Informações

Princípio Ativo: Propionato de Fluticasona.
Classe terapêutica: Anti-inflamatório Esteroidal.

Dose

Cães: Tratamento de doença traqueobrônquica crônica: Para uso em cães com doença brônquica para evitar os efeitos colaterais sistêmicos dos glicocorticóides orais: Fluticasona 110 mcg por aplicação ou 220 mcg por aplicação, 1 aplicação a cada 6 - 12 horas através do dispositivo de administração apropriado. Utilizando o inalador de dose em 220 mcg / aplicação: 2 aplicações a cada 12 horas.
Gatos: Asma felina; doença felina das vias aéreas inferiores: use com um aerossol, um espaçador e uma máscara facial projetada para uso em gatos. A dosagem ideal de corticosteróides inalados é desconhecida e não houve estudos mostrando especificamente vantagens dos glicocorticóides inalatórios em relação à prednisona / prednisolona por via oral em cães ou gatos com doença das vias aéreas de ocorrência natural. Mais comumente, ao iniciar a fluticasona, a terapia com glicocorticóide oral é continuada por cerca de 10 a 14 dias, com uma sobreposição gradual. Inicialmente, tente o inalador de 44 mcg / aplicação: 1 aplicação a cada 12 horas. Para gatos com sinais de doença brônquica que ocorrem mais de uma vez por semana: Administre prednisolona em 1 - 2 mg / kg VO a cada 12 horas por 5-7 dias. A maioria dos gatos recém-diagnosticados terá sinais muito reduzidos; então a dose é diminuída lentamente por pelo menos 2 - 3 meses. Alguns gatos são tratados de forma eficaz com doses baixas de corticosteróides em dias alternados, mas a maioria continua com chiado / tosse. Para aqueles, utilize corticosteróides inalados, como a fluticasona. Use um dispositivo de administração em combinação com um espaçador e fluticasona de 110 mcg e administre uma inalação a cada 12 horas. Gatos com doenças mais graves podem necessitar de 220 mcg. Rinite crônica idiopática felina: Em gatos com rinite crônica idiopática, primeiro use prednisolona oral (2 mg / kg / dia por 14 dias) para determinar se a rinite é responsiva ou não ao corticosteróide. Se a rinite responder a corticosteroides, implemente a terapia de fluticasona com um dispositivo de administração na dose inicial de 220 mcg / administração, 2 administrações a cada 12 horas, em combinação com a prednisolona oral. Uma vez que a terapia de fluticasona tenha sido implementada confortavelmente, comece a redução da dose com a terapia oral de prednisolona (geralmente 25% a cada duas semanas) enquanto monitora os sinais clínicos.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Propionato de Fluticasona

Classificaçāo

Anti-inflamatório Esteroidal

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Informe o médico veterinário responsável sobre qualquer efeito adverso observado. O tratamento com anti-inflamatórios esteróides não deve ser interrompido abruptamente.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Propionato de Fluticasona 50 mcg, cápsula
  • Propionato de Fluticasona 250 mcg, cápsula
  • Fluticaps 50 mcg, cápsula
  • Fluticaps 250 mg, cápsula
  • Flixotide 50 mcg, cápsula
  • Flixotide 250 mg, cápsula

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Os produtos corticosteroides inalatórios nasais podem ser úteis para rinossinusite crônica relacionada à alergia em cães e gatos.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A fluticasona é contraindicada quando os pacientes são hipersensíveis a ela ou durante broncoespasmo agudo (estado asmático). Ao transferir pacientes da terapia com esteroides sistêmicos para esteroides inalatórios, retire lentamente a terapia sistêmica para evitar insuficiência adrenal aguda. Prepare-se para amparar pacientes com terapia adicional com esteroides durante períodos de estresse agudo, ataques graves de asma durante o estágio de abstinência ou após a transferência para esteroides inalatórios. A fluticasona não é útil no broncoespasmo agudo.

EFEITOS ADVERSOS

Enquanto os esteroides inalados geralmente causam significativamente menos efeitos adversos do que a terapia injetável ou oral, a supressão do eixo hipotálamo-pituitária-adrenal pode potencialmente ocorrer.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Só deve ser utilizado durante a gestação quando os benefícios superarem claramente os riscos da terapia. Não se sabe se o medicamento infiltra o leite materno.

SUPERDOSAGEM

As sobredosagens agudas deste medicamento são improváveis, mas foram relatados casos de cães desenvolvendo efeitos adversos. Uma ocorrência semelhante com fluticasona provavelmente não requer tratamento. Sobredosagens crônicas podem resultar em supressão significativa do eixo hipotálamo-hipófise-adrenal e efeitos de cushing.

Interações medicamentosas

Embora o fabricante afirme que, devido os baixos níveis plasmáticos sistêmicos associados à terapia inalatória e que são improváveis ​​interações medicamentosas clinicamente significativas, tenha cuidado quando a fluticasona for usada em conjunto com outros medicamentos (como o cetoconazol ) que podem inibir as isoenzimas do CYP 3A4; teoricamente, os níveis de fluticasona podem aumentar.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Como outros glicocorticoides, a fluticasona possui potente ação anti-inflamatória. A fluticasona tem uma afinidade 18 vezes maior que a dexametasona para os receptores de glicocorticoides humanos.

FARMACOCINÉTICA

A fluticasona é metabolizada via isoenzimas do citocromo P450 3A4 em um metabólito com ação farmacológica desprezível. A meia-vida de eliminação é de aproximadamente 8 horas. A maior parte do fármaco é excretado nas fezes como fármaco e metabólitos.

MONITORAMENTO

Monitore a eficácia.

Referências Bibliográficas

BEXFIELD, N. H. et al. Management of 13 cases of canine respiratory disease using inhaled corticosteroids. Journal of small animal practice, v. 47, n. 7, p. 377-382, 2006. COELHO, Mariana et al. Atualizações sobre tosse em cães. Revista Científica Eletrônica de Medicina Veterinária, v. 22, n. 1, p. 1-20, 2015. DAMIANI, Durval et al. Corticoterapia e suas repercussões: a relação custo-benefício. Pediatria (São Paulo), v. 23, p. 71-82, 2001. FERGUSON D. C. Hormônios tireóideos e fármacos antitireóideos. In: ADAMS, H. R. Farmacologia e terapêutica em veterinária / editoria de H. Richard Adams; [tradução Cid Figueiredo]. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013. FERGUSON D. C. e HOENIG M. Glicocorticóides, Mineralocorticóides e Inibidores da síntese de esteróides. In: ADAMS, H. R. Farmacologia e terapêutica em veterinária / editoria de H. Richard Adams; [tradução Cid Figueiredo]. - Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2013. MACEDO J. M. S. e OLIVEIRA I. R. Corticosteroides. In: SILVA, P., 1921. Farmacologia/Penildon Silva – 8 ed. [Reimpr.]. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. ROCHA N. P. e JOAQUIM J. G. F. Glicocorticoides: atividades metabólicas, anti-inflamatórias e imunossupressoras. In: BARROS, C. M. e DI STASI, L. C. Farmacologia veterinária. Manole. Barueri-SP, 2012. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/Vtnufj83Mh/>. Acesso em 30 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd