Arrancamento de unhas

Boa noite! Quais os possíveis diagnósticos diferenciais para arrancamento de unhas? (Existe termo técnico para essa alteração?) - A paciente é uma pinscher de 2 anos de idade, com hábito de lambedura/mordedura/arrancamento das unhas com evolução de 1 ano. - No momento da consulta, alguns dos dígitos estavam inflamados/infeccionados (citologia com cocos abundantes). Não foram visualizados ácaros no exame parasitológico. - Nesse primeiro momento, estou controlando a infecção e entrei também com corticoide para verificar ainda se a paciente responde aos medicamentos. - Penso na possibilidade de: alergias? transtorno compulsivo? dermatofitose? alteração óssea + dor? - Obs: as lesões são em todos os 4 membros. Em resto do corpo, paciente apresentou discretas pápulas e 2 ou 3 colarinhos epidérmicos abdominais. Orelhas preservadas e dorso com 1 lesão em colarinho isolada.

Responda a pergunta de Tiago Cunha Ferreira

Não logado
Visitante
Inserir mais anexos

Há 6 respostas para esta pergunta

equipe
Rita Carmona
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Oi Tiago, esses casos são realmente desafiadores. As suas suspeitas também seriam as minhas, lembrando que as paroníquias também podem levar a dor e esse paciente pode estar tentando arrancar as unhas por dor ou incômodo. Acho que você deve avaliar a resposta após a antibioticoterapia, tente fazer o mínimo possível de corticóide para não atrapalhar a sua avaliação. Caso haja uma melhora somente com o uso de antibióticos, realmente trata-se de uma paroníquia (infecciosa). Outra diagnóstico que pode ser incluído, apesar que essa manifestação ocorra mais nos felinos, é o pênfigo foliáceo. Verifique a resposta ao uso do atb em monoterapia, caso as manifestações clínicas persistam, insista em outros diferenciais, repita a citologia e avente a possibilidade de realização de hsitopatológico. Conte-me depois, fiquei bem curiosa.
Anexos: 0
28 de novembro de 2020 às 07:49
Nenhum anexo enviado.
equipe
Rita Carmona
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Tiago, ainda sobre o caso e depois de ver a foto, poderia pensar em vasculite, vasculite lupóide. Acho que após o antibiótico, reavaliar e depois pensar em biopsiar. Mas a biópsia aí deve envolver a falange. Também pense nas possíveis causas de vasculite, além do lupus, as hemoparasitoses e leishmaniose.
Anexos: 0
28 de novembro de 2020 às 15:46
Nenhum anexo enviado.
Tiago Cunha Ferreira
Oi Profa! Saudades! Certo...Ela é paciente do hospital público da ANCLIVEPA aqui da cidade, aí é uma loucura né...Eles devem retornar semana que vem, para eu ver como foi a resposta à terapia inicialmente e dar seguimento na busca. No caso da biópsia, teria que ser feita no centro cirúrgico realmente, para fazer o procedimento de remoção da falange para encaminhamento do exame, correto? Vou dando notícias do acompanhamento, na medida que eles forem retornando.
28 de novembro de 2020 às 18:49
equipe
Claudia
Equipe Vetsapiens
Resposta:
Tiago, desordens compulsivas poderiam sim estar entre os diferenciais, mas concordo que primeiramente deve-se descartar uma causa base. Vemos essa manifestação em parestesias que possam causar a sensação de formigamento, mas geralmente em afecções mais localizadas. Com o tempo de curso, já teríamos alguma alteração radiográfica. Conte-nos sobre os exames complementares já sugeridos, e na ausência de um diagnóstico, podemos pensar em uma abordagem para transtornos compulsivos.
Anexos: 0
28 de novembro de 2020 às 16:21
Nenhum anexo enviado.
Tiago Cunha Ferreira
Oi Dra Cláudia! Obrigado pelo retorno! -- Fiz apenas exames localizados até o presente momento: citologia e parasitológico cutâneo. Ao retorno, vou repetir o parasitológico novamente, só por garantia, e já deixei a tutora de sobreaviso da necessidade de realização de: radiografia do membro (embora não acredite que tenha possibilidade de alteração osteoarticular, até pelo fato de ser nos 4 membros) e hematológicos/bioquímicos (além de sorologia para Leishmaniose). De acordo com tais exames e resposta terapêutica, pensar na possibilidade de testar uma terapia com ansiolítico e verificar a resposta do animal. Vou dando um retorno à medida que eles forem voltando para o acompanhamento!
28 de novembro de 2020 às 18:54
equipe
Rita Carmona
Equipe Vetsapiens
Tiago, sou muito sua fã. Depois vc vai ter que nos contar sobre o caso. Fiquei curiosa. Muito obrigada e se cuida
28 de novembro de 2020 às 19:18
Desenvolvido por logo-crowd