Copa do Mundo: o que fazer com seu cão na hora dos fogos?

24 de novembro de 2022
Noticia- pilula longevidade

A Copa do Mundo começou. E, em dia de jogo da seleção brasileira, a gente já sabe que o barulho dos fogos de artifícios deixa os animais estressados e atordoados. Segundo geneticista Camilli Chamone, que é consultora em bem-estar e comportamento canino, assim como os humanos, os cachorros também podem sofrer de fobias por vários motivos, como som de fogos.

“No cão, o quadro fóbico equivale a uma crise de síndrome do pânico em humanos. Ou seja, ele se vê em uma situação de risco de morte eminente e sua segurança ameaçada. Com isso, ocorre um disparo muito intenso de adrenalina em seu corpo, pela sensação de estar em perigo”, explica.

Neste quadro, começam os comportamentos compensatórios – e até perigosos. “É comum ficar embaixo da cama ou outro lugar para se sentir seguro. Também pode se automutilar, machucar alguma parte do corpo, e destruir a casa, para amenizar a intensa ansiedade. A adrenalina também o faz querer fugir, e aí vem um perigo ainda maior: arranhar portas, a ponto de perder as unhas com isso; ou quebrar vidros e pular janelas, causando fugas e acidentes”, diz Camilli Chamone.

PREPARAÇÂO

Se o cãozinho ainda é filhote, ou mesmo adulto, e não tem medo de fogos de artifício, é importante, mesmo assim, prepará-lo para lidar com esses barulhos. Assim, a chance de se tornar fóbico diminui, pois o medo de fogos é aprendido e pode surgir a qualquer momento na vida do cachorro.

Por isso, uma ideia é habituar o animal a estes barulhos com antecedência. “É possível colocar som de fogos, por exemplo, encontrados na Internet, e fazer companhia a ele. Se permanecer tranquilo, aumente o som e vá fazendo suas atividades normalmente. Se ele ficar desconfortável, abaixe o som e depois aumente gradativamente, fazendo o treino por vários dias. Isso ajuda a naturalizar o barulho”, enfatiza Camilli Chamone.

E, quando o som dos fogos começar para valer, em dia de jogo, a geneticista recomenda pegar o animal no colo (se possível e se ele gostar), além de fazer carinho, brincar ou dar comida. “A ideia é redirecionar a atenção dele para algo bom, para que não ocorra uma associação negativa com o barulho. Assim, aquela experiência é transformada em algo positivo”, sugere.

Vininha Carvalho, editora da Revista Ecotour News & Negócios, diz que, por possuírem ouvidos sensíveis e potentes, o barulho dos fogos de artifício deixa os animais estressados e atordoados. “O ser humano ouve no intervalo entre 16 e 20.000 Hertz, já o cão, ouve de 10 a 40.000 Hertz. A capacidade auditiva de um cão é quase quatro vezes maior”.

Ela explica que, no momento dos fogos de artifícios, para os animais que ficam dentro de casa, é aconselhável manter o local bem adequado, com um som alto vindo da televisão ou de música ambiente. “O tutor deve agir naturalmente e com tranquilidade. Caso o animal queira se esconder, deve-se permitir, sem forçá-lo a ficar no colo. Colocar algodão nos ouvidos para abafar o som é uma alternativa, lembrando que é preciso retirá-los depois”, conclui Vininha.

  1. Nunca deixe o cão sozinho diante dessa situação. “Ter a companhia do dono reduz o sofrimento, pois estará com alguém de confiança por perto. Fique com ele até os fogos passarem e ele demonstrar estar mais tranquilo”, diz  Camilli Chamone.
  2. Gaste a energia do peludo antes de os fogos começarem. Nos dias de jogo do Brasil, busque fazer um super passeio até ele cansar, preferencialmente em lugares mais vazios, com bastante natureza e que ele explore bastante o olfato; esse estímulo produz relaxamento do sistema nervoso central. Assim, diminui
  3. naturalmente a ansiedade, pois o cão drenou sua energia.
  4. Abafe o som o máximo possível. Quando chegar o momento, abafe o som o máximo possível, fechando portas e janelas. Além disso, é essencial conhecer o seu cachorro. Alguns preferem ficar em ambientes mais fechados, dentro do quarto. Outros escolhem a liberdade para se movimentar e encontrar um cantinho seguro. Perceba o seu cão, como ele se sente melhor, e o respeite.

  5. Ligue uma música para despistar o som externo. Uma melodia mais calma é uma boa opção.

  6. Cuidado ao seguir dicas rápidas de Internet, como enrolar ou enfaixar o animal. “Não há comprovação científica robusta de que isso irá acalmá-lo. O principal é ele não estar sozinho e você conhecê-lo para entender o que melhor irá acolhê-lo naquele momento difícil”, diz Camilli Chamone.
  7. Fobia. Em casos graves de fobia, busque orientação com o médico veterinário, que poderá prescrever um medicamento para ajudá-lo a acalmar. Também é ideal ter acompanhamento de um comportamentalista, para amenizar o problema. “Com o tratamento, conseguimos aumentar a tolerância do cão aos barulhos. A fobia não tem cura, mas é possível ensinar o cachorro a lidar com os fogos sem tanto sofrimento e, claro, tornar esse período de Copa mais tranquilo – para ele e, consequentemente, para toda a família”, finaliza a geneticista.

Fonte: https://www.agazeta.com.br/hz//pet/copa-do-mundo-o-que-fazer-com-seu-cao-na-hora-dos-fogos-1122

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.

©2022 Vetsapiens. Todos os direitos reservados.
Proibida reprodução total ou parcial deste website sem autorização prévia.

OneWeb