Informações

Princípio Ativo: Misoprostol.
Classe terapêutica: Abortivo, gástrico.

Dose

Cães: Prevenção e tratamento de úlceras GI / efeitos adversos dos AINEs GI: Prevenção de lesão gástrica induzida por aspirina: 1 - 3 mcg / kg VO a cada 6 - 8 horas. Indicações sobre o sistema reprodutivo: Parte de um protocolo abortivo: aglepristona 10 mg / kg SC em 2 dias consecutivos e misoprostol 200 microgramas (para cadelas com peso ≤ 20 kg) ou 400 microgramas (para cadelas com peso> 20 kg) por via intravaginal a cada 24 horas até a conclusão do aborto. Parte de um protocolo abortivo: Misoprostol 1 - 3 microgramas / kg a cada 24 horas administrado como um supositório vaginal para promover a dilatação cervical. Isso permite uma dose reduzida de dinoprost (PGF2 alfa) de 0,1 mg / kg de SC a cada 8 horas por 2 dias e, em seguida, 0,2 mg / kg a cada 8 horas de SC.
Gatos: Efeitos adversos gastrointestinais associados ao uso de AINEs: misoprostol 5 mcg / kg VO a cada 8 horas e / ou outro AINE.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Misoprostol

Classificaçāo

Abortivo, Gástrico

Receita

Restrito a Hospitais

Espécies

Cães

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Este medicamento pode causar prejuízos à saúde humana. Mulheres grávidas devem manipular com cautela. Não deve ser utilizado sem acompanhamento de profissional qualificado.

ARMAZENAMENTO

Deve ser armazenado em sua embalagem original, em local fresco e seco e em local seguro.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Misoprostol, comprimido
  • Prostokos, comprimido
  • Cytotec, comprimido

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

O misoprostol pode ser útil como terapia primária ou adjuvante no tratamento ou prevenção de efeitos adversos gastrointestinais (anorexia, vômito) ou ulceração gastro-duodenal, especialmente quando causada ou agravada por anti-inflamatórios não esteroidais (AINEs). Embora possa ser usado no tratamento de úlceras gástricas, outros medicamentos provavelmente são igualmente eficazes e menos dispendiosos. Não parece ser muito eficaz na redução da ulceração gástrica secundária à terapia com altas doses de corticosteroide. Os efeitos do misoprostol na contratilidade uterina e na abertura da cérvix  o tornam eficaz como tratamento adjuvante no término da gestação.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Deve ser usado em pacientes com as seguintes condições somente quando seus benefícios superam os riscos: sensibilidade às prostaglandinas ou análogos da prostaglandina; pacientes com doença vascular cerebral ou coronária. Embora não relatados com misoprostol, algumas prostaglandinas e análogos da prostaglandina anteciparam convulsões em pacientes humanos epiléticos e causaram hipotensão, o que pode afetar adversamente pacientes com distúrbios convulsivos ou doença vascular cerebral ou coronária.

EFEITOS ADVERSOS

Dor abdominal, flatulência, diarreia e hemorragias uterinas. Os efeitos adversos são frequentemente transitórios e resolvem-se ao longo de vários dias ou podem ser minimizados pelo ajuste da dose ou administração de doses com alimentos. Potencialmente, contrações uterinas e sangramento vaginal podem ocorrer em cadelas.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não usar em gestantes (quando o objetivo não for o aborto) ou lactantes.

SUPERDOSAGEM

As sobredosagens em animais de laboratório produziram diarreia, lesões gastrointestinais, vômitos, tremores, necrose tubular cardíaca, hepática ou renal focal, convulsões e hipotensão. As sobredosagens devem ser tratadas com seriedade e empregadas técnicas de esvaziamento intestinal padrão, quando aplicável. A toxicidade resultante deve ser tratada de forma sintomática e de suporte.

Interações medicamentosas

ANTIÁCIDOS CONTENDO MAGNÉSIO

Os antiácidos contendo magnésio podem agravar a diarreia induzida pelo misoprostol. Se um antiácido for necessário, um antiácido composto somente de alumínio pode ser uma escolha melhor. Antiácidos e alimentos reduzem a taxa de absorção do misoprostol e podem reduzir a disponibilidade sistêmica, mas provavelmente não afetam a eficácia terapêutica.

OXITOCINA

O misoprostol pode melhorar os efeitos.

FENILBUTAZONA

O uso simultâneo pode resultar em efeitos neurossensoriais (por exemplo, tonturas, ataxia).

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Por ação direta nas células parietais, inibe a secreção basal e noturna de ácido gástrico, bem como as secreções de ácido gástrico estimuladas por alimentos, pentagastrina ou histamina. A secreção de pepsina diminui em condições basais, mas não quando estimulada pela histamina. O misoprostol também tem um efeito citoprotetor na mucosa gástrica, provavelmente aumentando a produção de mucosa e bicarbonato gástrico; aumentando a rotatividade e o suprimento sanguíneo de células da mucosa gástrica, o misoprostol aprimora os mecanismos de defesa da mucosa e a cura em resposta a lesões relacionadas ao ácido. Outros efeitos farmacológicos do misoprostol incluem aumento da amplitude e frequência das contrações uterinas, afinamento e relaxamento da cérvix, estimula o sangramento uterino e causa expulsão total ou parcial do conteúdo uterino em animais prenhes.

FARMACOCINÉTICA

Aproximadamente 88% de uma dose oral de misoprostol é rapidamente absorvida pelo trato gastrointestinal, mas uma quantidade significativa é metabolizada pelo efeito de primeira passagem. A presença de alimentos e antiácidos atrasa a absorção do medicamento. O misoprostol é rapidamente desesterificado para o ácido misoprostol, que é o principal metabólito ativo. O misoprostol e o ácido misoprostol são considerados iguais em seus efeitos na mucosa gástrica. O misoprostol e o metabolito ácido estão razoavelmente bem ligados às proteínas plasmáticas (≈90% ligado). Não se acredita que o misoprostol seja excretado no leite materno, mas não se sabe se o ácido é. O ácido misoprostol é posteriormente biotransformado por mecanismos oxidativos para metabólitos farmacologicamente inativos. Esses metabólitos, o ácido livre e pequenas quantidades de droga inalterada são principalmente excretadas na urina.

MONITORAMENTO

Monitore a eficácia e ocorrência de efeitos adversos.

Referências Bibliográficas

PAPICH, M. G. Manual Saunders de terapia veterinária. 3ª ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2012. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/vTu5mODx1y>. Acesso em 26 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd