Informações

Princípio Ativo: Vitamina B1.
Classe terapêutica: Vitamina.

Dose

Cães: Deficiência de tiamina: A tiamina tem uma margem relativamente grande para segurança. Uma recomendação para gatos é de 50 a 100 mg por via parenteral (por exemplo, SC, IM) por 3 - 5 dias, seguida pela administração de VO por mais 2 - 4 semanas. Até que pesquisas adicionais determinem as recomendações ideais de dosagem, isso também pode ser usado em cães Tratamento adjuvante da síndrome de realimentação após doença crítica: 10 - 100 mg / dia SC durante o período de realimentação.
Gatos: Deficiência de tiamina: A tiamina tem uma margem relativamente grande para segurança. Uma recomendação para gatos é de 50 a 100 mg por via parenteral (por exemplo, SC, IM) por 3 - 5 dias, seguida pela administração de VO por mais 2 - 4 semanas. Até que pesquisas adicionais determinem as recomendações ideais de dosagem, isso também pode ser usado em cães Tratamento adjuvante da síndrome de realimentação após doença crítica: 10 - 100 mg / dia SC durante o período de realimentação.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Vitamina B1

Classificaçāo

Vitamina

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Apresentações e concentrações

  • Tiamina 300 mg, comprimido

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A tiamina é indicada no tratamento ou na prevenção de estados de deficiência de tiamina que podem ser secundários à falta de tiamina na dieta ou à presença de compostos destruidores de tiamina na dieta (por exemplo, samambaia, peixe cru, amprólio).

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A injeção de tiamina é contraindicada em animais hipersensíveis a ela ou a qualquer componente dela.

EFEITOS ADVERSOS

Ocorreram reações de hipersensibilidade após a injeção. Raramente, uma resposta anafilática vasovagal (parada cardíaca ou bradicardia grave, arritmias cardíacas, apneia, hipotensão, colapso, convulsão ou fraqueza neuromuscular prolongada) foi observada em um pequeno número de gatos quando o cloridrato de tiamina foi administrado por via SC. Pode ocorrer alguma sensibilidade ou dor muscular após a injeção IM.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não se sabe se este medicamento é excretado no leite.

SUPERDOSAGEM

Hipotensão e depressão respiratória podem ocorrer com doses maciças. Geralmente, nenhum tratamento deve ser necessário com a maioria das superdosagens, pois o excesso de droga será excretado pela urina.

Interações medicamentosas

Nada observado.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

A tiamina combina-se com o adenosina trifosfato (ATP) para formar difosfato de tiamina / pirofosfato de tiamina, empregado no metabolismo dos carboidratos, mas não afeta as concentrações de glicose no sangue. A ausência de tiamina resulta em atividade diminuída da transcetolase nos glóbulos vermelhos e aumento das concentrações sanguíneas de ácido pirúvico. Sem trifosfato de tiamina, o ácido pirúvico não é convertido em acetil-CoA e o NADH diminui com a glicólise anaeróbica produzindo ácido lático. A produção de ácido láctico é aumentada ainda mais secundária à conversão do ácido pirúvico e pode ocorrer acidose láctica.

FARMACOCINÉTICA

A tiamina é absorvida pelo trato gastrointestinal e é rapidamente metabolizada pelo fígado. Nos seres humanos, a tiamina é distribuída a todos os tecidos com maiores concentrações no fígado, cérebro, rim e coração. A maior parte do fármaco é eliminado como metabólitos pelo rim.

MONITORAMENTO

Monitorar a efetividade da suplementação.

Referências Bibliográficas

GHIORZI, V., et al. [Acute idiophatic poliradiculoneuritis in dog - Case report.]. Polirradiculoneurite idiopática aguda em cão - Relato de caso. Revista Brasileira de Medicina Veterinária, 2000. MEYER, L. R. et al. Coprofagia como distúrbio comportamental em cães: revisão de literatura. Campo Digital, v. 9, n. 1, p. 49-55, 2014. VALENTE NEVES, I. et al. Fármacos utilizados no tratamento das afecções neurológicas de cães e gatos. Semina: Ciências Agrárias, v. 31, n. 3, 2010. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/99G0k4dz6g>. Acesso em 7 de junho de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd