BLOG – Matéria da BBC aborda as altas taxas de suicídio entre veterinários | Vetsapiens

BLOG – Matéria da BBC aborda as altas taxas de suicídio entre veterinários

13 de outubro de 2023

Uma matéria recém publicada pela BBC,  traz os seguintes dados americanos publicados em 2019, entre 1979 e 2015, segundo dados do Centro Nacional de Estatísticas de Saúde do CDC – EUA, quase 400 veterinários morreram por suicídio. Os resultados mostraram que veterinários do sexo masculino têm 2 vezes mais probabilidade de cometerem suicido e as veterinárias têm quase 4 vezes mais probabilidade do que a população em geral de morrer por suicídio.

Além disso, um estudo financiado pela Royal Canin mostrou que quase 70% dos veterinários tiveram um colega ou colega que morreu por suicídio, e perto de 60% declararam que já experimentaram stress, ansiedade ou depressão, relacionados com o trabalho, em níveis tão graves que necessitaram de ajuda profissional.

Os pesquisadores apontam para uma miríade de causas que alimentam esses números alarmantes a sobre saúde mental dos veterinários. Os fatores financeiros desempenham um papel importante, assim como as pressões e as longas ornadas de trabalho, mas também as expectativas dos tutores e a exposição a traumas e à eutanásia frequente.

A matéria cita a estória de Andrea Kelly, uma veterinária de 36 anos que atendeu em par de potros de um mês de idade em Quebec, que teve uma interação normal e amigável com a equipe da fazenda e apenas 3 dias depois, foi encontrada morta. A morte de Kelly por suicídio ganhou as manchetes no Canadá e em outros lugares, gerando histórias sobre a alarmante crise de saúde mental na comunidade veterinária.

Outra estória levantada pela matéria foi da veterinária australiana Sophie Putland, de 33 anos, que morreu por suicídio em Melbourne em 2021. Outro veterinário de Melbourne, Flynn Hargreaves, tinha apenas 27 anos quando se suicidou em 2018. Em 2014, uma veterinária do Bronx, Nova York, chamada Shirley Koshi, morreu de aparente suicídio após meses de assédio e intimidação por um tutor de um de seus pacientes. Mais tarde naquele mesmo ano, Dra. Sophia Yin, pioneira em comportamento animal e renomada especialista na comunidade veterinária, morreu por suicídio aos 48 anos.

Mas vemos uma luz no fim do túnel, pois cada vez mais estamos abordando esse tema, e conversando mais sobre a saúde mental dos veterinários ganha força, muitos consultórios começaram a oferecer apoio e recursos a classe. Várias associações veterinárias estão fazendo parceria com grandes grupos de prevenção do suicídio para tentar garantir que os profissionais veterinários e seus colegas saibam como reconhecer os sinais de alerta antes que seja tarde demais.

A eutanásia, é um ponto bastante complexo que impacta diretamente a vida dos veterinários.

Outra estória levantada na matéria foi de Emily Volk, uma veterinária que trabalha durante a noite em uma clínica de emergência em Nova Jersey, EUA. A maioria dos casos que ela trata são críticos: animais que sofreram acidentes ou estão gravemente doentes. Ela relata que o stress em seu trabalho é “amplificado exponencialmente” pois muitos proprietários não têm condições financeiras.

Nos EUA, os tutores de animais de estimação gastaram em 2022 quase 36 mil milhões de dólares no veterinário, de acordo com a American Pet Products Association. E os preços dos cuidados aumentaram ao longo das últimas décadas; somente entre 2021 e 2022, a inflação aumentou os custos veterinários nos EUA em 10%.

Volk relata que muitas vezes, quando os veterinários fazem de tudo pelos animais,  tudo o que ouvem é reclamações sobre o custo, e muitas vezes somos acusados de atuarmos somente por dinheiro. “Inclusive já fui chamada de ladra”

Essa é uma questão que impacta diretamente a saúde dos veterinários –  uma das críticas mais comuns que os veterinários recebem é que eles são gananciosos. Freqüentemente, médicos e funcionários são solicitados a dar descontos ou isentar taxas, e os proprietários podem ficar chateados quando a resposta é não.

Muitos tutores pensam e falam – ‘Vocês deveriam estar aqui para salvar animais, não para matá-los’.

Existe uma organização sem fins lucrativos fundada após a morte da Dra. Yin, chamada Not One More Vet (NOMV), cujo conselheira, a Dr. Taylor Miller diz que estes conflitos motivados por questões financeiras podem causar dilemas éticos profundamente angustiantes. Um fator que contribui para o impacto na saúde mental, diz ela, “é o sofrimento moral: a ideia de que não consigo cumprir o que deveria ser o meu único propósito, que é cuidar de um animal, porque existem barreiras a esse cuidado, uma das maiores das quais é financeiro”.

Os veterinários também costumam ter seus próprios problemas financeiros. Na Europa e na Am. Do Norte, as escolas veterinárias são extremamente caras e seletivas, o que significa que os veterinários também carregam grandes dívidas para pagarem depois de formados.

O Bureau of Labor Statistics (BLS) dos EUA informou em 2022 que o salário médio anual de um veterinário nos EUA era de pouco mais de US$ 100.000. No entanto, a American Veterinary Medical Association (AVMA) relata que a dívida média dos recém-formados em veterinária,  que precisavam de empréstimos para pagar a sua educação era aproximadamente 180 mil dólares.

“Muitos de nós temos dívidas inacreditáveis”, diz Volk. “Quando me formei em 2012, minha dívida pessoal de empréstimo estudantil era de cerca de US$ 289 mil. Apesar de uma década de pagamentos, o total aumentou por causa dos juros e agora está em US$ 460 mil.” Mesmo que quisesse deixar de ser veterinária, ela diz que se sente presa: o grande volume de custos irrecuperáveis faz com que a transição para uma nova carreira pareça quase impossível.

“A matemática de ser veterinária simplesmente não funciona”, diz ela. “Definitivamente, há uma sensação de que, não importa o que você faça, não importa o quanto você trabalhe, você nunca sairá dessa dívida. E não importa o quanto você trabalhe, há tantas pessoas que vêm até você para que você possa ajudá-las e você não pode ajudar por causa de questões econômicas. Ou seja, você sempre falhará com alguém.”

Como destacado pela matéria, o trabalho de um veterinário é cansativo e a carga de trabalho fica ainda mais pesada devido a escassez de profissionais nos EUA.

A American Animal Hospital Association  (AAHA) alega que a taxa de rotatividade esta próxima dos 25%, o que significa que, a qualquer momento, um em cada quatro funcionários está a deixar o seu emprego. Com apenas um candidato para cada 10 vagas veterinárias abertos, isso deixa a maioria das clínicas com falta crônica de pessoal.

Muitos veterinários nos EUA relatam que trabalham mais de 80 horas por semana e muitos estão sobrecarregados, sendo que alguns veterinários relatam mais de 20 casos em um turno de 10 horas.

Além das jornadas pesadas, os veterinários e o seu pessoal ainda lidam com o assédio moral e o abuso por parte dos clientes, tanto pessoalmente como online, sob a forma de críticas negativas e até ameaças. Uma pesquisa da AVMA de 2015 com cerca de 350 veterinários dos EUA mostrou que um em cada cinco havia sofrido cyberbullying ou conhecia um colega que havia sofrido.

No ano passado, uma história viral sobre um cachorrinho que foi entregue ao Centro Médico Veterinário do Maine, em Scarborough, Maine, resultou em ataques on-line e ameaças de violência tão intensos que a polícia teve que ficar estacionada do lado de fora do prédio.

O incidente envolveu um filhote de pastor alemão de quatro meses que engoliu um espeto e precisou de uma cirurgia de emergência para salvar vidas. O custo do procedimento complicado e dos cuidados posteriores foi próximo de US$ 10.000 – mais do que o proprietário poderia pagar. Como último recurso, para evitar a eutanásia, a clínica ofereceu-lhe a opção de entregar o cachorro a um novo dono que pudesse cobrir os custos. Quando a história do ex-proprietário sobre a tentativa de recuperar o filhote foi ao ar na televisão local, desencadeou um “turbilhão nas redes sociais”, escreveu o Maine Veterinary Medical Center em um comunicado. Eles recebiam “ameaças de hora em hora de incendiar o hospital e matar nossos funcionários e suas famílias. Nossas linhas telefônicas foram deliberadamente bloqueadas para que chamadas de emergência reais não pudessem ser atendidas”.

Em resposta a todos esses desafios, a organização NOMV organizou um grupo de trabalho contra o assédio cibernético para ajudar as práticas a evitar consequências semelhantes. “Os médicos veterinários são vítimas de ameaças e violência a tal ponto que isso se tornou uma crise nacional”.

No seu livro Concerning Animals, o autor Arnold Arluke discute o que chama de “paradoxo do cuidar – matar”: os médicos que se dedicam ao tratamento de animais de estimação – por vezes durante toda a vida dos animais – mas também devem sacrificar muitos dos seus pacientes.

“Há inúmeras ocasiões em que tratamos um animal de estimação muito, muito doente, onde os donos querem fazer de tudo, e fazemos muito para estabilizar aquele animal e depois perdê-lo no final”, diz Feliciano. É traumático, acrescenta ela, e muitas vezes leva ela ou seus colegas a chorar. “É uma resposta ao que acabamos de passar, mas também temos que continuar caminhando para o próximo.”

Muitas vezes médicos e técnicos têm a tarefa de assumir ainda mais o trabalho emocional da eutanásia. “Nem todo tutor fica até o fim”, diz Feliciano. “Eles não querem ver seu animal de estimação dar o último suspiro. Eles querem se lembrar de seus dias bons e não desse dia horrível. E isso é compreensível, mas significa que eles vão deixar aquele cão lá comigo, eu eu tenho que distraí-los para não ficarem procurando seus tutores”

Outras circunstâncias de eutanásia são ainda mais potencialmente traumáticas para os médicos, diz Miller. “Quando se trata de questões de saúde pública que afetam os nossos animais de grande porte, algo como um surto de doença pode significar que os veterinários são responsáveis pelo abate de rebanhos inteiros. Às vezes, metade dos animais são saudáveis e normais, mas para o bem da população em geral, você sabe esses animais saudáveis ​​têm que morrer. Você entende isso, mas se é você quem está fazendo isso acontecer, isso é devastador.

Mais frequentemente, porém, a eutanásia parece ser a coisa mais justa e misericordiosa a fazer, diz Volk, e é muito mais fácil do que ver um animal sofrer.

Mas essa realidade do trabalho também pode influenciar a forma como os veterinários encaram a vida humana – incluindo a sua própria – e para aqueles que já experimentam uma tendencia suicida, pode fornecer uma justificação simples: a morte é preferível ao sofrimento. Numa pesquisa de 2021 da empresa farmacêutica Merck, 12,5% dos veterinários entrevistados disseram estar “sofrendo”. E quase metade dos entrevistados não recebia cuidados de saúde mental.

“Há uma ideia de que os veterinários trabalham com a crença de que é certo sacrificar um caso sem esperança”, diz Volk, “e estamos a ver-nos, emocionalmente, como casos sem esperança”.

A morte é uma parte rotineira e repetida do trabalho e, embora nunca seja fácil acabar com uma vida, Volk acrescenta que é fácil começar a vê-la como uma opção para aliviar a sua própria angústia. “Tenho medicamentos em minha clínica chamados ‘Euthasol’ e faço eutanásia o tempo todo”, diz ela. “Literalmente cinco ou seis vezes por noite.”

Em um estudo de 2019 do CDC americano, identificou o envenenamento como a causa mais comum de morte entre veterinários. O principal medicamento utilizado foi o pentobarbital, um dos principais medicamentos utilizados para a eutanásia de animais. Os autores do estudo determinaram que “a formação em procedimentos de eutanásia e o acesso ao pentobarbital são alguns dos principais fatores que contribuem para o problema do suicídio entre os veterinários”.

A resposta às altas estatísticas sobre suicídio veterinário e saúde mental tem sido robusta.

No outono de 2021, a AVMA realizou uma mesa redonda – a primeira do género – para abordar a prevenção do suicídio. A organização oferece agora uma série de recursos, incluindo um curso gratuito conhecido como “treinamento de gatekeeper” (treinamento para porteiros, na livre tradução) para ensinar profissionais veterinários que não têm experiência em saúde mental a reconhecerem quando os seus colegas podem estar em risco.

O Banfield Pet Hospital, a maior rede de consultórios veterinários privados dos Estados Unidos, opera mais de 1.000 clínicas que ficam dentro das lojas PetSmart. Em 2020, a empresa lançou um programa de formação e sensibilização para ensinar os seus milhares de colaboradores a reconhecer sinais de alerta, como comportamentos de isolamento, alterações de humor, depressão, ansiedade ou agitação, doação de bens ou conversas sobre suicídio.

Nas redes sociais, vários grupos pretendem ajudar os profissionais veterinários a encontrar apoio e consolo entre os colegas que o contactam. Um programa NOMV chamado Lifeboat fornece apoio anônimo e on-line.

“É anônimo para que você possa se sentir seguro ao falar sobre os erros que cometeu – as coisas que te assombram com liberdade”, diz Miller. “Cometer erros não é seguro na medicina. Não é seguro ser imperfeito. O objetivo do Lifeboat é criar um lugar seguro, onde você pode ser imperfeito por um tempo, para que você possa superar isso.”

Os suicídios veterinários continuam a gerar manchetes e histórias sobre as pressões da profissão, mas essa visibilidade pode estar ajudando a aumentar a abertura em torno do tema. Volk diz que o assunto saúde emocional surge mais do que nunca entre sua equipe e colegas. “Acho que sei quais remédios ansiolíticos e antidepressivos todos ao meu redor tomam”, diz ela. Volk também trabalha diligentemente para garantir que os jovens médicos novos na profissão prestem tanta atenção ao seu próprio bem-estar quanto ao de seus pacientes.

“Estou na posição de mentoria dos estagiários do nosso consultório que são recém-formados, no primeiro ano fora da escola”, afirma. “Eu também treino muito com eles sobre como cuidar de si mesmos.”

Fonte: https://www.bbc.com/worklife/article/20231010-the-acute-suicide-crisis-among-veterinarians-youre-always-going-to-be-failing-somebody

 

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.

©2024 Vetsapiens. Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução total ou parcial deste website sem autorização prévia.