Uso de antibióticos (uso humano X uso veterinário)

Por favor, gostaria de saber se os colegas ainda têm prescrito na rotina, muitos antibioticos de uso humano? ou melhor, para serem comprados em farmácias? Sei que o ideal seria priorizarmos os produtos veterinários, mas em se tratando de tutores com baixo poder aquisitivo...Qual a conduta de vcs? obrigada

Responda a pergunta de Simoni Maruyama

Não logado
Visitante
Inserir mais anexos

Há 9 respostas para esta pergunta

equipe
Paola Lazaretti
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Oi Simoni, Eu não atuo no Brasil há vários anos, na minha experiência nos EUA, eu quase sempre (95% das vezes) prescrevo medicações de uso veterinário, mesmo porque a venda de medicamentos é feita dentro dos próprios hospitais veterinários, os clientes já saem do atendimento com as medicações em mãos. No entanto em alguns casos, geralmente por motivo econômico, eu prescrevo antibióticos de uso humano. Várias farmácias nos EUA têm promoções de alguns antibióticos (geralmente cefalosporina, ou amoxicilina) por U$ 4,00, independente da quantidade. Em situações que eu sei que o tutor não vai poder mesmo comprar o medicamento veterinário, eu acabo prescrevendo um destes antibióticos baratos...não é o ideal, mas em algumas situações é isto ou nada.
Anexos: 0
16 de junho de 2020 às 22:26
Nenhum anexo enviado.
Simoni Maruyama
Obrigada!
17 de junho de 2020 às 09:57
equipe
ROSANGELA
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Olá Simoni, infelizmente ainda vemos uma diferença de preço grande entre alguns medicamentos veterinários e os medicamentos genéricos humanos encontrados nas farmácias. Sempre que posso prescrevo medicamentos veterinários, mas quando o tutor tem baixo poder aquisitivo, procuro dar a segunda opção e prescrevo ATB genéricos de uso humano. Até onde eu sei, não há nenhuma restrição legal que impeça o veterinário de prescrever ATB de uso humano, desde que siga as orientações dadas pela PORTARIA Portaria SVS/MS nº 344/1998 . PRESCRIÇÃO DE RECEITUÁRIOS PARA ANTIMICROBIANOS: - A prescrição de medicamentos antimicrobianos deverá ser realizada em receituário privativo do prescritor ou do estabelecimento de saúde, não havendo, portanto modelo de receita específico. - A receita deve ser prescrita de forma legível, sem rasuras, em 2 (duas) vias e contendo os seguintes dados obrigatórios: I - identificação do paciente: nome completo, idade e sexo; II - nome do medicamento ou da substância prescrita sob a forma de Denominação Comum Brasileira (DCB), dose ou concentração, forma farmacêutica, posologia e quantidade (em algarismos arábicos ); III - identificação do emitente: nome do profissional com sua inscrição no Conselho Regional ou nome da instituição, endereço completo, telefone, assinatura e marcação gráfica (carimbo); e IV - data da emissão. - A receita de antimicrobianos é válida em todo o território nacional, por 10 (dez) dias a contar da data de sua emissão. Espero ter respondido a sua pergunta. Abs
Anexos: 0
17 de junho de 2020 às 11:11
Nenhum anexo enviado.
equipe
ROSANGELA
Equipe Vetsapiens
Olá Simoni, Como complementação a sua resposta, destaco a nova Resolução nº 1.318/2020 do CFMV que fala sobre esta prescrição e enfatiza que o medico veterinário pode prescrever medicamentos de uso humanos, mas não pode de forma alguma comercializa-los. "A utilização dos produtos fabricados para uso humano destina-se exclusivamente ao atendimento dos animais em tratamento no respectivo estabelecimento, sendo proibido comercializar ou o fornecê-los gratuitamente ao tutor do paciente. O médico-veterinário, quando receitar produtos fabricados para uso humano, deve orientar que a aquisição seja feita em farmácia comum, atendendo as normas da Agência Nacional de Vigilância Sanitária (Anvisa) e do Conselho de Farmácia (CFF). Já os produtos de uso veterinário podem ser comercializados no próprio estabelecimento, cumpridas as normas do Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa)" http://portal.cfmv.gov.br/noticia/index/id/6474/secao/6 Abs
17 de junho de 2020 às 11:19
Simoni Maruyama
Obrigada! Muito esclarecedor também. Sob esse viés legal, eu desconhecia vários pontos...
17 de junho de 2020 às 12:11
Tiago Cunha Ferreira
Resposta:
Oi Simoni, boa tarde! Eu procuro, sempre que possível, prescrever de forma manipulada também. Alguns antibióticos eu fico com receio, pois experienciei (mais de uma vez, inclusive), episódios como vômitos e quadros diarreicos. Então, por exemplo, Cefalexina eu sempre evito, visto que também não conheço quais laboratórios são de referência/qualidade para o nosso paciente.
Anexos: 0
17 de junho de 2020 às 14:24
Nenhum anexo enviado.
equipe
Claudia
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Oi Simoni, eu da mesma forma procuro prescrever medicamentos veterinários, mas é claro que na nossa realidade muitas vezes não escapamos das prescrições de farmácia humana. Porém, devemos estar atentos também que pelo fato das formulações e apresentações veterinárias serem adaptadas aos nossos pacientes, quaisquer discrepâncias de dosagens, ainda que incidentais, podem trazer complicações ao profissional responsável, situação esta já vivenciada por colega.
Anexos: 0
17 de junho de 2020 às 19:43
Nenhum anexo enviado.
equipe
Fernanda Kerr
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Oi Simoni! acabei conhecendo muitas questões que nem sabia a respeito do assunto. Gostaria apenas de salientar que ao prescrever uma medicação de uso veterinário, você conta com o respaldo do laboratório fabricante para qualquer eventualidade que possa ocorrer. Já a medicação humana, é um uso extra bula, você não terá essa retaguarda. De qualquer forma, como foi dito anteriormente, o fator econômico é importante, pois o principal é dar condições para que o tutor faça o melhor tratamento.
Anexos: 0
18 de junho de 2020 às 08:51
Nenhum anexo enviado.
equipe
Rita Carmona
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Oi Simoni, eu costuma dar preferência para prescrição de antibióticos de linha veterinária, mesmo daqueles que tem em linha humana. Mas entendo a questão financeira que muitas vezes inviabiliza o uso deles. Minha opinião, caso não seja possível, não vejo problemas em usar de linha humana, mas precisamos nos atentar às doses, porque as apresentações humanas nem sempre correspondem ao peso de nossos pacientes. Não sei se existe algum impedimento de uso por parte dos conselhos ou MAPA. Obrigada por levantar essa questão que merece nossa atenção
Anexos: 0
18 de junho de 2020 às 11:45
Nenhum anexo enviado.
Desenvolvido por logo-crowd