Pirexia em Cães Jovens

15 de janeiro de 2021

Identificar a causa da febre em cães apresenta um desafio diagnóstico. As terapias administradas durante o curso da investigação diagnóstica ou antes do encaminhamento podem contribuir ainda mais para a dificuldade diagnóstica. Neste estudo, bem como em relatórios passados,1 ≥18% dos pacientes não tinham diagnóstico definitivo. A apresentação de queixas e achados de exames vagos e inespecíficos agrava ainda mais o problema; por exemplo, pacientes com poliartrite imunomistuada podem não ter dor ou derrame aparente nas articulações ou podem não apresentar anormalidades óbvias na marcha, apesar dos sinais clínicos de doença sistêmica.2,3 Assim, é importante compreender não apenas a utilidade dos testes diagnósticos, mas também as prováveis doenças baseadas na idade, raça, história, achados de exames e localização geográfica. Um banco de dados mínimo para pacientes com febre deve incluir um CBC, perfil de química sérico, diagnóstico por imagem e testes de doenças infecciosas.

Embora estudos anteriores tenham avaliado pirexia em pacientes de todas as idades,1,4,5 este estudo avaliou o diagnóstico ou o diagnóstico presumido em uma coorte de cães juvenis piréticos. Embora o diagnóstico definitivo não tenha sido determinado em 25 pacientes, predominaram as doenças inflamatórias não infecciosas (79%) em pacientes que receberam um diagnóstico. A arterite de meningite responsiva a esteroides foi diagnosticada em aproximadamente 48% das pessoas que receberam o diagnóstico; pacientes com poliartrite imunomistuada constituíram outros 11% dos diagnósticos. Em estudos anteriores,1,4 doenças inflamatórias não infecciosas também foram comuns (24%-48%); no entanto, as causas específicas identificadas foram mais variadas do que as encontradas no presente estudo. Dado o alto número de doenças inflamatórias não infecciosas encontradas nesses estudos, torneiras articulares e torneiras de CSF devem ser consideradas em pacientes sem causa de piraxia encontrada em testes iniciais ou naqueles com febre persistente ou depilação/diminuição. É importante notar que, embora existisse uma sobreposição etária significativa, as causas infecciosas eram mais prováveis em pacientes mais jovens neste estudo, embora algumas doenças infecciosas (por exemplo, bartonellosis) possam ser mais difíceis de identificar. Em contraste com os cães, um estudo recente descobriu que gatos jovens são mais propensos a ter causas infecciosas de febre e, em geral, doenças imunomu medianas menos comuns em gatos jovens e mais velhos.

… AOS SEUS PACIENTES

Pérolas-chave para colocar em prática:

1

O ideal é que uma investigação diagnóstica minuciosa seja realizada em pacientes com febre para obter um diagnóstico definitivo e tratamento adequado direto. Isso deve incluir um banco de dados mínimo e uma imagem diagnóstica, embora possam ser necessários testes adicionais (por exemplo, torneiras conjuntas/CSF).

2

A febre persistente em um paciente juvenil, apesar da administração prévia de antibióticos e terapia não esteroide, deve levar a uma forte consideração para doenças autoimunes, particularmente arterite de meningite responsiva a esteroides ou poliartrite.

3

Embora as etiologias infecciosas não fossem tão comuns quanto etiologies não infecciosas neste estudo, é importante excluir causas infecciosas antes de testes ou tratamento presuntivo para doenças imunomediadas.

Leitura sugerida

Black VL, Whitworth FJS, Adamantos S. Pyrexia in juvenile dogs: a review of 140 referred cases. J Small Anim Pract. 2019;60(2):116-120.

Fonte: Pyrexia in Juvenile Dogs | Clinician’s Brief

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd