Seu cachorro está ansioso? Os genes comuns à sua raça podem desempenhar um papel

1 de maio de 2020

By Michael Price

O barulho estrondoso dos fogos de artifício dos meus vizinhos é rapidamente seguido pelo coro de cães assustados, incluindo meus dois filhotes de raças mistas. Novas pesquisas sugerem que a sensibilidade de Pico e Winnie ao ruído, especialmente fogos de artifício, é a forma mais comum de ansiedade em cães de estimação. O estudo – o maior de todos os temperamentos caninos – também descobriu que algumas raças são propensas a certos comportamentos ansiosos, incluindo agressão, ansiedade de separação e medo. Os resultados podem ajudar a descobrir novas maneiras de lidar com essas características.
Anedotas sobre o comportamento dos cães são abundantes, mas faltam dados científicos confiáveis, diz Hannes Lohi, geneticista canino da Universidade de Helsinque. Isso é particularmente um problema quando se olha para comportamentos problemáticos que podem colocar os cães em maior risco de serem sacrificados ou acabarem em abrigos.
Lohi e seus colegas entraram em contato com clubes finlandeses de criação de cães e procuraram os donos de cães em todo o mundo através das mídias sociais, pedindo aos proprietários que classificassem o comportamento de seus cães em sete características diferentes relacionadas à ansiedade: sensibilidade ao ruído, medo geral, medo de altura e superfície como peças reflexivas), desatenção, comportamentos compulsivos (como mastigação ou perseguição implacável da cauda), agressão e ansiedade de separação. Eles receberam mais de 13.700 respostas, representando 264 raças. Para fazer comparações confiáveis, os pesquisadores se limitaram às 14 raças com 200 ou mais cães pesquisados.

No total, 72,5% de todos os cães apresentaram pelo menos um comportamento relacionado à ansiedade, revelam os pesquisadores hoje no Scientific Reports. A sensibilidade ao ruído foi a mais comum em todas as raças, afetando 32% dos cães. (Os fogos de artifício eram a principal causa de sensibilidade ao ruído, acompanhando a experiência de Pico e Winnie.) Cerca de 17% dos caninos tinham medo de outros cães, 15% tinham medo de estranhos e 11% tinham medo de novas situações. Quanto mais velho o cachorro, mais sensível era ao barulho – especialmente trovões.
Os pesquisadores também descobriram que certas ansiedades se agrupavam em raças específicas. A sensibilidade ao ruído foi mais acentuada nos Lagotto Romagnolos (um grande e difuso nativo da Itália), Terrieres  e cães de raças mistas. As raças mais medrosas eram cães aquáticos espanhóis, cães Shetland e raças mistas. E quase um décimo dos Schnauzers miniatura era agressivo e temeroso em relação a estranhos, mas essas características eram praticamente desconhecidas nos Labradores. Tomados em conjunto, diz Lohi, os resultados sugerem um componente genético para essas ansiedades – assim como existe nos seres humanos.
Pesquisas anteriores confirmam uma conexão entre genética e comportamento. Por exemplo, um trecho de DNA em Pastores Alemães codifica o gene OXTR do receptor de ocitocina. Um estudo de 2019 descobriu que o gene está associado à sociabilidade – mas o mesmo trecho de DNA também está associado à maior sensibilidade ao ruído. Esse mesmo vínculo genético provavelmente é encontrado em muitas outras raças, observam os pesquisadores desse estudo. Lohi sugere que, ao selecionar cães mais sociais, os humanos podem ter escolhido acidentalmente cães mais sensíveis ao ruído.

Lohi também recomenda cautela na interpretação excessiva de seus resultados. Por um lado, ele diz, a pesquisa perguntou aos proprietários apenas sobre a frequência dos comportamentos problemáticos, não sobre a gravidade deles. Outra é que a categoria “raça misturada” não levou em consideração a linhagem única de cada cão, nem o fato de que cães de raça misturada geralmente crescem em abrigos – locais associados a alta ansiedade. Nesses casos, Lohi diz que o ambiente, não os genes, pode desempenhar o papel principal.
Ao identificar quais raças são mais propensas a exibir diferentes tipos de ansiedade, observa Lohi, os proprietários podem tomar precauções para dar a seus cães vidas mais felizes e saudáveis. Um possível dono de cachorro que mora em uma cidade movimentada pode se sair melhor com uma raça menos sensível ao ruído, por exemplo, enquanto cães com medo de estranhos podem se sair melhor em casas isoladas e rurais.

Fonte: https://www.sciencemag.org/news/2020/03/your-dog-anxious-genes-common-its-breed-could-play-role

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd
Bitnami