Informações

Princípio Ativo: Neomicina.
Classe terapêutica: Antibiótico (grupo Aminoglicosídeos).

Dose

Cães: Tratamento adjuvante de encefalopatia hepática: 20 mg/kg VO a cada 12 horas. Conjuntivite ou ceratite: 1 gota de solução ou 0,6 cm de pomada no olho afetado a cada 6 - 8 horas.
Gatos: Tratamento adjuvante de encefalopatia hepática: 20 mg/kg VO a cada 12 horas. Conjuntivite ou ceratite: 1 gota de solução ou 0,6 cm de pomada no olho afetado a cada 6 - 8 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Neomicina

Classificaçāo

Antibiótico (grupo Aminoglicosídeos)

Receita

Controle Especial - Humano

Espécies

Cães e Gatos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Informe ao Médico Veterinário a ocorrência de gestação ou lactação durante ou logo após o tratamento. A interrupção do tratamento e a modificação de dose não devem ser feitas sem a orientação do Médico Veterinário. Os microrganismos são capazes de desenvolver resistência nos casos de subdosagem.

ARMAZENAMENTO

Conservar em temperatura ambiente, protegido de luz e umidade. Manter fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Apresentações e concentrações

  • Neomicina 100 mg, comprimido
  • Nemicina 3,5 mg/g, pomada
  • Neodermicina 5 mg/g, pomada
  • Pomicina 5 mg/g, pomada

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Como a neomicina é mais nefrotóxica e menos eficaz contra várias espécies bacterianas que a gentamicina ou a amicacina, seu uso é geralmente limitado a formulações tópicas para pele, olhos e ouvidos, tratamento oral de infecções entéricas, para reduzir o número de micróbios no cólon antes da cirurgia e administração oral ou enema para reduzir bactérias produtoras de amônia no tratamento da encefalopatia hepática.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A neomicina oral é contraindicada na presença de obstrução intestinal ou se o paciente for hipersensível aos aminoglicosídeos. Geralmente, deve ser evitado em pacientes azotêmicos. Em neonatos, a neomicina administrada por via oral pode produzir altos níveis sistêmicos e efeito tóxico correspondente; deve ser evitado em pacientes neonatais. O uso crônico de aminoglicosídeos orais pode resultar em superinfecções bacterianas ou fúngicas.

EFEITOS ADVERSOS

A diarreia associada a antibióticos pode ocorrer e algumas espécies podem ser mais suscetíveis. Raramente, a neomicina oral pode causar ototoxicidade, nefrotoxicidade, diarreia grave e má absorção intestinal.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Em um sistema separado que avalia a segurança dos medicamentos na gestação canina e felina, esse medicamento é classificado como classe A (provavelmente seguro; embora estudos específicos possam não ter provado a segurança de todos os medicamentos em cães e gatos, não há relatos de efeitos adversos).

Interações medicamentosas

DIGOXINA

A neomicina oral com digoxina administrada por via oral pode resultar em diminuição da absorção. Separar as doses dos dois medicamentos pode não aliviar esse efeito. Recomenda-se que a monitoração acurada seja realizada se a neomicina oral for adicionada ou retirada do regime medicamentoso de um paciente estabilizado com glicosídeo digitálico.

METOTREXATO

A absorção pode ser reduzida pela neomicina oral, mas é aumentada pela canamicina oral.

DROGAS OTOTÓXICAS E NEFROTÓXICAS

Embora apenas quantidades mínimas de neomicina sejam absorvidas após administração oral ou retal, o uso concomitante de outros fármacos ototóxicos ou nefrotóxicos com neomicina deve ser feito com cautela. O uso tópico para o tratamento da otite deve ser evitado se a membrana timpânica não estiver intacta.

PENICILINA V POTÁSSIO (oral)

A neomicina oral não deve ser administrada concomitantemente com a penicilina oral V (potássica), pois pode ocorrer a má absorção da penicilina.

VARFARINA

A neomicina oral pode diminuir a quantidade de vitamina K absorvida pelo intestino; isso pode ter implicações para pacientes que recebem anticoagulantes orais.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Aproximadamente 3% de uma dose de neomicina é absorvida após administração oral ou retal, mas isso pode aumentar se a motilidade intestinal for mais lenta ou se a parede intestinal estiver danificada. Os níveis terapêuticos não são atingem a circulação sistêmica após administração oral. A neomicina administrada por via oral é quase toda excretada inalterada nas fezes. Após a administração IM, os níveis terapêuticos podem ser atingidos com os picos ocorrendo dentro de 1 hora após a administração. Aparentemente, a neomicina se distribui pelos tecidos e é eliminada como os outros aminoglicosídeos. Este fármaco é minimamente ligado a proteínas.

FARMACOCINÉTICA

A absorção dos aminoglicosídeos no trato digestivo é desprezível, porém são ativos na luz intestinal, quando administrados via oral. Para o tratamento de infecções sistêmicas recomenda-se o uso da via parenteral. Em geral, estes antibióticos ligam-se pouco às proteínas plasmáticas e não são biotransformados de maneira significante no organismo do animal. A eliminação renal do agente na sua forma ativa ocorre por filtração glomerular; a ocorrência de nefropatia pode provocar níveis altos de aminoglicosídeos na circulação, favorecendo o aparecimento de efeitos tóxicos.

MONITORAMENTO

Monitore a eficácia clínica e efeitos adversos.

Referências Bibliográficas

ANDRADE, S.F. et al. Quimioterápicos, antimicrobianos e quimioterápicos. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica Veterinária, 3 ed. São Paulo: Editora Roca, 2008 LAPPIN, M. R. Doenças infecciosas. In: NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. Tradução: Aline Santana da Hora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010 SCARTEZZINI, M. et al. Diagnóstico bacteriológico de diversas patologias de cães e gatos e verificação da suscetibilidade a antimicrobianos.Veterinária em Foco, v.8, n.2, jan./jun. 2011 SPINOSA, H. S. Antibióticos: aminoglicosídeos, polimixinas, bacitracina e vancomicina. SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Monografias farmacêuticas. In: VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Formulário veterinário farmacêutico. 1. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2004 WATSON, P. J.; BUNCH, S. E. Tratamento das complicações da doença e insuficiência hepáticas. In: NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. Tradução: Aline Santana da Hora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010 WILLARD, M. D. Distúrbios do sistema digestório. In:NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. Tradução: Aline Santana da Hora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/lRclnSojMX>. Acesso em 27 de maio de 2020. <https://consultaremedios.com.br/sulfato-de-neomicina/pa>. Acesso em 27 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd