Aplicativo gratuito ensina a identificar dor em cães e gatos - Vetsapiens

Aplicativo gratuito ensina a identificar dor em cães e gatos

5 de fevereiro de 2023

SÃO PAULO, SP (FOLHAPRESS) – Donos de cães e gatos agora têm uma ferramenta para avaliar a dor sentida por seus bichos de estimação. Criado por um grupo de pesquisadores da Unesp (Universidade Estadual Paulista), o aplicativo -disponível online, de forma gratuita e em português- tem como objetivo reduzir o sofrimento dos animais.

A ferramenta pode ajudar a decidir se é preciso levar o pet ao veterinário, fornecer embasamento para processos judiciais sobre maus-tratos e auxiliar a identificar se animais utilizados em pesquisas estão com dor. Também pode auxiliar médicos veterinários em suas avaliações.

Os pesquisadores esperam ainda que as avaliações de dor, acessíveis tanto no site animalpain.org quanto no app Vetpain, contribuam para alterar a visão de criadores de bois, porcos, cavalos, jumentos e ovelhas -outros animais contemplados na ferramenta.

De acordo com Stelio Pacca Loureiro Luna, professor do curso de veterinária na Unesp Botucatu e coordenador dos estudos, muitos produtores ignoram a dor dos animais e ainda veem a analgesia como um gasto extra.

“Pensam que usar analgésico e anti-inflamatório leva a um aumento de custo. Realmente aumenta, mas suínos que são anestesiados antes da castração, por exemplo, têm maior ganho de peso. A analgesia não é uma inimiga do produtor, é uma aliada”, defende Luna.

O cenário de atenção à dor dos animais já melhorou muito em relação a 1984, ano em que o professor se graduou. Naquela época, conta Luna, eram usados animais de rua no ensino, não havia comitês para garantir os cuidados durante as pesquisas e muito menos a preocupação com o sofrimento deles.

“Apenas 10% dos animais de estimação recebiam analgésicos antes da década de 90”, recorda. Inconformado, ele começou a pesquisar como identificar a dor nos bichos com o intuito de ajudar a mudar essa mentalidade a partir de dados.

A primeira grande questão era como desenhar escalas para seres que, ao contrário dos humanos, não têm a capacidade de expressar verbalmente seu nível de desconforto. “Detectamos a dor nos animais pela expressão do comportamento. O comportamento é a linguagem do animal”, responde o professor.

Mas aí surgia outra dúvida: quão específica precisa ser a manifestação do animal? Afinal, o fato de um cachorro se recusar a comer não implica que esteja com dor.

A resposta para essa questão veio de um método que contempla a análise detalhada de imagens. Os pesquisadores gravam vídeos dos animais antes de cirurgias, no pós-operatório e depois da aplicação de analgésico. Assim, é possível comparar como eles se comportam naturalmente, em sofrimento e mediante o alívio.

“Pontuamos os comportamentos em relação à ocorrência e à duração. O animal olha para a área afetada? Tem o dorso arqueado? Passa maior tempo deitado? A escala é definida com base nesses comportamentos e naqueles que são habituais e o animal deixa de expressar, como parar de brincar”, esclarece Luna. O resultado varia entre as espécies. Enquanto um gato com dor abana muito o rabo, o cachorro coloca-o entre as pernas, por exemplo.

No aplicativo, os pesquisadores disponibilizam tanto as avaliações que criaram -a escala para gatos Unesp-Botucatu, de 2013, é mundialmente reconhecida- quanto escalas de outros grupos de pesquisa, o que permitiu ampliar o número de espécies incorporadas.

“Nosso grupo começou com os gatos porque, até então, considerava-se que eles tinham menos dor do que os cães. A porcentagem de gatos em que os veterinários usavam analgesia era menor, a atribuição de intensidade da dor era inferior. Vimos que era uma espécie que demandava atenção”.

Os anos de estudo permitiram entender as peculiaridades de cada espécie. Cavalos mudam muito seu comportamento na presença de um observador, o que dificulta a análise; coelhos escondem a dor; cachorros geralmente são escandalosos e dão mais sinais, enquanto gatos sofrem calados, expressando o desconforto de maneira sutil.

Também há diferenças quando são comparadas as manifestações diante da dor aguda e da dor crônica. “Numa dor aguda, os animais expressam a resposta de forma intensa. Você tenta palpar a área e ele morde, dá coice. Na dor crônica, a reação é mais leve porque ele já reconhece como algo presente”, compara Luna.

“A dor aguda são os veterinários que avaliam, porém a dor crônica quem avalia é o tutor porque ele convive com o animal e as alterações são muito sutis, só são percebidas no dia a dia”, acrescenta o pesquisador.

Ao abrir a ferramenta, o usuário é questionado sobre a espécie que deseja avaliar. Ao clicar na figura do animal correspondente, é aberta uma página com as escalas de avaliação de dor disponíveis. São apresentadas as características de cada escala, como avaliar cada característica e uma prévia dos aspectos que devem ser considerados, com vídeos que exemplificam os diferentes comportamentos do animal.

Depois, é informada a pontuação a partir da qual pode ser necessário o uso de analgésico e há o link para a avaliação, que requer o preenchimento de um cadastro com alguns dados pessoais. O vídeo abaixo traz um tutorial completo.

Segundo Luna, as informações fornecidas pelos usuários ajudarão a traçar um panorama do interesse pela dor. “Será possível saber se são tutores ou veterinários, por exemplo. E se são homens ou mulheres, já que historicamente os homens subestimam a dor e dão menos analgésicos”, comenta.

A expectativa do professor é oferecer a ferramenta em dez idiomas e proporcionar também avaliações com ajuda de inteligência artificial.

“Por enquanto, nós ainda colocamos ponto por ponto, animal por animal. Cada ponto identifica uma unidade de ação facial e, quando o animal tem dor e altera sua expressão, os ângulos e as distâncias entre os pontos mudam. O sistema vai calculando quais dessas mudanças são mais importantes para avaliação da dor e aponta as que têm maior peso”, diz Luna.

De acordo com o pesquisador, o programa acerta 80% dos casos, taxa ainda inferior aos mais de 90% alcançados com algumas escalas, e a meta nos próximos anos é ampliar a acurácia aumentando o banco de dados.

Fonte:  STEFHANIE PIOVEZAN – https://www.acessa.com/noticias/2023/02/amp/126837-aplicativo-gratuito-ensina-a-identificar-dor-em-caes-e-gatos.html

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.

©2023 Vetsapiens. Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução total ou parcial deste website sem autorização prévia.

OneWeb