Qual o risco de os animais espalharem o coronavírus?

5 de junho de 2020
Noticia-qual o risco de animais transmitirem

NOTÍCIAS  01 DE JUNHO DE 2020

Pesquisadores dizem que há uma necessidade urgente de descobrir se os animais podem pegar o vírus e passá-lo para as pessoas.

Logo depois que o novo coronavírus começou a se espalhar pelo mundo, surgiram relatos de casos em animais – gatos de estimação em Hong Kong, tigres em um zoológico da cidade de Nova York e mink on fazendas na Holanda. Agora, os pesquisadores estão tentando urgentemente descobrir quais espécies podem pegar o vírus e se podem transmiti-lo às pessoas.

Até agora, houve apenas dois casos relatados de animais – ambos visons (Mink) – transmitindo o vírus SARS-CoV-2 para as pessoas. No momento, a chance de contrair a doença de um animal infectado é insignificante em comparação com o risco de pegá-la de uma pessoa doente, dizem os pesquisadores.

Mas, à medida que o número de pessoas infectadas diminui e as restrições à circulação diminuem, os animais infectados podem ter o potencial de desencadear novos surtos. Os pesquisadores estão pedindo uma extensa amostragem de animais de estimação, gado e vida selvagem para melhorar a compreensão do risco.

O vírus pode estar se espalhando sem ser detectado em alguns animais que não conhecemos, diz Joanne Santini, microbiologista da University College London. “Nós simplesmente não temos dados suficientes”, diz ela.

Vários cientistas temem que o vírus acabe passando entre os animais e as pessoas. Isso poderia realmente frustrar os esforços para controlar a pandemia, diz Arjan Stegeman, epidemiologista veterinário da Universidade de Utrecht, na Holanda. “Precisamos tomar medidas agora para impedir que isso aconteça”, diz ele.

Animais em risco

Aproximadamente uma dúzia de animais são suscetíveis ao vírus. Várias espécies, incluindo cães e gatos de estimação, leões e tigres em cativeiro e martas cultivadas, quase certamente capturaram o vírus das pessoas. Isso provavelmente significa que canídeos, felídeos e mustelídeos relacionados – o grupo que inclui martas, doninhas, texugos, martas e carcaças – também podem ser suscetíveis, mas até agora ninguém verificou, diz Jürgen Richt, virologista veterinário da Universidade Estadual do Kansas em Manhattan.

Hamsters, coelhos e saguis comuns também são suscetíveis, de acordo com experimentos de laboratório nos quais os animais foram deliberadamente infectados. Experimentos em porcos, patos e galinhas mostram2 que eles não são suscetíveis, mas não houve estudos de outros animais, como vacas, ovelhas e cavalos. “Se o SARS-CoV-2 se estabelecer na vida selvagem ou em outras espécies que tenham contato próximo com o gado, isso aumenta a possibilidade de transmissão entre espécies”, diz Linda Saif, virologista da Universidade Estadual de Ohio em Wooster.

Fonte animal do coronavírus continua iludindo os cientistas

Mais estudos devem avaliar a suscetibilidade de várias espécies e se elas podem infectar outros animais, diz Richt. Gatos, furões, hamsters1 e morcegos-ferradura foram todos capazes de transmitir o coronavírus a animais da mesma espécie em laboratório, e o marta que vive em locais próximos nas fazendas holandesas passou a infecção entre eles.

Mas o fato de um animal poder infectar outra da mesma espécie não significa necessariamente que ele pode infectar pessoas, diz Saif. Para avaliar esse risco, os pesquisadores precisam entender melhor a quantidade de vírus a que uma pessoa precisa ser exposta antes de ser infectada, diz ela.

Animais que liberam grandes quantidades de vírus e entram em contato próximo com as pessoas devem ser observados de perto, diz Martin Beer, virologista do Instituto Federal de Pesquisa em Saúde Animal de Riems, Alemanha.

Fazendas de vison

As infecções nas fazendas de vison holandeses sugerem que alguns animais podem infectar pessoas. Pelo menos duas dúzias de visons em quatro fazendas na província de Brabante do Norte foram infectados com SARS-CoV-2, com alguns desenvolvendo pneumonia e morrendo.

Olhando para genomas de martas e pessoas de duas fazendas, Stegeman e seus colegas descobriram que as pessoas que trabalhavam com os animais provavelmente haviam passado o vírus para alguns deles, que o espalharam para outros visons. Os resultados foram postadas em bioRxiv em 18 dede3maio.

Análises genômicas ainda não publicadas sugerem que uma pessoa em uma das fazendas poderia ter sido infectada pelo vison, diz Stegeman. Essa pessoa parece ter sido infectada depois de começar a trabalhar com os animais, diz ele, então a infecção provavelmente veio da marta, e não o contrário. O genoma viral da pessoa também estava mais estreitamente relacionado aos encontrados no vison do que às seqüências de outras pessoas infectadas na Holanda, incluindo aquelas que moram perto da fazenda.

Mas Saif, que não viu os genomas, diz que é muito difícil provar a direção da transmissão. Encontrar vírus intimamente relacionados, combinados com outras evidências circunstanciais, como a linha do tempo da exposição e o surgimento de doenças, pode ajudar, mas “será desafiador provar diretamente de animal para humano”, diz ela.

Ainda assim, a possibilidade não deve ser excluída, diz Soren Alexandersen, diretor do Centro Geelong de Doenças Infecciosas Emergentes na Austrália. E o vírus pode estar se espalhando sem ser detectado em outras fazendas de vison por toda a Europa, América do Norte e Ásia, diz Alexandersen.

Vários hospedeiros

Não é incomum que os patógenos pulem entre as espécies, dificultando o controle de sua propagação. O SARS-CoV-2 provavelmente se originou em morcegos, mas os pesquisadores não sabem se outros animais estavam envolvidos em sua jornada para as pessoas. O vírus da gripe pandêmica H1N1 de 2009 se originou em porcos, saltou para as pessoas, se espalhou pelo mundo e depois voltou para os porcos. O vírus continua circulando nos animais, onde se combinou com outros vírus da gripe para criar novas variantes que passaram para as pessoas, diz Stegeman.

Vários cientistas também temem que o SARS-CoV-2 possa ir e vir entre gatos e pessoas, porque os animais costumam andar entre as casas. Embora os gatos possam infectar outros felinos, até agora não houve relatos de gatos infectando pessoas.

Asisa Volz, virologista veterinária da Universidade de Medicina Veterinária de Hannover, na Alemanha, planeja investigar se os gatos espalham o vírus em um lar de idosos na Baviera, onde os moradores separados dos indivíduos infectados ainda adoecem. Um gato de lá foi encontrado para ter vestígios de RNA do coronavírus, o que sugere que ele poderia estar disseminando o vírus enquanto vagava pela instalação. Volz e Beer testarão os gatos da instalação em busca de anticorpos contra o vírus e estudarão a cronologia dos eventos para ver se os felinos eram uma fonte de infecção.

Stegeman também planeja testar gatos que vivem com pessoas que tiveram o COVID-19 na Holanda. Se os gatos puderem transmitir o vírus para as pessoas, ele se tornaria ainda mais difícil de controlar a propagação.

“O estabelecimento de um vírus pandêmico em populações animais pode ser crítico e deve ser sempre levado em consideração”, diz Beer.

doi: 10.1038 / d41586-020-01574-

Fonte: https://www.nature.com/articles/d41586-020-01574-4?utm_source=Nature+Briefing&utm_campaign=32981e1f33-briefing-dy-20200601&utm_medium=email&utm_term=0_c9dfd39373-32981e1f33-45115734

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd
Bitnami