Síndrome da fratura patelar e anomalia dental em Felinos

Claudia Inglez

Ultima atualização: 12 JAN DE 2021

Nomenclatura (sinônimos)

Síndrome dos joelhos e dentes e felina

Nome em inglês

Patellar fracture and dental anomaly syndrome

Feline Knees and Teeth Syndrome (K&T)

Definição

Trata-se de uma associação de fraturas patelares não traumáticas e dentes decíduos persistentes.

Fisiopatologia

Anormalidade provavelmente genética que afeta a produção de colágeno tipo I no corpo. Os efeitos clínicos mais significativos devem-se à resistência e densidade óssea. Os tecidos dentários também podem ser afetados. Anormalidades comuns incluem dentes decíduos persistente e dentes permanentes encavalados. Alguns gatos terão densidade óssea aumentada, generalizada ou localizada. As fraturas são fraturas de estresse por insuficiência  ocorrendo consistentemente nos mesmos ossos, com linhas de fraturas e locais semelhantes.Os ossos costumam ser escleróticos antes da fratura ou no local da fratura.

Etiologia

Incerta, suspeita-se ser genética

Maior ocorrência

Gatos jovens, com média de idade de 28 meses (início de claudicação de membros pélvicos ou diagnóstico radiográfico), mas podem ser vistas em animais com menos de um ano. Machos parecem ser mais afetados.

Anamnese

É reportada claudicação de membro pélvico sem histórico de trauma. Aumento de volume de partes moles também pode estar associado.

Dificuldade para alimentar-se e sialorréia também podem ser relatadas.

Manifestações clínicas

Dor, claudicação, anormalidades da marcha, aumento de volume na área de fratura. As fraturas ocorrem com mínimo ou nenhum trauma, ou com atividade normal (por exemplo, pular de um objeto). Cinquenta por cento dos gatos podem apresentar fratura patelar contralateral em 3 meses da ocorrência da 1ª fratura. Fraturas em outros ossos também são reportadas.

Os dentes podem ter uma aparência rosada e translúcida devido ao afinamento da dentina. A retenção de dentes decíduos e fraturas dentárias são comuns. Os dentes decíduos persistentes geralmente são o resultado de uma erupção alterada do dente permanente. Anormalidades mandibulares e maxilares são uma característica clínica adicional.

Procedimentos diagnósticos e resultados esperados

Realiza-se o diagnóstico com base nos achados de anamnese, exame físico, radiografias (fraturas e esclerose de patelas e/ou ossos longos) concomitantes às alterações dentárias (dentes decíduos persistentes, dentes permanentes não erupcionados). As fraturas possuem similaridades entre os animais, características de fraturas por estresse.

Fraturas em outros ossos também devem ser investigadas (pelve, úmero, tíbia, calcâneo).

É recomendada uma análise oral completa em todos os gatos diagnosticados com fraturas atraumáticas da patela. Radiologicamente, alterações em maxila e mandíbula podem exibir características que podem ser mal interpretadas como doença neoplásica.

Diagnósticos diferenciais

Outras causas de desenvolvimento anormal dos dentes

Fraturas traumáticas

Tratamento

Desconhecido para a síndrome. Tratar as alterações individualmente:

- Fraturas de patela: estabilização cirúrgica das fraturas patelares apresentam maus resultados na maioria dos casos, pois em algumas dessas fraturas o segmento proximal da patela migra vários centímetros proximalmente. O vasto intermédio e o reto femoral se inserem diretamente na face proximal da patela, enquanto o vasto lateral e medial passam lateralmente e medialmente ao redor da patela, continuando com o tendão patelar. Especula-se que os dois primeiros músculos se retraiam, junto com o fragmento proximal, contribuindo para a perda da função extensora. Alguns gatos com fraturas patelares se curam e se adaptam com bom retorno à função, enquanto outros caminham plantígrados posteriormente. Abordagens não cirúrgicas, conservadoras, podem e devem ser consideradas.

- Fraturas em outros ossos: pelve e o úmero possuem melhor potencial de consolidação quando tratadas cirurgicamente.

- Anomalias dentárias: gatos com dentes decíduos persistentes ou dentes permanentes impactados devem ser avaliados radiograficamente, sendo recomendada a extração para prevenir a formação de cistos dentígeros, deformação da mandíbula, abscessos e  osteomielite proliferativa.

- Manejo adequado da dor é imprescindível.

- Antibioicoterapia na presença de osteomielite bacteriana.

 

Prognóstico

Reservado quanto à função

Literatura recomendada

Reyes NA, Longley M, Bailey S, Langley-Hobbs SJ. Incidence and types of preceding and subsequent fractures in cats with patellar fracture and dental anomaly syndrome. J Feline Med Surg. 2019 Aug;21(8):750-764. doi: 10.1177/1098612X18800837. Epub 2018 Oct 22. PMID: 30345863.

 

Howes C, Longley M, Reyes N, Major AC, Gracis M, Fulton Scanlan A, Bailey S, Langley-Hobbs SJ. Skull pathology in 10 cats with patellar fracture and dental anomaly syndrome. J Feline Med Surg. 2019 Aug;21(8):793-800. doi: 10.1177/1098612X18797368. Epub 2018 Sep 10. PMID: 30196748.

 

Holloway GL, Midgley D. Lateral condylar fracture secondary to humeral intracondylar fissure in a cat. Vet Surg. 2020 Dec 12. doi: 10.1111/vsu.13540. Epub ahead of print. PMID: 33314208.

 

Chan AJ, Reyes Rodriguez NA, Bailey SJ, Langley-Hobbs SJ. Treatment of humeral condylar fractures and humeral intracondylar fissures in cats with patellar fracture and dental anomaly syndrome. J Feline Med Surg. 2020 Oct;22(10):1008-1015. doi: 10.1177/1098612X20904458. Epub 2020 Mar 4. PMID: 32129129; PMCID: PMC7521005.

 

Rodriguez NAR, Bailey SJ, Langley-Hobbs SJ. Treatment of pelvic fractures in cats with patellar fracture and dental anomaly syndrome. J Feline Med Surg. 2020 Nov 18:1098612X20959616. doi: 10.1177/1098612X20959616. Epub ahead of print. PMID: 33206028.

 

 

 

 

Anexos referente a esta consulta rápida

O conteúdo deste site é para uso exclusivo e restrito dos associados. Apenas Médicos Veterinários graduados e estudantes de Medicina Veterinária são autorizados a acessar este site.

Não está permitida a divulgação de qualquer conteúdo sem a prévia autorização do Vetsapiens, por escrito. Os Médicos Veterinários são os únicos responsáveis pelo tratamento e cuidado de seus pacientes.

Quaisquer recomendações de colegas ou especialistas recebidas através deste site são meras opiniões individuais, e cada clínico é o exclusivo responsável pelo manejo de seus pacientes. Os fármacos e doses recomendadas ou calculadas no Vetsapiens devem ser sempre conferidos antes de sua aplicação.

Veterinários não devem utilizar medicações e ou protocolos com os quais não estejam familiarizados e confortáveis. O Vetsapiens preconiza que o encaminhamento para especialistas seja sempre a primeira recomendação dos clínicos gerais ao se depararem com casos clínicos além do seu conhecimento.

As imagens e informações trocadas neste site não substituem o exame físico do paciente, e a relação exclusiva entre veterinário-paciente-cliente. As imagens aqui postadas não podem ser consideradas de qualidade diagnóstica.

Toda e qualquer informação obtida neste site deve ser considerada apenas como uma sugestão individual e não tem qualquer valor diagnóstico.

Desenvolvido por logo-crowd