As principais indicações para o uso de pentoxifilina na dermatologia veterinária

21 de setembro de 2021

MV MSc Rita Carmona

Dermatologia veterinária

Adaptado de: Top 5 Dermatologic Indications for Pentoxifylline in dogs

Sarah Lewis, DVM, MS, Auburn University

Robert Kennis, DVM, DACVD, MS, Auburn University

A pentoxifilina é um derivado da metilxantina que age inibindo a fosfodiesterase elevando os níveis de monofosfato de adenosina cíclica intracelular e diante disso pode ter muitos efeitos, incluindo melhor circulação e redução da inflamação. A pentoxifilina inibe a deformidade de hemácias, a constrição microvascular e formação de trombos; diminui a produção de citocinas proinflamatórias, a atividade de neutrófilos, atividade de células Narural Killers, adesão e quimiotaxia de leucócitos e adesão a queratinócitos; e, ainda, estimula os fibroblastos para produzir colágeno e promover a cicatrização de feridas.  Citocinas inibidas pela pentoxifilina incluem TNF α, interferon-γ, interleucina-1 (IL-1), IL-6, IL-8 e IL-10.

Pentoxifilina (10-30 mg/kg PO a cada 8 a 12 horas) tem uma meia-vida de eliminação relatada de 24 a 404 minutos que suporta administração com intervalo de 8 horas. Em cães, a biodisponibilidade oral é variável e relatada como sendo de 15% a 50%. Pode ser encontrada na forma de comprimidos não sulcados e de liberação lenta de 400mg, contudo muitos fazem o fracionamento do comprimido para ajustar a dosagem, contudo vale ressaltar que nenhum estudo controlado investigou diretamente os efeitos farmacocinéticos de quebrar o comprimido de liberação lenta. É geralmente bem tolerada em cães, contudo efeitos GI, como a êmese que é o efeito adverso mais comumente relatado. O uso anedótico relatado na medicina veterinária é vasto; no entanto, estudos revisados por pares que avaliam sua eficácia para o tratamento de doenças específicas são limitados. Com base em evidências anedóticas na medicina humana e veterinária, podemos nos beneficiar do uso da pentoxifilina nas seguintes enfermidades.

1

Vasculite cutânea

Vasculite cutânea refere-se à inflamação dos vasos sanguíneos na pele que resulta em fluxo sanguíneo alterado e necrose isquêmica da pele. A condição pode ser idiopática ou causada por: reação adversa de drogas, infecção, picada de inseto ou neoplasia. O tratamento deve incluir a identificação e tratamento da causa de base e reparar danos teciduais. Pentoxifilina é uma opção terapêutica (independente da causa) devido ao seu efeito de aumento da perfusão sanguínea e controle de inflamação.

Como a pentoxifilina tem um potencial início de efeito retardado, muitas vezes é combinada com outras drogas (por exemplo, glicocorticoides). Em um estudo retrospectivo,  9 dos 19 cães com vasculite foram tratados com pentoxifillina (10-20 mg/kg PO a cada 12 horas) monoterapia (1 cão) ou em combinação (8 cães) com prednisona (1,5-3 mg/kg/dia) com sucesso variável. Seis cães tiveram resolução completa, dois tinham resolução parcial e um não respondia. Dos 6 cães com resolução completa, 3 tiveram recidiva quando a administração da prednisona foi reduzida , sugerindo que a pentoxilina pode ser insuficiente quando usada como monoterapia para tratar vasculite. A dosagem e a frequência insuficientes poderiam explicar o sucesso limitado e a falta de resposta em 3 cães. Apesar dos relatos de sucesso variável, a pentoxifilina é frequentemente utilizada para o tratamento da vasculite.

2

Dermatomiosite Familiar Canina

A dermatomisite familiar canina (DFC) é uma doença isquêmica herdada da pele, vasos sanguíneos e músculos que afeta predominantemente cães das raças Collie e Pastor de Shetland, no entanto, outras raças de cães também podem ser acometidas. As lesões ocorrem nos primeiros meses de vida e podem variar de alopecia, ulceração e atrofia muscular. DFC é incurável; muitos tratamentos têm sido tentados com sucesso limitado. Em estudo, 10 cães com DFC apresentaram resolução parcial ou completa de lesões cutâneas após receberem pentoxilina (25 mg/kg PO a cada 12 horas durante 12 semanas). O tempo médio para a resposta inicial foi de 6 semanas, o que corrobora com o fato que o início do efeito terapêutico é tardio (cerca de 4 semanas). Não foram observados efeitos adversos, incluindo anormalidades clinico-patológicas, apoiando ainda mais a relativa segurança da pentoxifilina em comparação com outras opções terapêuticas.

3

Outras Dermatopatias Isquêmicas

A dermatopatia isquêmica refere-se a várias síndromes clínicas caracterizadas pela deficiência geral de nutrientes e oxigênio na pele, incluindo DFC, vasculite induzida pela vacina antirrábica, dermatopatia isquêmica associada à vacina, dermatopatia isquêmica associada à leishmaniose, vasculopatia cutânea familiar em cães Pastores Alemães, vasculite de bordas de pavilhões auricularese dermatopatia isquêmica idiopática. Em um estudo, 3 cães com vasculite induzida pela vacina antirrábica tiveram recrescimento parcial do cabelo de 12 a 16 semanas após receberem pentoxilina (15 mg/kg PO a cada 12 horas) combinados com prednisona (0,8-3 mg/kg/dia PO). Em estudo retrospectivo de 177 cães com dermatopatia isquêmica, a maioria dos cães (91,3%) foi tratada apenas com pentoxifylline ou como terapia aditiva, com uma dosagem média de 47,12 mg/kg/dia PO (faixa, 18-112,5 mg/kg/dia PO). Apesar do uso comum, não foi encontrada diferença entre cães tratados e cães não tratados com pentoxilina. Concluiu-se que a natureza retrospectiva do estudo e a variabilidade nos regimes de dosagem poderiam explicar esse achado. Estudos prospectivos adicionais controlados por placebo são necessários para determinar a eficácia da pentoxilina no tratamento de dermatopatias isquêmicas. Apesar das evidências limitadas na literatura, as propriedades da pentoxifylline poderiam ser favoráveis para o manejo de dermatopatias isquêmicas.

4

Dermatite de contato alérgica

Dermatite de contato alérgica (DCA) é uma reação de hipersensibilidade do tipo IV. As causas relatadas da ACD em cães incluem a ingestão de plantas, medicamentos tópicos, detergentes, produtos de limpeza, fibras e plástico. A pentoxifilina inibe o fator de necrose tumoral α, que é um mediador importante na patogênese da DCA.A pentoxifilina (10 mg/kg PO a cada 12 horas) foi protetora na prevenção de sinais clínicos em 3 cães com alergia conhecida ao contato com plantas da família Commelinaceae.  Um efeito clínico foi observado dentro de 2 dias após o início da terapia e persistiu por 7 dias após a interrupção da terapia.  A duração do tratamento foi limitada a 3 a 5 semanas devido ao custo da terapia. Pentoxifilina tornou-se menos proibitiva de custos; assim, pode ser uma escolha razoável para a prevenção de sinais clínicos de DCA quando a evasão não é possível. As principais limitações deste estudo foram o número de cães incluídos e sua natureza retrospectiva. Investigações adicionais são necessárias para determinar a eficácia da pentoxifilina no tratamento da DCA.

Além dessas indicações, evidências anedóticas sugerem que a pentoxifilina pode ser útil para o tratamento de lúpus eritematoso vesicular, eritema multiforme, dermatite acral por lambedura e fístula metatarsal em cães Pastores Alemães. Evidências recentes que avaliam o uso de pentoxifilina no tratamento da arterite dérmica do filtro nasal e da onicodistrofia lupoide simétrica sugerem que esta droga pode ser um tratamento único ou aditivo eficaz no manejo dessas doenças. Faltam estudos clínicos controlados sobre a eficácia da pentoxilina. Devido ao seu custo relativamente acessível e efeitos adversos mínimos,  pode ser uma opção terapêutico  útil para condições dermatológicas nas quais são desejadas microcirculação melhorada e inflamação reduzida.

