BLOG – Você conhece a possível relação entre o uso de alguns medicamentos óticos e o surgimento da Ceratoconjuntivite seca neurogênica canina? | Vetsapiens

BLOG – Você conhece a possível relação entre o uso de alguns medicamentos óticos e o surgimento da Ceratoconjuntivite seca neurogênica canina?

28 de julho de 2023

Uma condição chamada Ceratoconjuntivite seca neurogênica canina -nKCS (também conhecida como olho seco neurogênico), pode ser causada pela interrupção da inervação da glândula lacrimal eferente. E esta alteração na inervação pode ter origem com o uso constante de certos medicamentos otológicos.

Nesta condição, os cães afetados apresentam sinais clínicos compatíveis com um olho gravemente seco, como blefaroespasmo, hiperemia conjuntival, quemose, secreção ocular espessa e teste lacrimal de Schirmer <15 mm/minuto), e muitos desenvolvem ceratite ulcerativa concomitante. Alguns também apresentam xeromicteria ipsilateral (ou seja, a narina seca do mesmo lado do olho afetado).

Sabemos que existem inúmeras causas possíveis para esse quadro de nKCS, mas a otite média e o trauma estão comumente implicados.

Em uma pesquisa recentemente publicada*, uma série de casos foram descritos, seus achados comuns e os resultados de possíveis reações adversas oculares a medicamentos otológicos de longa duração contendo terbinafina e florfenicol foi levantada.

* Bercovitz GR, Gaerig AM, Conway ED, et al. Long-lasting otic medications may be a rare cause of neurogenic keratoconjunctivitis sicca in dogs. J Am Vet Med Assoc. 2023;261(1):97-103. doi:10.2460/javma.22.07.0301

Todos os cães (n = 29) desenvolveram sinais clínicos consistentes com nKCS dentro de 1 dia após a aplicação da medicação ótica, sugerindo uma relação causal.

A maioria dos cães (68%) apresentava ulceração corneana concomitante e todos apresentavam um teste lacrimal de Schirmer baixo (<15 mm/minuto) em algum momento durante o monitoramento.

Aproximadamente metade dos cães (48%) apresentavam também a xeromicteria ipsilateral e 34% apresentavam anormalidades neurológicas concomitantes, como por exemplo-  doença vestibular, paralisia do nervo facial, e algum grau de perda auditiva.

A maioria dos cães (83%) teve um retorno da função lacrimal normal em média 86 dias após o diagnóstico.

Uma terapia ocular tópica ou oral com pilocarpina, um parassimpatomimético, foi usado em 65% dos cães, mas não houve benefício clínico óbvio.

Os cães que apresentavam ulceração profunda da córnea demoraram mais para recuperar a função lacrimal.

Os autores deste artigo especularam que a nKCS foi causada pela penetração de medicamentos óticos no ouvido médio através de uma membrana timpânica perfurada, que pode ter resultado em dano ao nervo facial. A visualização da membrana timpânica foi tentada em apenas 45% dos cães antes da administração de medicação ótica, e a membrana foi visualizada em 54% desses casos.

Os autores recomendam seguir as recomendações da bula dos medicamentos óticos, que indicam avaliar a membrana timpânica antes da aplicação de medicamentos que contenham terbinafina e/ou florfenicol.

Sabemos que o estudo possui limitações, como um N amostral baixo, falha em descartar outras causas de nKCS como por exemplo, hipotireoidismo, diabetes mellitus e a incapacidade de descartar a progressão da otite como causa primária de nKCS.

Mesmo assim nos trás um alerta importante e mais uma possível causa de nKCS e que deve ser investigada e estar na mente dos veterinários clínicos e oftalmologistas

 

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.

©2024 Vetsapiens. Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução total ou parcial deste website sem autorização prévia.