Sialoadenite, sialoadenose, sialometaplasia necrotizante

Dra. Paola Lazaretti

Ultima atualização: 01 FEV DE 2021

Nomenclatura

Sialometaplasia necrosante, 

Sialoadenite,  

Sialoadenose

Nome em Inglês

Necrotizing sialometaplasia

Sialadenitis 

Sialadenosis

Definição

Sialoadenite, sialoadenose e sialometaplasia necrotizante são três doenças não neoplásicas distintas que apresentam sinais clínicos semelhantes, mas achados histológicos diversos.

1) Sialoadenite é a inflamação da glândula salivar.

2) Sialoadenose é uma doença rara das glândulas salivares, caracterizada por aumento glandular, sem evidências de neoplasia ou inflamação.

3) Sialometaplasia necrotizante é uma doença isquêmica das glândulas salivares com características histológicas que mimetizam uma neoplasia.

 

Anatomia

O cão possui quatro pares de glândulas salivares:

  • Glândula parótida, que circunda as margens anterior, ventral e caudal do canal auditivo.
  • Glândula mandibular, próxima à junção das veias maxilar e linguofacial e que compartilha cápsula com a porção monostomática da glândula sublingual.
  • Glândula sublingual
    • porção monostomática 
    • porção polistomática que está sob a mucosa oral lateral à língua.
  • Glândula zigomática, medial e ventral ao arco zigomático e ao globo ocular, dentro da face ventral da órbita, é a glândula menos comumente afetada em cães. Em gatos não existe relato de envolvimento primário da glândula zigomática, no entanto infecções secundárias são possíveis.

Os gatos têm um par adicional de glândulas salivares bucais nas comissuras da boca.

 

Fisiopatologia

A causa exata da sialoadenite é desconhecida, mas trauma, infecção (local ou sistêmica) e doença imunomediada foram implicados.

A sialometaplasia necrotizante pode ser um agravamento da sialoadenite e também pode ocorrer secundária a distúrbios esofágicos ou gástricos. A hipersensibilidade do tipo III foi considerada uma possível causa; no entanto, a etiologia exata da sialometaplasia necrotizante é desconhecida.

 Em um cão, a sialometaplasia se apresentou como um componente da doença granulomatosa sistêmica associada à bartonelose.

A causa da sialoadenose também é desconhecida.
Pode ser causada por uma epilepsia límbica.

A sialoadenose é caracterizada pela ausência de anormalidades citológicas ou histológicas. Geralmente é muito responsiva ao fenobarbital e às vezes é referida como sialoadenose responsiva ao fenobarbital. Um relato demonstrou que a sialoadenose pode também ser uma complicação da infecção por Spirocerca lupi.

Maior ocorrência

Patologias da glândula salivar, com exceção da sialocele,  são pouco comuns  em cães e gatos, com uma incidência relatada de < 0,3%.

A Sialadenose e a sialometaplasia necrosante são menos comuns ainda que a sialadenite.

Os terriers parecem ser mais predispostos à sialadenose. Em um estudo com cães com sialadenose, 11 de 19 eram terriers.

Em um estudo com 11 cães com sialoadenite zigomática, 9 eram cães de raças médias ou grandes e tinham idade média de 8 anos.

Achados de anamnese

Tutores podem relatar disfagia, vômito, nausea, engasgo, ptialismo, tosse e perda de peso. 

Aumento de tamanho das glândulas salivares também pode ser notado.

 

Manifestações clínicas

Ao exame físico nota-se aumento de tamanho das glândulas salivares afetadas.

Em casos de sialoadenite as glândulas salivares podem estar doloridas a palpação ou observa-se dor ao abrir a boca.

Sialoadenose geralmente não causa dor e é tipicamente bilateral e o início pode ser agudo.

 A sialadenose e a sialometaplasia necrotizante são diagnosticadas com maior frequência nas glândulas submandibulares.

Quando as glândulas zigomáticas estão envolvidas pode-se observar exoftalmia, quemose, epífora e estrabismo.

A papila oral pode apresentar eritema e exsudando material opaco nos casos de sialoadenite zigomática.

Procedimentos diagnósticos

A citologia de amostras obtidas por aspirado de agulha fina (CAAF) ou histopatologia de amostras de biópsia são usadas para diferenciar sialoadenite, sialoadenose e sialometaplasia necrotizante.

A aspiração também pode ajudar a descartar casos de sialocele.

Pacientes com sialoadenose não apresentam alterações celulares substanciais na microscopia ou na imuno-histoquímica. Hipertrofia celular pode ser observada, mas não há evidência de neoplasia ou inflamação.

A sialometaplasia necrosante é caracterizada por necrose, fibrose, hemorragia, congestão, neo-vascularização e metaplasia escamosa do epitélio glandular e ductular.

Infiltrado inflamatório, hemorragia e necrose podem estar presentes nas glândulas com sialoadenite.

Radiografia:  pode- se observar massas de partes moles posteriores à mandíbula se as glândulas salivares submandibulares estiverem envolvidas.

Poucas alteracoes radiológicas são encontradas quando outra glândulas são acometidas. As radiografias não podem ser usadas para distinguir essas doenças salivares de sialoceles ou neoplasias.

Ultrassonografia: ultrassonografia pode ser usada para diferenciar sialoceles do tecido sólido da glândula salivar. Em casos de adenite salivar zigomática, uma massa retrobulbar focal, bem encapsulada, pode ser detectada. A massa pode ser hipoecóica ou de ecogenicidade mista.

Imagem avançada: a ressonância magnética (RM) e a tomografia computadorizada (TC) são úteis para detectar o aumento das glândulas salivares e caracterizar as alterações nas glândulas afetadas.

Diagnósticos diferenciais

  • Linfoadenopatia
  • Sialocele (mucocele salivar)
  • Fístulas
  • Abcessos
  • Neoplasias

Terapia inicial

Sialoadenite pode responder à terapia antimicrobiana ou com corticosteroide.

Sialadenose é geralmente muito responsiva à terapia com  fenobarbital. Em um trabalho 11/14 cães responderam dentro de 48 horas após o início do fenobarbital com 2 mg/kg PO a cada 12 horas.

A resposta rápida ao fenobarbital pode ser usada para confirmar o diagnóstico de sialoadenose.

A remoção cirúrgica da glândula afetada é recomendada no tratamento de Sialometaplasia necrotizante e em casos de Sialoadenite  (especialmente zigomática) refratária à terapia médica.

Em casos de Sialometaplasia necrotizante,  o tratamento  de uma possível  doença esofágica concomitante é necessário e nestes casos terapia antimicrobiana também pode ser indicada.

Caso o animal apresente exoftalmia com exposição da córnea devido ao aumento da glândula salivar zigomática, recomenda-se a aplicação de lubrificantes oculares tópicos e em alguns casos também associar antibióticos oculares.

Em alguns casos mais graves podem  ser necessários o uso de analgésicos.

Caso o animal apresente disfagia, ou dor ao abrir a boca, recomenda-se o uso de alimentação pastosa.

Terapia de suporte e manutenção

Pacientes que necessitem terapia de longo prazo com fenobarbital devem ser monitorados de maneira semelhante aos casos de terapia para a epilepsia primária.

 

Prognóstico

O prognóstico é bom para a maioria dos pacientes com sialoadenose, sialoadenite ou sialometaplasia necrosante quando a terapia apropriada é administrada.

Os pacientes com sialoadenose geralmente respondem rapidamente à terapia com fenobarbital, mas pode ser necessária  terapia prolongada.

Literatura recomendada

 

Boland L, Gomes E, Payen G, et al: Zygomatic salivary gland diseases in the dog: three cases diagnosed by MRI. J Am Anim Hosp Assoc 2013 Vol 49 (5) pp. 333-7.
Welsh EM: Surgical Conditions of the Salivary Glands. British Small Animal Veterinary Congress 2008.
Gilor C, Gilor S, Graves TK: Phenobarbital-responsive sialadenosis associated with an esophageal foreign body in a dog. J Am Anim Hosp Assoc 2010 Vol 46 (2) pp. 115-20.
Dagan A: Sialadenosis in a dog. Israel J Vet Med 2011 Vol 66 (1) pp. 32-35.
Brown PJ, Bradshaw JM, Sozmen M, et al: Feline necrotising sialometaplasia: a report of two cases. J Feline Med Surg 2004 Vol 6 (4) pp. 279-81.
Bellah JR: Slime Management: The Salivary Diseases. Western Veterinary Conference 2005.
Pérez-Écija A, Estepa JC, Mendoza FJ: Granulomatous giant cell submandibular sialadenitis in a dog. Can Vet J 2012 Vol 53 (11) pp. 1211-3.
Kim H, Woo GH, Bae Y, et al: Necrotizing sialometaplasia of the parotid gland in a dog. J Vet Diagn Invest 2010 Vol 22 (6) pp. 975-7.
van der Merwe LL: Mandibular Salivary Gland Sialadenosis in Dogs Infected with Spirocerca lupi: A Retrospective Study. 17th ECVIM-CA Congress 2007.
Boydell P, Pike R, Crossley D, et al: Sialadenosis in dogs. JAVMA 2000 Vol 216 pp. 872-874.
Alcoverro E, Tabar M-D, Lloret A, et al: Phenobarbital-responsive sialadenosis in dogs: case series. Top Companion Anim Med 2014 Vol 29 (4) pp. 109-12.
Cannon MS, Paglia D, Zwingenberger AL, et al: Clinical and diagnostic imaging findings in dogs with zygomatic sialadenitis: 11 cases (1990-2009). J Am Vet Med Assoc 2011 Vol 239 (9) pp. 1211-8.
Simison WG: Sialadenitis associated with periorbital disease in a dog. J Am Vet Med Assoc 1993 Vol 202 (12) pp. 1983-5.
McGill S, Lester N, McLachlan A, et al: Concurrent sialocoele and necrotising sialadenitis in a dog. J Small Anim Pract 2009 Vol 50 (3) pp. 151-6.
Nam Y, Kang M, Kim S, et al: Idiopathic Phenobarbital-Responsive Sialadenosis in a Maltese Dog: Clinical Findings and Outcomes. Pak Vet J 2014 Vol 34 (3) pp. 410-413.
Boydell P, Pike R, Crosley D: Presumptive sialadenosis in a cat. J Small Anim Pract 2000 Vol 41 (12) pp. 573-4.
McCann S, LeChevoir M, Lacorcia L, et al: Cricopharyngeal dysphagia and phenobarbitone-responsive sialoadenosis in a Miniature Poodle. Aust Vet J 2017 Vol 95 (7) pp. 232-236.
Sozmen M, Brown PJ, Whitbread TJ: Idiopathic salivary gland enlargement (sialadenosis) in dogs: a microscopic study. J Small Anim Pract 2000 Vol 41 (6) pp. 243-7.
Cattai A, Levorato S, Franci P: A case of acute postoperative transitory sialadenosis of the submandibular glands in a healthy dog. J Vet Med Sci 2017 Vol 78 (12) pp. 1907-1910.
Saunders GK, Monroe WE: Systemic granulomatous disease and sialometaplasia in a dog with Bartonella infection. Vet Pathol 2006 Vol 43 (3) pp. 391-2.

Anexos referente a esta consulta rápida

Nenhum anexo disponível

O conteúdo deste site é para uso exclusivo e restrito dos associados. Apenas Médicos Veterinários graduados e estudantes de Medicina Veterinária são autorizados a acessar este site.

Não está permitida a divulgação de qualquer conteúdo sem a prévia autorização do Vetsapiens, por escrito. Os Médicos Veterinários são os únicos responsáveis pelo tratamento e cuidado de seus pacientes.

Quaisquer recomendações de colegas ou especialistas recebidas através deste site são meras opiniões individuais, e cada clínico é o exclusivo responsável pelo manejo de seus pacientes. Os fármacos e doses recomendadas ou calculadas no Vetsapiens devem ser sempre conferidos antes de sua aplicação.

Veterinários não devem utilizar medicações e ou protocolos com os quais não estejam familiarizados e confortáveis. O Vetsapiens preconiza que o encaminhamento para especialistas seja sempre a primeira recomendação dos clínicos gerais ao se depararem com casos clínicos além do seu conhecimento.

As imagens e informações trocadas neste site não substituem o exame físico do paciente, e a relação exclusiva entre veterinário-paciente-cliente. As imagens aqui postadas não podem ser consideradas de qualidade diagnóstica.

Toda e qualquer informação obtida neste site deve ser considerada apenas como uma sugestão individual e não tem qualquer valor diagnóstico.

Desenvolvido por logo-crowd