BLOG – O efeito do local de atendimento e da presença do tutor no estresse em cães

27 de outubro de 2022

Sabemos que a ida ao veterinário, mesmo que para exames de rotina, pode causar estresse em cães, em diferentes graus. O estresse pode ser devido à exposição a novas pessoas, a ambientes desconhecidos, novos animais, cheiros e sons diferentes e até mesmo pelos procedimentos realizados, contenção física, contenção sobre a mesa etc.

O estresse pode prejudicar uma avaliação clínica fidedigna e impactar negativamente a saúde e o bem-estar do paciente. Existem amplas evidências cientificas demonstrando que o estresse psicogênico, agudo e crônico, pode resultar em consequências negativas,  e podem contribuir a longo prazo para o aumento da morbidade ou mortalidade do paciente, incluindo aumento da suscetibilidade a infecções e sepse, prejuízo a produção de anticorpos após à vacinação, cicatrização mais lenta de feridas e desenvolvimento de úlceras gástricas. Portanto, o estresse crônico induzido ou até mesmo causado por transtornos de ansiedade está associado a diminuição da sobrevida em cães.

Um estudo* procurou quantificar os efeitos dos exames clínicos realizados nos consultórios veterinários no bem-estar dos animais, levando em conta indicadores comportamentais e fisiológicos que indicam medo, ansiedade e estresse em cães de tutores.

*Mandese WW, Griffin FC, Reynolds PS, Blew AC, Deriberprey AS, Estrada AH. Stress in client-owned dogs related to clinical exam location: a randomized crossover trial. J Small Anim Pract. 2021;62(2):82-88. doi:10.1111/jsap.13248 https://onlinelibrary.wiley.com/doi/abs/10.1111/jsap.13248

Os indicadores foram baseados em uma pontuação cumulativa de 5 comportamentos padronizados (ou seja, posição do corpo, posição da cauda, da ​​sobrancelha, da boca e as pupilas), além da frequência cardíaca. O exame inicial foi realizado com o tutor do animal presente, seguido por 2 exames idênticos em locais diferentes (ou seja, uma sala de exame isolada com o tutor presente e uma área de tratamento comum, com mais pessoas e animais e sem o tutor ) em ordem aleatória.

Os cães tiveram aumentos clinicamente significativos nas métricas de estresse e frequência cardíaca quando o exame foi realizado na área de tratamento comum, longe do tutor, sugerindo que um ambiente excessivamente estimulante ou inerentemente estressante, além da separação do tutor, pode aumentar os comportamentos associados ao estresse.

Também foi evidenciado que a uma experiência individual do animal não positiva e anterior são os principais determinantes da resposta comportamental dos cães as visitas clínicas subsequentes.

O trabalho recomenda em suas conclusões que os veterinários devem reconhecer a importância da identificação e redução do sofrimento psicogênico em seus pacientes, e devem evitar ao máximo o estresse desde as primeiras consultas, devem evitar estimulação excessiva do animal no exame físico, realizá-lo em ambiente mais calmo possível e além disso sempre encorajar a presença do proprietário durante os exames de rotina na clínica.

A medida que as evidências se acumulam em apoio ao fato de que o estresse psicogênico tem consequências importantes para a saúde dos nossos pacientes, um entendimento geral por parte dos veterinários, bem como a investigação de seu reconhecimento e meios de mitigação usando ferramentas validadas de avaliação de estresse, são características importantes da nossa busca em evolução para melhorar o bem-estar e a saúde dos pacientes veterinários.

Fonte: Clinician’s brief – JULY 2022

Artigo da Dra. Kelly Harrison. DVM, MS

University of Florida

 

 

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.

©2022 Vetsapiens. Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução total ou parcial deste website sem autorização prévia.

OneWeb