Suplementos/Protetores Hepáticos

Boa tarde colegas, - Gostaria de saber da opinião de vocês acerca dos protetores hepáticos comerciais, acerca dos níveis de garantia. - Vocês costumam prescrever em doses superiores às doses de bula? Ou fazer medicamentos manipulados com ajuste de dose de Silimarina e SAME? - A associação Silimarina/SAME dependeria da gravidade de sintomatologia + aumento de ALT/AST em cão? No sentido de: em casos leves, apenas 1 dos compostos poderia ser eficaz para redução da injúria hepática? - Fico no aguardo!

Responda a pergunta de Tiago Cunha Ferreira

Não logado
Visitante
Inserir mais anexos

Há 7 respostas para esta pergunta

equipe
Rita Carmona
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Oi Tiago, muito obrigada pela sua pergunta. Vamos acionar nossos colaboradores que poderão te ajudar.
Anexos: 0
26 de setembro de 2020 às 10:13
Nenhum anexo enviado.
Tiago Cunha Ferreira
Obrigado, profa!
28 de setembro de 2020 às 10:22
equipe
Ricardo Duarte Silva
Moderador
Resposta:
Olá Tiago, O SAMe é comercializado nós EUA sob o nome Denosyl e tem várias apresentações (doses). Também é vendido na maior parte em doses de 200 e 400 mg em lojas de vitaminas e suplementos para seres humanos. Nesse caso, recomendo optar por uma marca conhecidas e de confiança, pois os suplementos não são fiscalizados pelo FDA. A dose do SAMe é 20 mg/kg para cães e 90 mg por gato. Como a drágea tem um revestimento de liberação entérica, não pode ser quebrada. Normalmente eu arredondo para o valor mais alto, pois não tem efeitos adversos conhecidos. A dose da Silimarina para cães é de 8 a 10 mg/kg e pode ser encontrada no Brasil em diversas dosagens, inclusive produtos específicos para cães. Normalmente não ajusto a dose nem combino os dois em hepatites agudas ou crônicas. Infelizmente, apesar de amplamente usados, não existem estudos embasando seu uso em cães e gatos doentes. Portanto recomendações de doses e protocolos terapêuticos é baseada na opinião de experts e não em estudos clínicos.
Anexos: 0
26 de setembro de 2020 às 19:08
Nenhum anexo enviado.
Tiago Cunha Ferreira
Entendi! Muito obrigado Dr. Ricardo! Eu perguntei justamente porque há uma lenda sobre o SAMe ter atividade mais potente do que a Silimarina, mas de fato não consegui encontrar referências de comparação entre ambos, no sentido de proteção hepática, e ainda se a associação justificaria uma redução maior na lesão.
28 de setembro de 2020 às 10:24
Luis Felipe Zulim
Resposta:
Bom dia Thiago, boa pergunta! porque aí trocamos experiências da rotina por aqui! confesso que na minha rotina eu costumo utilizar manipulado (em farmácia veterinária de confiança) pois assim consigo ajustar a dose! e sempre associo a alteração laboratorial, clínica e de imagem (US), e busco também uma causa base, o aumento de ALT AST pode ser um sinalizador de que "algo não está bem" (uma infecção/inflamação), recentemente participei de um treinamento de uma empresa de nutracêuticos para cães e gatos, e gostei bastante da linha deles, e tem uma para hepatopatias que tem a dose de silimarina ajustada e várias vitaminas etc que auxiliam tb no processo.
Anexos: 0
28 de setembro de 2020 às 09:10
Nenhum anexo enviado.
Tiago Cunha Ferreira
Entendi! Obrigado pelas considerações Dr. Luís! Acredito que sei sobre qual linha você está comentando, e tenho boas experiências também. O que eu fico sempre pensando, por vezes, é de fato na eficácia desses nutracêuticos no sentido de proteção hepática. - Um exemplo bem clássico é: paciente com Erliquiose, com aumento de ALT (350), mas sem sintomatologia gastrointestinal. Vai iniciar uso da Doxiciclina que, possivelmente aumentará o valor dessa ALT. Seria interessante entrar com a hepato-proteção? Ou será se esses valores de ALT já não poderiam automaticamente, ao final da terapia, baixar com a eliminação da bactéria? Fico sempre com essa pulga atrás da orelha...Em geral entro com a proteção, pensando em danos e consequências crônicas, mas fica sempre a dúvida se, de fato, a Silimarina (por exemplo) está exercendo seu papel protetivo.
28 de setembro de 2020 às 10:32
Luis Felipe Zulim
Sim, concordo com você, mas neste caso em que o paciente passará por um longo tratamento com doxiciclina e já apresenta aumento de ALT, eu prefiro pecar pelo excesso e utilizar o protetor hepático sim! igualmente em pacientes com dermatofitose ou esporotricose onde utilizaremos itraconazol por longo período (mesmo sem alteração em ALT ) eu sempre entro com silimarina junto! e aí seguimos monitorando enzimas hepáticas e ultra-som !!!
28 de setembro de 2020 às 10:45
Desenvolvido por logo-crowd