Gato com síndrome dermatite atópica felina e FIV

Gostaria da opinião de colegas especializados em medicina felina, dermatológos e dermatologistas. Atendi um felino com síndrome dermatite atópica felina, diagnóstico firmado após exclusão de ectoparasitas e dieta de eliminação com ração comercial hidrolisada. Ele apresentou uma discreta melhora com a dieta, contudo ainda apresenta prurido moderado a intenso (prurido cérvico-facial e em regiões abdominal e face medial de membros pélvicos). Concomitante ao quadro de prurido, segundo a tutora, apresenta quadro recorrente de piodermite que cede bem ao uso de cefovecina. Como piodermite em felinos, mesmo naqueles alérgicos, não é frequente, suspeitou-se que poderia apresentar outra enfermidade concomitante. Então, foi testado para FIV e Felv, obtendo-se resultado positivo para FIV (FIV+). O paciente responde ao uso de prednisolona 1mg por quilo, contudo de forma parcial. Cogitamos a possibilidade de usar ciclosporina, minha experiência com uso de ciclosporina para gatos alérgicos na dose de 7mg por quilo, é muito boa. Contudo, não sei a repercussão do uso da mesma em gatos FIV +, mesmo sem outra comorbidade. Haveria a possibilidade de avaliação da relação CD4/CD8 ? E se teria algum valor clínico ? Ainda como forma de controle de prurido, poderia indicar o uso "off label" de maropitan e oclacitinib. Minha experiência com o maropitan não é boa em gatos com alopecia por tração e o oclacitinib, deveria ser usado em doses mais altas, que possivelmente teria efeito imunossupressor. Obrigada e gostaria da opinião e experiências dos colegas.

Responda a pergunta de Rita Carmona

Não logado
Visitante
Inserir mais anexos

Há 5 respostas para esta pergunta

equipe
Arquivaldo Reche Junior
Moderador
Resposta:
Rita Boa tarde. Quem sou eu para opinar sobre dermatologia, todos sabem o amor que tenho por essa especialidade!!! Vamos lá, não fazemos citometria de fluxo - dosagens de linfócitos T CD4 e CD8, só experimentalmente. Seria sim uma boa forma de avaliarmos o estágio da doença que essa sua paciente se encontra. Já usei ciclosporina em gatos infectados pelo FIV, sem gdes problemas. Uma sugestão - fazer sorologia para toxo antes de entrar com a ciclo. Pode ser hemaglutinação mesmo(IgM e IgG). Gatos infectados pelo FIV e que fazem terapia imunossupressora podem ter reativação da toxo, se o gato tiver sorologia positiva. De todas as suas sugestões, acho que a melhor é tentar mesmo a ciclo - considerando essa ressalva da toxo. Boa sorte
Anexos: 0
12 de novembro de 2020 às 12:34
Nenhum anexo enviado.
equipe
Marcia Sonoda
Moderador
Resposta:
Rita querida...como o dr Archivaldo explicou, e como trabalho mais para área de dermatologia,... tentaria o uso de ciclosporina oral. Assim que houver melhora do quadro pruriginoso eu proporia o teste sorológico para alergia bem como, se viável, a imunoterapia alérgeno específica. Estou com 2 pacientes felinos, com síndrome dermatite atópica que estão respondendo bem com a imunoterapia! Bjs
Anexos: 0
12 de novembro de 2020 às 13:03
Nenhum anexo enviado.
Simoni Maruyama
Resposta:
Olá Rita! Bom, depois das orientações do Prof. Valdo e da Marcia Sonoda...fica difícil dizer algo! No entanto, também por experiencia pessoal, eu escolheria a ciclosporina (com a ressalva já citada da toxo) e consideraria como plano B, a imunoterapia.
Anexos: 0
14 de novembro de 2020 às 14:41
Nenhum anexo enviado.
equipe
Rita Carmona
Equipe Vetsapiens
Muito obrigada Prof Valdo, uma unanimidade, Dra Márcia e Dra Simoni. Realmente acho ser a opção mais viável, já solicitei a sorologia para Toxoplasmose e vamos fazer o acompanhamento desse paciente, as tutoras são veterinárias, o que facilita muito. Muito obrigada pela ajuda.
17 de novembro de 2020 às 08:55
equipe
Reimy Kawahara
Moderador
Resposta:
Olá, Rita. Tudo bem? Gostaria de sugerir o uso da ozonioterapia como complemento ao seu protocolo de tratamento, com possibilidade até de reduzir ou retirar os imunossupressores ao longo do tempo. Você teria a possibilidade de abordar os 2 problemas apresentados. No caso da FIV, existe a possibilidade de controle da replicação viral a níveis indectáveis ao PCR através do estímulo endógeno de interferons. No caso da dermatite atópica, consegue-se uma melhora nos níveis de IgA. Nos pacientes que tenho atendido, passei a dosar o IgA total e tenho observado que quanto maior o deficit, pior o quadro clínico. Além disso, o tratamento tópico com sabonete e óleo ozonizados ajudam no controle das piodermites secundárias, além de promover uma melhora na barreira cutânea aos alergenos. Caso precise de maiores informações, fico à disposição. Abraços.
Anexos: 0
17 de novembro de 2020 às 09:16
Nenhum anexo enviado.
Desenvolvido por logo-crowd