Informações

Princípio Ativo: Vitamina B12.
Classe terapêutica: Vitamina.

Dose

Cães: Injetável: 25 microgramas/kg SC, ou praticamente, se o peso corporal 50 kg: 1500 microgramas/cão, uma vez por semana, durante 4 - 6 semanas, depois uma vez por mês. Via oral: peso corporal de 1 a 10 kg: 250 microgramas; 10 - 20 kg: 500 microgramas; > 20 kg: 1 mg/cão a cada 24 horas.
Gatos: Injetável: 250 microgramas/gato SC uma vez por semana durante 6 semanas, e a cada 1 a 2 meses com base nos níveis de cobalamina. Via oral: 250 microgramas/gato a cada 24 horas durante 12 semanas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Vitamina B12

Classificaçāo

Vitamina

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

As fezes podem apresentar coloração rósea. A vitamina B12 não é indicada para animais saudáveis com alimentação balanceada.

ARMAZENAMENTO

Deve ser armazenada ao abrigo de luz.

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Apresentações e concentrações

  • Vitamina B12

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A cianocobalamina é usada no tratamento de deficiências de vitamina B12 secundárias a doenças do trato gastrointestinal, insuficiência pancreática exócrina ou deficiências alimentares de cromo que podem estar associadas a deficiências alimentares de vitamina B12. Como parece haver uma alta porcentagem de gatos com insuficiência pancreática exócrina ou doença gastrointestinal com deficiência de cobalamina, há um interesse considerável em avaliar a cobalamina sérica (vitamina B12) nesses pacientes. Schnauzers gigantes, beagles, border collies, pastores australianos e shar-peis chineses podem ter um defeito genético que afeta a localização do fator intrínseco da cobalamina, causando deficiência de cobalamina. Cães com insuficiência pancreática exócrina ou doença inflamatória intestinal também podem desenvolver deficiência de cobalamina.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Nenhuma contraindicação está documentada para uso injetável ou oral em animais domésticos.

EFEITOS ADVERSOS

A cianocobalamina parece muito bem tolerada quando usada via parenteral em animais.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Estudos que documentam a segurança durante a gestação aparentemente não foram realizados em humanos ou animais, mas é provável que seja seguro. Imagina-se que os estados de deficiência de vitamina B12 causem efeitos teratogênicos. Embora a vitamina B12 possa ser excretada no leite, ela é segura para uso durante a amamentação.

SUPERDOSAGEM

Nenhuma informação de superdosagem foi localizada, mas é improvável que uma superdosagem inadvertida de cianocobalamina administrada por injeção SC ou IM cause morbidade significativa.

Interações medicamentosas

Cloranfenicol

O uso concomitante pode resultar em diminuição da resposta hematológica.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

A vitamina B12, uma vitamina solúvel em água que contém cobalto, serve como um cofator importante para muitas reações enzimáticas em mamíferos necessárias para o crescimento, função e reprodução celular normal, síntese de nucleoproteínas e mielina, metabolismo de aminoácidos e eritropoiese. A cobalamina é necessária para a utilização do folato, de modo deficiência de vitamina B12 pode causar deficiência funcional de folato.

FARMACOCINÉTICA

Depois que mamíferos monogástricos se alimentam, a cobalamina dos alimentos se liga à haptocorrina no estômago. O complexo haptocorrina-cobalamina é degradado pelas proteases pancreáticas no duodeno. Uma vez separada do complexo, a cobalamina se liga ao fator intrínseco (FI), uma proteína produzida no estômago e no pâncreas em cães, no pâncreas (apenas) em gatos e no estômago (apenas) em humanos. O complexo de cobalamina-FI é absorvido no intestino delgado, onde se liga à cubulina, o que facilita sua entrada na circulação portal. Uma proteína chamada transcobalamina 2 se liga à cobalamina, permitindo sua entrada nas células-alvo. Uma certa quantidade de cobalamina é rapidamente excretada na bile, onde ocorre a recirculação êntero-hepática. Cães e gatos, diferentemente dos humanos, não possuem a proteína TC1 de ligação à cobalamina. Isso significa que cães e gatos com deficiência ou má absorção de vitamina B12 podem esgotar rapidamente seus estoques de vitamina B12 em 1 a 2 meses, enquanto que em humanos isso pode exigir 1 a 2 anos. Em gatos normais, a meia-vida circulante da cobalamina é de aproximadamente 13 dias.

MONITORAMENTO

Durante tratamento de anemias deve ser realizado hemograma para avaliação da eficácia do tratamento. Monitorar níveis plasmáticos de vitamina B12, folato antes e depois do tratamento e sinais clínicos associados à deficiência.

Referências Bibliográficas

BAETA, J. S. V. et al. Influência da suplementação de ferro e vitaminas hematopoiéticas (vitamina B12 e ácido fólico) no tempo de recuperação do hematócrito em cães após doação de sangue. 2015. GHIORZI, V. et al. [Acute idiophatic poliradiculoneuritis in dog - Case report.]. Polirradiculoneurite idiopática aguda em cão - Relato de caso. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, 2000. MACÊDO, L. B. et al. A eritropoiese e o eritrograma: Uma Revisão. Revista Brasileira de Higiene e Sanidade Animal, v. 9, n. 4, p. 716-732, 2015. PAPICH, M. G. Manual Saunders de terapia veterinária. 3ª ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2012. SILVA, M. T. T. et al. Alterações neurorradiológicas cerebrais na degeneração combinada de medula. Arq Neuropsiquiatr, v. 58, n. 3-A, p. 752-755, 2000. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/bw326rE9VM/>. Acesso em 2 de junho de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd