboratório fazendo um pool de amostras.

 

Testes para detectar anticorpos contra FeLV

 

A presença de anticorpos contra FeLV no soro indica exposição anterior ao vírus (ou certas vacinas contra FeLV). Os testes de anticorpos FeLV são positivos em gatos com infecção regressiva ou abortiva. Esses são os únicos testes que podem identificar uma infecção abortiva.  A determinação de anticorpos também pode ser usada para quantificar a resposta imune em gatos com infecção por FeLV.

Os testes de anticorpos não são usados ​​rotineiramente atualmente e são realizados apenas em laboratórios especializados, mas podem ser de importância futura. Um novo teste para ponto de atendimento que detecta anticorpos contra o antígeno p15E (ou seja, proteína transmembrana do envelope viral) foi recentemente comercializado na Europa; entretanto, seu valor diagnóstico ainda não foi avaliado.

Este artigo foi útil para você? Então tenha acesso a diversas notícias e informações de qualidade criadas especialmente para veterinários e estudantes de medicina veterinária. Inscreva-se gratuitamente no Vetsapiens e acompanhe nosso blog e fóruns de dúvidas e discussões, além de ter acesso a diversos recursos exclusivos. 

 

Artigos Relacionados:

Felv, a Doença que mais mata gatos no Brasil
Felv: Subtipos e possíveis cursos da infecção 

 

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd