Células T encontradas em pacientes com COVID-19 “promovem bem” a imunidade a longo prazo

15 de maio de 2020

Os relatórios COVID-19 da Science são suportados pelo Pulitzer Center.
Guerreiros imunes conhecidos como células T nos ajudam a combater alguns vírus, mas sua importância na luta contra o SARS-CoV-2, o vírus que causa o COVID-19, não está clara. Agora, dois novos estudos revelam que as pessoas infectadas abrigam células T direcionadas ao vírus – e podem ajudá-las a se recuperar. Ambos os estudos também descobriram que algumas pessoas nunca infectadas com SARS-CoV-2 têm essas defesas celulares, provavelmente porque foram infectadas anteriormente por outros coronavírus.
“São dados encorajadores”, diz a virologista Angela Rasmussen, da Columbia University. Embora os estudos não esclareçam se as pessoas que eliminam uma infecção por SARS-CoV-2 podem evitar o vírus no futuro, ambas identificaram fortes respostas de células T a ele, o que “é um bom presságio para o desenvolvimento de imunidade protetora a longo prazo, Rasmussen diz. As descobertas também podem ajudar os pesquisadores a criar melhores vacinas.
As mais de 100 vacinas COVID-19 em desenvolvimento se concentram principalmente em outra resposta imune: anticorpos. Essas proteínas são produzidas por células B e, idealmente, se prendem ao SARS-CoV-2 e impedem que ele entre nas células. As células T, por outro lado, impedem as infecções de duas maneiras diferentes. As células T auxiliares estimulam as células B e outros defensores do sistema imunológico a agir, enquanto as células T assassinas têm como alvo e destroem as células infectadas. A gravidade da doença pode depender da força dessas respostas das células T.

Usando ferramentas de bioinformática, uma equipe liderada por Shane Crotty e Alessandro Sette, imunologistas do Instituto de Imunologia La Jolla, previu quais pedaços de proteína viral provocariam as respostas mais poderosas das células T. Eles então expuseram as células imunes de 10 pacientes que haviam se recuperado de casos leves de COVID-19 a esses fragmentos virais.
Todos os pacientes carregavam células T auxiliares que reconheciam a proteína spike SARS-CoV-2, que permite que o vírus se infiltre em nossas células. Eles também abrigavam células T auxiliares que reagem a outras proteínas SARS-CoV-2. E a equipe detectou células T killer específicas para vírus em 70% dos indivíduos, relatam hoje na Cell. “O sistema imunológico vê esse vírus e monta uma resposta imunológica eficaz”, diz Sette.
Os resultados coincidem com os de um estudo publicado como uma pré-impressão no medRxiv em 22 de abril pelo imunologista Andreas Thiel do Hospital Universitário Charité em Berlim e colegas. Eles identificaram células T auxiliares direcionadas à proteína spike em 15 dos 18 pacientes hospitalizados com COVID-19.

As equipes também perguntaram se as pessoas que não foram infectadas com o SARS-CoV-2 também produzem células que o combatem. Thiel e colegas analisaram o sangue de 68 pessoas não infectadas e descobriram que 34% hospedavam células T auxiliares que reconheciam o SARS-CoV-2. A equipe de La Jolla detectou essa reatividade cruzada em cerca de metade das amostras de sangue armazenadas coletadas entre 2015 e 2018, muito antes do início da atual pandemia. Os pesquisadores pensam que essas células provavelmente foram desencadeadas por infecções passadas com um dos quatro coronavírus humanos que causam resfriados; As proteínas desses vírus se assemelham às do SARS-CoV-2.
Os resultados sugerem “uma razão pela qual grande parte da população pode lidar com o vírus é que podemos ter uma pequena imunidade residual de nossa exposição a vírus do resfriado comum”, diz o imunologista viral Steven Varga, da Universidade de Iowa. No entanto, nenhum dos estudos tentou estabelecer que pessoas com reatividade cruzada não fiquem tão doentes com o COVID-19.
Antes desses estudos, os pesquisadores não sabiam se as células T tinham um papel na eliminação do SARS-CoV-2, ou mesmo se poderiam provocar uma reação exagerada do sistema imunológico. “Esses trabalhos são realmente úteis, porque começam a definir o componente da célula T da resposta imune”, diz Rasmussen. Mas ela e outros cientistas alertam que os resultados não significam que as pessoas que se recuperaram do COVID-19 estão protegidas contra reinfecções.
Para estimular a produção de anticorpos, as vacinas contra o vírus precisam estimular as células T auxiliares, observa Crotty. “É encorajador vermos boas respostas das células T auxiliares contra o SARS-CoV-2 nos casos com COVID-19”, diz ele. Os resultados têm outras implicações significativas no design da vacina, diz a virologista molecular Rachel Graham, da Universidade da Carolina do Norte, em Chapel Hill. A maioria das vacinas em desenvolvimento visa provocar uma resposta imune contra o pico, mas ambos os estudos determinaram que as células T reagiram a várias proteínas virais, sugerindo que as vacinas que sic o sistema imunológico dessas proteínas também poderiam ser mais eficazes. “É importante não se concentrar apenas em uma proteína”, diz Graham.

Fonte: https://www.sciencemag.org/news/2020/05/t-cells-found-covid-19-patients-bode-well-long-term-immunity#

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd
Bitnami