Hipertensão pulmonar em cães

6 de fevereiro de 2021

Douglas Palma, DVM, DACVIM (SAIM), The Animal Medical Center, Nova York, Nova York

MEDICINA RESPIRATÓRIA

A hipertensão pulmonar é uma doença respiratória comum em cães e pode ser causada por vários distúrbios com diferentes mecanismos fisiofiológicos. Na prática clínica, as causas mais comuns de hipertensão pulmonar incluem doença cardíaca do lado esquerdo e hipertensão arterial pulmonar associada à doença respiratória e/ou hipoxemia (RD/H). Apesar da prevalência aparentemente elevada de hipertensão pulmonar associada ao RD/H, pouco se sabe sobre sua apresentação clínica, características diagnósticas, variáveis prognósticas, responsividade terapêutica e/ou desfecho a longo prazo.

Este estudo retrospectivo avaliou pacientes que tinham hipertensão pulmonar associada ao RD/H documentada no ecocardiograma. O mecanismo da doença respiratória de cada paciente foi caracterizado com base em testes diagnósticos disponíveis. A população era diversificada e incluía processos de doenças obstrutivas e restritivas.

Os autores sugeriram uma correlação entre a gravidade das pressões arterials pulmonares estimadas e o desfecho do paciente. Além disso, a intervenção com inibidores de fosfodiesterase-5 (PDE5) foi demonstrada para melhorar o tempo de sobrevivência. Embora essas informações sejam preliminares e representem informações cumulativas de uma população diversificada, mostra que pacientes com hipertensão pulmonar associada ao RD/H poderiam se beneficiar dos inibidores do PDE5 e que o ecocardiograma poderia potencialmente fornecer informações prognósticas.

Este estudo fornece uma base para estudos adicionais. Demonstra a variabilidade nas etiologias subjacentes associadas e pode ajudar a orientar os médicos na identificação de pacientes em risco de hipertensão pulmonar. Estudos adicionais que avaliam a terapia em grupos subconjuntos serão necessários para otimizar a terapia e estabelecer uma melhor compreensão do desfecho e progressão a longo prazo.

… AOS SEUS PACIENTES

Pérolas-chave para colocar em prática:

1

A pressão arterial pulmonar sistólica estimada (sPAP) está negativamente correlacionada com a sobrevida. Um sPAP ≥47 mm Hg tem sensibilidade de 78% e especificidade de 63% para não-survival; um sPAP >95 mm Hg tem uma especificidade de 95% e uma sensibilidade de 17% para não-suvio.

2

O tratamento com um inibidor PDE5 (ou seja, tadalafil, sildenafil) pode ajudar a melhorar a sobrevida, como observado neste estudo. Pacientes que receberam inibidores PDE5 (ou seja, tadalafil [dose mediana, 2 mg/kg PO a cada 24 horas; intervalo, 0,9-2 mg/kg], sildenafil [dose mediana, 0,5 mg/kg PO a cada 8 horas; intervalo, 0,5-3,3 mg/kg]) foram 4 vezes mais propensos a sobreviver em comparação com pacientes que não receberam inibidores PDE5.

3

A hipertensão pulmonar associada ao RD/H representa uma população diversificada de doenças respiratórias, incluindo distúrbios restritivos e obstrutivos (por exemplo, condução de vias aéreas [ou seja, nasal/nasofaríngea, laríngeo, traqueia e brônquios de rede], grande obstrução das vias aéreas [ou seja, brônquicos], pequenas vias aéreas [ou seja, bronquíolos]).

Fonte: Pulmonary Hypertension in Dogs | Clinician’s Brief

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd