Informações

Princípio Ativo: Nalbufina.
Classe terapêutica: Analgésico opioide.

Dose

Cães: Combinação de sedativo/analgésico pré-operatório: 0,2 - 0,4 mg/kg. Dor leve a moderada: 0,2 - 0,5 mg/kg IV, IM ou SC.
Gatos: Combinação de sedativo/analgésico pré-operatório: 0,2 - 0,4 mg/kg. Dor leve a moderada: 0,2 - 0,5 mg/kg IV, IM ou SC.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Nalbufina

Classificaçāo

Analgésico opioide

Receita

Receita Amarela ou A

Espécies

Cães e Gatos

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Nubain 10 mg, frasco ampola (1 mL)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A nalbufina é um agonista opioide do receptor kappa e antagonista do receptor mu que pode ser usado como um medicamento pré cirúrgico. Pode ser usado para analgesia, mas é eficaz apenas para dores leves a moderadas e sua duração de efeito relativamente curta a torna uma escolha relativamente ruim. Pode ser usado para reverter os efeitos adversos dos agonistas (morfina) e ainda oferecer alguma analgesia. A nalbufina tem sido usada em cães por via peridural para diminuir a CAM do isoflurano e fornecer analgesia pós-operatória para ovario-histerectomia. A aplicação tópica tem sido usada para reduzir o desconforto da córnea após a facoemulsificação.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A nalbufina é contraindicada em pacientes hipersensíveis a ela. A dor intensa deve ser tratada com outros analgésicos.Use com cautela em pacientes com insuficiência hepática ou renal, bradiarritmias ou trauma na cabeça. Quando usada sozinha, a nalbufina raramente causa depressão respiratória clinicamente significativa, mas deve ser usada com cautela em pacientes com função respiratória comprometida ou quando usada concomitantemente com outros agentes depressores do SNC ou respiratórios; a depressão respiratória pode ser grave nesses pacientes - é necessária monitoração adequada. A naloxona pode reverter a depressão respiratória induzida pela nalbufina.

EFEITOS ADVERSOS

É improvável que aconteça depressão respiratória, mas pode ocorrer. Outros efeitos adversos que podem ser observados com a nalbufina incluem excitação (altas doses), disforia, vômito e bradicardia.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não usar em gestantes e usar com cautela em lactantes.

SUPERDOSAGEM

As overdoses de nalbufina raramente são graves, principalmente quando usadas em regime de internação e com monitoramento adequado quando usadas com outros medicamentos do SNC e depressores respiratórios. A depressão respiratória pode ser revertida com naloxona. A ingestão oral não é grave, pois o medicamento tem baixa biodisponibilidade oral.

Interações medicamentosas

CIMETIDINA

Possíveis efeitos aumentados da nalbufina.

DEPRESSORES DO SNC OU RESPIRATÓRIOS

Podem ocorrer depressão do SNC e/ou respiratória aditivos.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

A nalbufina é um analgésico agonista-antagonista dos opioides sintéticos da série dos fenantrenos. A nalbufina se liga aos receptores kappa, mu e delta opiáceos. Sua principal atividade farmacológica analgésica é devida à sua atividade agonista nos receptores kappa e antagonismo nos receptores mu. A nalbufina não aumenta a histamina plasmática em cães.

FARMACOCINÉTICA

A nalbufina tem um perfil farmacocinético semelhante ao da morfina. No entanto, deve ser administrada por via parenteral, pois possui uma biodisponibilidade oral muito baixa secundária ao metabolismo da mucosa gastrointestinal e um efeito de primeira passagem alta. Os efeitos analgésicos geralmente duram de 3-6 horas após uma dose. A duração da ação analgésica em cães e gatos foi relatada anedoticamente como significativamente menor do que em humanos.

MONITORAMENTO

Monitore a sedação, analgesia e estado respiratório quando usado em combinação com outros medicamentos depressores do sistema respiratório.

Referências Bibliográficas

VIANA, F. A. B. Guia Terapêutico Veterinário. 3 ed. Minas Gerais: Editora CEM, 2014. 560 p. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/UsBzNf0XCM>. Acesso em 27 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd