Gatos podem lembrar nomes e rostos, diz estudo

17 de maio de 2022
noticia- cats know names
noticia- cats know names
Por Nathan Vieira | Editado por Luciana Zaramela

Gatos podem lembrar os nomes dos outros, segundo um estudo publicado no último mês de abril na revista Scientific Reports. Para chegar a essa descoberta, os cientistas da Universidade de Azabu (Japão) testaram as reações de diferentes animais domésticos a fotos e nomes anunciados em voz alta.

Os pesquisadores se concentraram em analisar gatos que convivem com outros na mesma casa. No experimento, o gato era colocado de frente para um computador, onde havia uma gravação da voz do proprietário da casa dizendo o nome de outro pet que também mora na casa. Depois da gravação, uma fotografia surgia no computador, e podia ser desse pet em questão ou não.

A equipe percebeu que os gatos passaram mais tempo olhando para a tela do computador nos momentos em que o proprietário da casa dizia um nome diferente do correspondente à imagem, o que sugere um estranhamento. “Ao ouvir o nome de um gato, os participantes do estudo esperavam o rosto correspondente”, aponta o artigo.

A principal teoria é que os gatos provavelmente aprendem a relacionar nomes e rostos observando as interações de terceiros em casa. Em outro experimento, os pesquisadores realizaram um teste semelhante, mas usaram fotos e nomes de humanos. Novamente, os participantes do estudo deram mais atenção à tela do computador quando havia uma incompatibilidade entre a imagem e o nome.

Gatos podem lembrar nomes e rostos, segundo estudo (Imagem: DarioLoPresti/envato)

Outra teoria dos pesquisadores é que gatos que convivem com mais animais/pessoas (como nos famosos “cat cafés” japoneses onde os clientes vão para brincar com os bichanos) costumam ouvir mais nomes no cotidiano. Assim, os que vivem com uma família pequena têm mais chance de associar rostos e nomes.

De qualquer forma, essa é apenas a primeira evidência científica de que gatos podem lembrar os nomes dos outros e fazer associação com os rostos. Sendo algo tão novo para a ciência, é necessária a realização de mais estudos, até que se tenha provas mais concretas.

Fonte: Scientific Reports via The Asahi Shimbun

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.

©2022 Vetsapiens. Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução total ou parcial deste website sem autorização prévia.

oneweb Desenvolvido por logo-crowd