Baixa procura em cursos de Medicina Veterinária preocupa associação da categoria na Alemanha

16 de novembro de 2022
noticia- falta de veterinários na alemanha

Para sanar essa evolução perigosa que pode comprometer o bem-estar dos animais, o país alemão busca facilitar a imigração de trabalhadores.

  • Associação Federal de Veterinários Praticantes (BPT), se mostrou preocupada com a fraca procura de jovens para seguir carreira no setor da Medicina Veterinária.

A entidade sabe da importância deste setor para atender as exigências do mercado consumidor que estada cada vez mais exigindo mais cuidados na produção animal, seja em questões de bem-estar, bem como na saúde animal que consecutivamente reflete na saúde humana também, tanto do produtor quanto do consumidor final.

Além de qualidade de vida e saúde do produtor, as doenças também podem comprometer a saúde financeira das fazendas, pois se os animais forem acometidos por infecções, parasitoses, doenças em geral, problemas metabólicos ou de fertilidade, isso tudo pode afetar o desempenho dos animais e, portanto, a situação econômica da fazenda.

A base do sucesso da produção pecuária é, e continuará sendo, a população animal saudável, porém sabe-se que para isso, o médico veterinário deve cada vez mais contribuir com sua capacidade profissional, competência consultiva e conhecimento em questões de manutenção da saúde e alimentação para uma produção mais eficiente e que atenda as exigências do mercado.

Falta de novos veterinários

No entanto, estes requisitos veterinários cada vez mais complexos enfrentam um problema sério na Alemanha: a escassez de veterinários. Dos atuais cerca de 22.000 veterinários praticantes na Alemanha (incluindo cerca de 12.000 proprietários de consultórios e 10.000 veterinários empregados), apenas cerca de 3.500 trabalham no cuidado veterinário de animais de fazenda.

“Os recursos veterinários estão se tornando cada vez mais escassos, especialmente nas áreas rurais, porque há uma falta de descendentes na prática curativa”, explica Heiko Färber, diretor administrativo da Associação Federal de Veterinários Praticantes (BPT). Há muitas razões para isso. Para além do desejo de proximidade com a cidade e de conciliação entre a vida profissional e a vida familiar, as condições de trabalho, por vezes ainda difíceis, mas também os insuficientes procedimentos de seleção para os estudantes de veterinária desempenham um papel para a geração mais jovem. Os requisitos legais cada vez maiores e a burocracia agravam ainda mais a situação.

Uma análise da aplicação nacional do Regulamento da UE relativo aos medicamentos veterinários reforça essa tese. A atual (primeira) alteração à Lei dos Medicamentos Veterinários não só cria mais obrigações de comunicação, como também se destina a reduzir ainda mais os tratamentos antibióticos necessários, embora a utilização de antibióticos na produção animal já tenha sido reduzida em mais de 60% nos últimos dez anos. Esta conquista reforça ainda mais de que os veterinários e produtores estão enfaticamente comprometidos com a ideia One Health. Uma nova redução dos tratamentos antibióticos necessários acarreta o sério risco de efeitos negativos na saúde animal e, por conseguinte, no bem-estar dos animais. Isto foi reforçado recentemente em uma auditoria de peritos da Comissão da Alimentação e da Agricultura do Bundestag, em outubro deste ano.

Cobertura nacional em risco

“Tudo isso é um grande dilema, porque não só a busca às vezes malsucedida por veterinários empregados causa problemas. Isso é agravado pelas práticas com arranjos sucessórios que não podem mais ser mudados. Se tudo continuar no ritmo que esta, em breve não será mais possível garantir um atendimento veterinário integral”, prevê Färber. “No entanto, se os animais doentes ou feridos não puderem mais ser adequadamente tratados devido à falta de capacidade veterinária, isso poderá comprometer o bem-estar animal”, continua Färber.

Para sanar essa evolução perigosa que pode comprometer o bem-estar dos animais na Alemanha, o país busca facilitar a imigração de trabalhadores qualificados que serão cedidos pelo Governo Federal, porém essa estratégia não parece ser suficiente do ponto de vista da associação veterinária.

Pelo contrário, o que é necessário é uma rápida flexibilização da Lei do Horário de Trabalho, a fim de poder mobilizar o grupo cada vez maior de veterinários empregados de forma mais flexível, e uma redução maciça da burocracia, de modo a que o tempo de trabalho cada vez menor possa surgir um efeito efetivo deste tempo disponível para ser utilizado para o trabalho com animais e, por conseguinte, para a saúde animal.

Finalmente implementando o gerenciamento de portfólio em lei

“A saúde animal e o bem-estar animal também seriam mais bem servidos se forem usados os recursos escassos na prática pecuária para intensificar os cuidados veterinários do rebanho”, explica Heiko Färber. Desde abril de 2021, as visitas obrigatórias de veterinários estão ancoradas na legislação de saúde animal da UE. Infelizmente, este requisito sensato da UE ainda não foi transposto para o direito nacional. “A rápida implementação da gestão do setor exigida por unanimidade pelo BPT e todas as associações veterinárias teria um efeito muito mais rápido e duradouro sobre a situação sanitária nas explorações agrícolas e também contribuiria de forma mais eficaz para uma maior redução do uso de medicamentos do que novas obrigações de notificação com benefícios questionáveis”, afirma Färber. As visitas regulares e estreitas prestam serviços valiosos para o bem-estar dos animais, bem como para a proteção da saúde dos consumidores e a proteção jurídica do agricultor enquanto produtor de alimentos. Eles também contribuem para o fato de que alimentos de alta qualidade podem ser produzidos economicamente lucrativos com animais saudáveis, porque a integração do manejo de estoque pelo veterinário da fazenda no processo de produção pode reduzir os custos de tratamento, garantir um uso mais direcionado de medicamentos veterinários e, ao mesmo tempo, otimizar ainda mais o uso de antibióticos. O trabalho veterinário torna-se, assim, um fator de custo muito relevante e rentável para o produtor.

Inovações para mais bem-estar animal

Paralelamente aos canais reguladores, muitas vezes morosos, as inovações técnicas podem garantir condições de criação adequadas às espécies e, assim, melhorar o bem-estar dos animais. Isso é muito importante para Heiko Färber: “Os Prêmios de Bem-Estar Animal, que a BPT apresenta junto com o DLG, servem exatamente a esse propósito. Dos novos desenvolvimentos/inovações apresentados na EuroTier, serão selecionados aqueles que servem particularmente o bem-estar animal e a saúde animal.” Os três vencedores deste ano são dedicados à detecção precoce automatizada de doenças respiratórias na granja, à saúde da e ao bem-estar de vacas leiteiras. “Com essas inovações impressionantes, conseguimos algo para os animais muito mais rápido do que com a lei regulatória. Para mim, este é um trabalho dentro dos padrões One Health”, diz Färber.

Prêmio

Entrega do “Prêmio Bem-Estar Animal” como parte do Evento Internacional de Saúde Animal na quinta-feira, 17.11.2022, das 18h30 às 19h30, Sala 1b (nível do salão), Centro de Convenções da EuroTier em Hanover.

 

Fonte: O presente Rural com informações da Ass. da EuroTier

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.

©2022 Vetsapiens. Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução total ou parcial deste website sem autorização prévia.

OneWeb