Doença intestinal inflamatória

Dr Fernando Maschio

Ultima atualização: 06 JAN DE 2020

Nomenclatura (sinônimos)

  • Afecção gastrointestinal inflamatória
  • Enteropatia inflamatória

Nome em inglês

Inflammatory bowel disease

Definição

Compreende em um grupo de afecções gastrointestinais caracterizado por persistência ou recorrência de inflamação.

Fisiopatologia

É classificada de acordo com o tipo de célula inflamatória infiltrada na parede gastrintestinal e as mais comuns são a enterite linfoplasmocítica, neutrofílica e eosinofílica.

Etiologia

Não existe uma etiologia conhecida, sendo considerada idiopática.

Provavelmente seja um conjunto de etiologias resultando em uma inflamação crônica da mucosa intestinal.

Maior ocorrência (raça. idade, gênero, localização geográfica)

Espécie: comum na espécie felina, raro em cães

Raças e idade:  Animais de meia idade e geriatras são mais predispostos a doença; não há relatos maiores com relação a predisposição racial

Achados de anamnese

Os tutores relatam episódios de vômito, diminuição de apetite, perda de peso e diarreia.

Dependendo da classificação, os animais podem apresentar hematoquesia e por algumas vezes o tutor pode relatar que seu animal está defecando fora da caixinha, devido à urgência.

 

Manifestações clínicas

De forma geral o principal sinal se apresenta pelo vômito, mas a doença tem sinais inespecíficos como: comportamento apático, presença de diarreia, anorexia ou polifagia, perda de peso, polidipsia, poliuria e flatulências os quais se confundem com outras doenças

Procedimentos diagnósticos

A ultrassonografia de abdome é o primeiro exame para diagnosticar alterações intestinais, onde se procura espessamento das camadas intestinais em diferentes segmentos.

Hemograma seguido de bioquímicos renais e hepáticos pordem auxiliar o diagnóstico, contudo,

O diagnóstico final é realizado por meio de biópsia intestinal.

Diagnósticos diferencias

  • parasitos 
  • endocrinopatias
  • neoplasias 
  • doenças infecciosas 
  • doenças metabólicas 
  • quadros obstrutivos 
  • alterações funcionais

Terapia inicial

O tratamento consiste em dois pilares, a troca de alimentação e o uso de medicamentos, usualmente imunomoduladores. 

 

  • Manejo alimentar: sabe-se que a presença de conteúdo dentro do lúmen intestinal é essencial para a manutenção da motilidade intestinal. Deste modo, são recomendados alimentos de alta digestibilidade e alto valor biológico. O uso de pré-bióticos é recomendado em concomitância à mudança de dieta.
  •  A terapia medicamentosa quase sempre é necessária, sendo feito o uso de imunomoduladores, geralmente cortisona. Entre os diferentes tipos de cortisona, a primeira opção é por variações menos potentes e de uso oral, por serem mais seguras e causarem raros efeitos colaterais nos gatos.

Terapia de manutenção

Alguns animais que dependem de cortisona para controlar da inflamação, uma opção para o uso crônico é a budesonida. Ela é uma cortisona menos potente, com a absorção sistêmica bem reduzida em comparação a outros corticoides. 

Prognóstico

O prognóstico da DIIF é bastante variável, pois normalmente apresenta baixas taxas de mortalidade e altas taxas de morbidade

Literatura recomendada

ALLEN, H. S. Therapeutic approach to cats with chronic diarrhea. In: AUGUST, J. R. Consultations in feline internal medicine. 6 ed. St. Louis: Elsevier Saunders, cap. 22 p. 79-87. 2010

BOVINO, J. B. et al. Doença inflamatória intestinal felina: revisão. Clínica Veterinária, São Paulo, v. 16, n. 91, p. 60-68, mar./abr. 2011.

CRYSTAL, M. A. Doença intestinal inflamatória. In: NORSWORTH, G. D. et al. O Paciente Felino : tópicos essenciais de Diagnóstico e tratamento. 2. ed. Barueri: Manole, p. 356-362. 2004

RECHE JUNIOR, A.; BARRIO, M. A. M. Doença intestinal inflamatória crônica. In: JUSTEN, H. Coletâneas em medicina e cirurgia felina. Rio de Janeiro: LF Livros de Veterinária,. cap. 12 , p. 155-197, 2003.

SHERDING, R. G.; JOHNSON, S. E. Doenças dos intestines. In: BICHARD, S. J.; SHERDING, R. G. Manual Saunders: clínica de pequenos animais. 3. ed. São Paulo: Roca, 2008. cap. 69, p. 721-756.

WILLARD, M. D. Distúrbios do sistema digestivo. In: NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. 3. ed. Rio de Janeiro: Elsevier,. Parte 3, cap. 28, p. 335-454. 2006

Educação ao cliente

O intestino dos animais é dividido basicamente em duas porções, (1) o intestino delgado e (2) o intestino grosso. A doença intestinal inflamatória consiste em um grupo de alterações intestinais que promovem uma inflamação persistente e duradoura no intestino.

É uma condição que acomete principalmente os gatos e raramente em cães. A causa dessa doença é desconhecida, sendo considerada como idiopática. Animais de meia idade e idosos são mais predispostos à doença, não há relatos maiores com relação a predisposição racial.

Os sinais clínicos geralmente apresentados por estes animais são episódios de vômito, diminuição de apetite, perda de peso e diarreia. 

Atenção aos detalhes é sempre importante, pois estes sinais irão auxiliar o médico veterinário a chegar a um diagnóstico. Exames como hemograma e ultrassonografia são muito importante para o diagnóstico.

O tratamento irá depender da avaliação do Médico Veterinário, contudo, geralmente o uso de medicamentos corticoides e antibióticos são o tratamento de eleição.  

 

Anexos referente a esta consulta rápida

Nenhum anexo disponível

O conteúdo deste site é para uso exclusivo e restrito dos associados. Apenas Médicos Veterinários graduados e estudantes de Medicina Veterinária são autorizados a acessar este site.

Não está permitida a divulgação de qualquer conteúdo sem a prévia autorização do Vetsapiens, por escrito. Os Médicos Veterinários são os únicos responsáveis pelo tratamento e cuidado de seus pacientes.

Quaisquer recomendações de colegas ou especialistas recebidas através deste site são meras opiniões individuais, e cada clínico é o exclusivo responsável pelo manejo de seus pacientes. Os fármacos e doses recomendadas ou calculadas no Vetsapiens devem ser sempre conferidos antes de sua aplicação.

Veterinários não devem utilizar medicações e ou protocolos com os quais não estejam familiarizados e confortáveis. O Vetsapiens preconiza que o encaminhamento para especialistas seja sempre a primeira recomendação dos clínicos gerais ao se depararem com casos clínicos além do seu conhecimento.

As imagens e informações trocadas neste site não substituem o exame físico do paciente, e a relação exclusiva entre veterinário-paciente-cliente. As imagens aqui postadas não podem ser consideradas de qualidade diagnóstica.

Toda e qualquer informação obtida neste site deve ser considerada apenas como uma sugestão individual e não tem qualquer valor diagnóstico.

Desenvolvido por logo-crowd