Leitura sugerida

  1. Samlaska CP, Winfield EA. Pentoxifylline. J Am Acad Dermatol. 1994;30(4):603-621.
  2. Bruynzeel I, Stoof TJ, Willemze R. Pentoxifylline and skin inflammation. Clin Exp Dermatol. 1998;23(4):168-172.
  3. Bruynzeel I, van der Raaij LM, Stoof TJ, Willemze R. Pentoxifylline inhibits T-cell adherence to keratinocytes. J Invest Dermatol. 1995;104(6):1004-1007.
  4. Papich MG. Pentoxifylline. In: Papich MG. Saunders Handbook of Veterinary Drugs: Small and Large Animal. 4th ed. Elsevier; 2016:620-622.
  5. Marsella R, Nicklin CF, Munson JW, Roberts SM. Pharmacokinetics of pentoxifylline in dogs after oral and intravenous administration. Am J Vet Res. 2000;61(6):631-637.
  6. Rees CA, Boothe DM, Boeckh A, Wilkie S, Esparza T, Green R. Dosing regimen and hematologic effects of pentoxifylline and its active metabolites in normal dogs. Vet Ther. 2003;4(2):188-196.
  7. Atzori L, Ferreli C, Biggio P. Less common treatment in cutaneous vasculitis. Clin Dermatol. 1999;17(6):641-647.
  8. Miller WH Jr, Griffin CE, Campbell KL. Pentoxifylline. In: Miller WH Jr, Griffin CE, Campbell KL. Muller & Kirk’s Small Animal Dermatology. 7th ed. Elsevier; 2013:138-139.
  9. Morris DO, Beale KM. Cutaneous vasculitis and vasculopathy. Vet Clin North Am Small Anim Pract. 1999;29(6):1325-1335.
  10. Nichols PR, Morris DO, Beale KM. A retrospective study of canine and feline cutaneous vasculitis. Vet Dermatol. 2001;12(5):255-264.
  11. Evans JM, Noorai RE, Tsai KL, et al. Beyond the MHC: a canine model of dermatomyositis shows a complex pattern of genetic risk involving novel loci. PLoS Genet. 2017;13(2):e1006604.
  12. Rees CA, Boothe DM. Therapeutic response to pentoxifylline and its active metabolites in dogs with familial canine dermatomyositis. Vet Ther. 2003;4(3):234-241.
  13. Backel KA, Bradley CW, Cain CL, Morris DO, Goldschmidt KH, Mauldin EA. Canine ischaemic dermatopathy: a retrospective study of 177 cases (2005-2016). Vet Dermatol. 2019;30(5):403-e122.
  14. Marsella R, Kunkle G, Lewis D. Use of pentoxifylline in the treatment of allergic contact reactions to plants of the Commelinceae family in dogs. Vet Dermatol. 1997;8(2):121-126.
  15. Olivry T, DeBoer DJ, Favrot C, et al. Treatment of canine atopic dermatitis: 2015 updated guidelines from the International Committee on Allergic Diseases of Animals (ICADA). BMC Vet Res. 2015;11:210.
  16. Marsella R, Nicklin CF. Double-blinded cross-over study on the efficacy of pentoxifylline for canine atopy. Vet Dermatol. 2000;11(4):255-260.
  17. Singh S, Dimri U, Saxena S, Jadhav RK. Therapeutic management of canine atopic dermatitis by combination of pentoxifylline and PUFAs. J Vet Pharmacol Ther. 2010;33(5):495-498.
  18. Pucheau-Haston CM, Kasparek KA, Stout RW, Kearney MT, Hammerberg B. Effects of pentoxifylline on immediate and late-phase cutaneous reactions in response to anti-immunoglobulin E antibodies in clinically normal dogs. Am J Vet Res. 2014;75(2):152-160.
  19. Funk JO, Ernst M, Schönharting MM, Zabel P. Pentoxifylline exerts synergistic immunomodulatory effects in combination with dexamethasone or cyclosporine A. Int J Immunopharmacol. 1995;17(12):1007-1016.
  20. Souza CP, Torres SMF, Koch SN, Bernardi de Souza L. Dermal arteritis of the nasal philtrum: a retrospective study of 23 dogs. Vet Dermatol. 2019;30(6):511-e155.
  21. Steimer T, Bauer A, Kienzle E, Mueller RS. Canine symmetrical lupoid onychomadesis in bearded collies. Vet Dermatol. 2019;30(5):411-e124.

 

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd