Anaplasmose

Dra Cristiene Rosa

Ultima atualização: 29 FEV DE 2020

Nomenclatura

Reino: Monera

Filo: Proteobacteria

Classe: Alphaproteobacteria

Ordem: Rickettsiales

Família: Anaplasmataceae

Gênero: Anaplasma

Espécie: Anaplasma platys

Nome em inglês

Canine thrombocytic anaplasmosis

Definição

Hemoparasitose causa pela bactéria Anaplasma platys, parasita de plaquetas, causando um quadro de trombocitopenia infecciosa cíclica.

Doença transmitida pelo carrapato marrom do cão, Rhipicephalus sanguineus.

Fisiopatologia

Após a infecção, que ocorre durante o repasto sanguíneo do carrapato, a bactéria adere à membrana das plaquetas e as infecta.

Dentro do vacúolo os corpúsculos elementares de multiplicam dando origem à mórula.

Poucos dias após a parasitemia, há uma acentuada trombocitopenia, com recuperação em 3 4 dias.

A parasitemia tende a se repetir a cada 1 a 2 semanas.

Em alguns casos pode ocorrer a eliminação da bactéria pelo organismo.

Etiologia

Bactéria gram-negativa, intracelular obrigatória, visualizada como inclusões basofílicas no interior de plaquetas em esfregaços corados com corante Giemsa ou Panótico.

A espécie A. platys infecta plaquetas de cães, já A. phagocytophilum infecta granulócitos, como neutrófilos, de cães, gatos, equinos e humanos.

Maior ocorrência (raça, idade, gênero, localização geográfica)

As manifestações clínicas ocorrem com mais frequência em cães com menos de 1 ano de idade.

Achados de anamnese

Presença de carrapato.

Manifestações clínicas

Trombocitopenia acentuada, linfadenopatia generalizada, anorexia, letargia, perda de peso, depressão.

Raramente são observadas hemorragias, a despeito de severa trombocitopenia

Em infecções concomitantes com outros hemoparasitas, as manifestações tendem a ser mais exacerbadas, dependendo da espécie associada.

Cães com erliquiose granulocítica, por A. phagocytophilum, apresentam anorexia, letargia, febre, vômito, anemia e poliartrite.

Procedimentos diagnósticos

Hemograma: Presença de mórulas em plaquetas, trombocitopenia acentuada.

Bioquímico: hipergamaglobulinemia, com discreta hipoalbuminemia

Anticorpos específicos: existem diferentes métodos imunológicos para pesquisa de anticorpos.

A reação de imunofluorescência indireta (RIFI) é a técnica utilizada para verificação de títulos de anticorpos, porém pode apresentar reações inespecíficas com outras bactérias do mesmo grupo.

É descrito que métodos rápidos, como o ELISA (Snap 4DX, IDEXX), mais acessíveis e disponibilizados tanto em hospitais, como em centros diagnósticos. apresenta reação cruzada com Anaplasma phagocytophilum.

Biologia molecular: (sangue total em EDTA, tecidos frescos ou parafinados, medula óssea e carrapatos) a técnica possui alta especificidade e sensibilidade, permitindo a detecção precoce da infecção.

 

Diagnósticos diferenciais

Erliquiose, babesiose, cinomose, leishmaniose, neoplasias, infecciosas e microangiopatias.

Terapia inicial

Doxiciclina (5 a 10 mg/kg/via oral, a cada 12 ou 24 horas, durante 28 dias) 

Enrofloxacina (5 mg/kg/via oral, a cada 12 horas, por 21 dias)

Terapia de suporte e manutenção

Predinisolona (1 a 2 mg/kg/uma vez ao dia, por 7 a 14 dias)

Prognóstico

Favorável em infecção somente por A. platys.

O prognóstico pode ser reservado em coinfecções, variando com a espécie parasita associada.

Literatura recomendada

MACHADO, G.P.; DAGNONE, A.S.; SILVA, B.F.; Anaplasmose Trombocítica Canina - Uma Breve Revisão. Revista Científica Eletrônica De Medicina Veterinária, Ano VIII, N. 15. 2010.

 

RIBEIRO, C.M.; MATOS, A.C.; AZZOLINI, T.; BONES, E.R.; WASNIESKI, E.A.; RICHINI-PEREIRA, V.B.; LUCHEIS, S.B.; VIDOTTO, O. Epidemiologia molecular de Anaplasma platys, Ehrlichia canis e Babesia vogeli em cães não domiciliados do Paraná. Pesq. Vet. Bras. [online]. vol.37, n.2, p.129-136. 2017. http://dx.doi.org/10.1590/s0100-736x2017000200006.

 

VIEIRA, F. T. Ocorrência de Ehrlichia spp., Anaplasma spp., Babesia spp., Hepatozoon spp. e Rickettsia spp. em cães domiciliados em seis municípios do Estado do Espírito Santo, Brasil. 2017. 62. f. Tese (Doutorado). Doenças Infecciosas, Universidade Federal do Espírito Santo, Vitória, 2017.

Informação ao Tutor

Nenhum anexo disponível

O conteúdo deste site é para uso exclusivo e restrito dos associados. Apenas Médicos Veterinários graduados e estudantes de Medicina Veterinária são autorizados a acessar este site.

Não está permitida a divulgação de qualquer conteúdo sem a prévia autorização do Vetsapiens, por escrito. Os Médicos Veterinários são os únicos responsáveis pelo tratamento e cuidado de seus pacientes.

Quaisquer recomendações de colegas ou especialistas recebidas através deste site são meras opiniões individuais, e cada clínico é o exclusivo responsável pelo manejo de seus pacientes. Os fármacos e doses recomendadas ou calculadas no Vetsapiens devem ser sempre conferidos antes de sua aplicação.

Veterinários não devem utilizar medicações e ou protocolos com os quais não estejam familiarizados e confortáveis. O Vetsapiens preconiza que o encaminhamento para especialistas seja sempre a primeira recomendação dos clínicos gerais ao se depararem com casos clínicos além do seu conhecimento.

As imagens e informações trocadas neste site não substituem o exame físico do paciente, e a relação exclusiva entre veterinário-paciente-cliente. As imagens aqui postadas não podem ser consideradas de qualidade diagnóstica.

Toda e qualquer informação obtida neste site deve ser considerada apenas como uma sugestão individual e não tem qualquer valor diagnóstico.

Desenvolvido por logo-crowd