Criptorquidismo

Dra Claudia Brito

Ultima atualização: 05 MAR DE 2020

Nome em Inglês

Cryptorchidism 

Definição

É um defeito de desenvolvimento onde um, ou os dois testículos não descem para a bolsa escrotal.

Pode ser classificado como unilateral, quando apenas um testículo não desce para a bolsa e bilateral, quando os dois testículos não descem.

Monorquidismo é caracterizado como a agenesia de um dos testículos, quadro pouco frequente em cães e gatos.

Fisiopatologia

A descida testicular no cão é caracterizada em 2 fases: Fase I de migração transabdominal e Fase 2 de migração inguinoescrotal.

A descida é mediada pela presença de um tecido gelatinoso chamado gubernáculo testicular que se desenvolve e cresce, trazendo  o testículo pela sua porção mais caudal até a região do anel inguinal.

Após a passagem pelo anel inguinal, o gubernáculo regride, levando o testículo gradualmente a bolsa escrotal. Em cães a passagem inguinal dos testículos ocorre 3 a 10 dias depois do parto.

Acredita-se que essa descida inguinal até a bolsa seja mediada pela liberação de testosterona pelo feto, mas nada foi comprovado cientificamente.

Algumas causas não hereditárias do criptorquidismo são propostas como: qualquer processo que possa alterar a pressão intra-abdominal como infecção umbilical com peritonite, inflamações ou adesões no canal inguinal como traumas, podem interferir na descida testicular. 

Nos gatos a descida testicular ocorre antes do nascimento, mas o testículo pode ficar migrando para o canal inguinal até os 7 a 8 meses, quando deve-se efetivamente dar o diagnóstico de criptorquidismo.

Não existem trabalhos caracterizando a natureza hereditária do criptorquidismo nesta espécie, porém a Raça Persa apresenta uma grande incidência da afecção. 

Os testículos retidos são capazes de esteroidogênese, mas não espermatogênese.

Pela sua localização, possuem um risco de desenvolvimento de neoplasias em 14x mais do que um testículo em bolsa escrotal, principalmente em cães, fato esse pouco relatado em gatos.

Etiologia

O criptorquidismo possui característica hereditária no cão, sendo um gene autossômico recessivo ligado ao sexo, mas pode ser transmitido pela fêmea ou o macho.

No gato a etiologia não é conhecida.

Maior ocorrência (raça, idade, gênero, localização geográfica)

Nos cães o criptorquidismo ocorre mais em animais de pequenos porte como Poodle toys, Yorkshire, Cocker Spaniel e algumas raças de porte grande como os Boxers.

Nos gatos, a raça Persa mostra uma maior incidência. 

Achados de anamnese

O criptorquidismo muitas vezes acaba sendo um diagnóstico direcionado pelo médico veterinário durante uma consulta de rotina.

A ausência de um dos testículos na bolsa escrotal será percebida por tutores cuidadosos ou criadores de animais que serão direcionados a reprodução.

Manifestações clínicas

Como já citado, o criptorquidismo costuma ser uma achado de exame físico onde evidencia-se a ausência de um ou dois testículos na bolsa escrotal.

Um animal jovem com criptorquidismo não apresentará nenhuma manifestação clínica que possa direcionar a este diagnóstico, a menos que seja atendido com quadro de abdômen agudo, decorrente de torção testicular.

Já os mais idosos podem ter manifestações de uma provável afecção neoplásica e no momento do exame físico, descobre-se que o animal é criptorquida.

Procedimentos diagnósticos

O diagnóstico de criptorquidismo não pode ser dado antes dos 6 a 10 meses em cães e 7 a 11 meses em gatos, uma vez que a descida pode ocorrer até que atinjam o período da puberdade.

A ultrassonografia abdominal é indicada nos casos de suspeita de criptorquidismo abdominal, com o intuito de identificação do testículo ectópico e diferenciação de um possível monorquidismo.

Diagnósticos diferenciais

Nenhum

Terapia inicial

A orquiectomia é indicada pela natureza hereditária da afecção em cães.

Nos gatos a orquiectomia já não é um consenso.

Em alguns casos específicos de cães onde o testículo está localizado na região inguinal, subindo e descendo para a bolsa escrotal, pode-se tentar a utilização de hormônios que estimulem a produção de testosterona fetal como o GnRh e o HCG. O HCG tem um efeito análogo ao LH, estimulando a produção de testosterona pelas células de Leydig.

O indicado é administrar antes dos 6 meses de idade, uma vez que nessa fase acontece o fechamento do canal inguinal e o crescimento testicular.

A dose do HCG é de 500 UI/animal, a cada 72 horas, e pode ser administrado até a completa descida testicular ou até os 6 meses de idade.

Nomes comerciais das drogas: CHORULON, VETECOR.

Terapia de suporte e manutenção

Não se aplica

Prognóstico

Bom se animal não for indicado a reprodução.

Literatura recomendada

APPARICIO, M.; VICENTE, W.R.R. Reprodução e Obstetrícia em cães e gatos. 1. ed. São Paulo: MEDVET, 2015. 458p.

 

JOHNSTON, S.D.; KUSTRITZ, M.V.R.; OLSON, P.N.S. Canine and Feline Theriogenology. 1ed. Philadelphia: Saunders, 2001. 592p.

Imagens

Informação ao Tutor

Nenhum anexo disponível

O conteúdo deste site é para uso exclusivo e restrito dos associados. Apenas Médicos Veterinários graduados e estudantes de Medicina Veterinária são autorizados a acessar este site.

Não está permitida a divulgação de qualquer conteúdo sem a prévia autorização do Vetsapiens, por escrito. Os Médicos Veterinários são os únicos responsáveis pelo tratamento e cuidado de seus pacientes.

Quaisquer recomendações de colegas ou especialistas recebidas através deste site são meras opiniões individuais, e cada clínico é o exclusivo responsável pelo manejo de seus pacientes. Os fármacos e doses recomendadas ou calculadas no Vetsapiens devem ser sempre conferidos antes de sua aplicação.

Veterinários não devem utilizar medicações e ou protocolos com os quais não estejam familiarizados e confortáveis. O Vetsapiens preconiza que o encaminhamento para especialistas seja sempre a primeira recomendação dos clínicos gerais ao se depararem com casos clínicos além do seu conhecimento.

As imagens e informações trocadas neste site não substituem o exame físico do paciente, e a relação exclusiva entre veterinário-paciente-cliente. As imagens aqui postadas não podem ser consideradas de qualidade diagnóstica.

Toda e qualquer informação obtida neste site deve ser considerada apenas como uma sugestão individual e não tem qualquer valor diagnóstico.

Desenvolvido por logo-crowd