Informações

Princípio Ativo: Zonisamida.
Classe terapêutica: Anticonvulsivante.

Dose

Cães: 2 – 8 mg/kg VO a cada 12 horas.
Gatos: 5 – 10 mg/kg VO a cada 24 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Zonisamida

Classificaçāo

Anticonvulsivante

Espécies

Cães

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A zonisamida pode ser útil como medicamento complementar para epilepsia refratária em cães. Foi sugerido que poderia ser útil como monoterapia como a escolha inicial do medicamento para cães, principalmente quando o cliente deseja evitar efeitos adversos associados ao fenobarbital ou aos brometos. Há um uso limitado em gatos, mas alguns relatam ter tido sucesso no controle de crises convulsivas.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A zonisamida administrada por via retal não deve ser usada para tratar o status epilepticus em cães.

EFEITOS ADVERSOS

Devido ao uso limitado deste medicamento em pacientes veterinários, o perfil de efeitos adversos não é totalmente conhecido. Os efeitos adversos que foram relatados em cães incluem sedação (geralmente transitória), ataxia e inapetência. A zonisamida é uma sulfonamida, mas não uma sulfonilarilamina (a forma de sulfonamida que gera moléculas de nitrosil tóxicas que podem causar lesão direta no tecido e agir como alérgenos para reações de hipersensibilidade), é improvável que cause queratoconjuntivite seca ou outros efeitos adversos relacionados à sulfonamida em cães ou gatos.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não se sabe se a zonisamida é excretada no leite materno; use com cautela em lactantes.

SUPERDOSAGEM

Os sinais mais comuns foram sedação/letargia com ansiedade, ataxia e/ou vômito. As recomendações de tratamento incluem descontaminação gastrointestinal se a ingestão foi recente e terapia de suporte. Devido à meia-vida longa do medicamento, o suporte pode ser necessário por vários dias.

Interações medicamentosas

FENOBARBITAL

Em cães, o fenobarbital pode aumentar a depuração da zonisamida, pois a dosagem repetida de fenobarbital diminuiu a biodisponibilidade, o pico de concentração, a meia-vida e a área sob a curva da zonisamida, mas não afetou o tempo para atingir o pico ou o volume de distribuição da zonisamida. Esse efeito persistiu até 10 semanas após a descontinuação do fenobarbital. Se a adicionar zonisamida a um cão que já está recebendo fenobarbital, a maioria recomenda o uso de zonisamida no limite superior da faixa de dosagem (10 mg/kg VO a cada 12 horas), mas uma fonte recomenda reduzir a dose de fenobarbital em 25%.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

O mecanismo de ação exato da zonisamida não é conhecido. Pode produzir sua atividade antisséptica, bloqueando os canais de sódio e reduzindo as correntes internas transitórias, estabilizando as membranas neuronais e suprimindo a hipersincronização neuronal. Não parece potencializar o GABA. A zonisamida possui fraca atividade inibidora da anidrase carbônica.

FARMACOCINÉTICA

Em cães, a zonisamida é bem absorvida (biodisponibilidade ≈70%) após administração oral e apresenta baixa ligação às proteínas. Demonstrou-se que a zonisamida é absorvida via retal em cães. A meia-vida de eliminação em cães é de aproximadamente 15 a 17 horas. A maior parte do fármaco é excretado via renal, mas aproximadamente 20% é metabolizado, principalmente no fígado. Ao contrário do ser humano, a zonisamida exibe farmacocinética linear (concentrações plasmáticas mínimas da dose) em cães (em doses entre 5 - 30 mg/kg VO a cada 12 horas). A zonisamida tem uma meia-vida longa em gatos de aproximadamente 33 horas.

MONITORAMENTO

Monitore a eficácia e efeitos adversos. O monitoramento dos níveis sanguíneos de zonisamida pode ser útil em pacientes veterinários, mas isso não foi confirmado nem foram identificadas concentrações sanguíneas terapêuticas veterinárias, mas alguns acham que a medição das concentrações séricas pode ser útil quando as convulsões não são controladas. Supõe-se que os níveis terapêuticos da zonisamida em humanos sejam 10 a 40 microgramas/mL.

Referências Bibliográficas

Viana, F. A. B. Guia Terapêutico Veterinário. 3 ed. Minas Gerais: Editora CEM, 2014. 560 p. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/8nc3gaLMKY/>. Acesso em 31 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd