Informações

Princípio Ativo: Lisinopril.
Classe terapêutica: Inibidor da ECA, Anti-hipertensivo.

Dose

Cães: 0,5 mg/kg VO a cada 12 - 24 horas.
Gatos: 0,25 - 0,5 mg/kg VO a cada 24 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Lisinopril

Classificaçāo

Inibidor da ECA, Anti-hipertensivo

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Lisinopril 5 mg, cápsula
  • Lisinopril 10 mg, cápsula
  • Lisinopril 20 mg, cápsula
  • Prinivil 10 mg, caixa com 30 comprimidos
  • Zestril 5 mg, comprimido
  • Zestril 10 mg, comprimido
  • Zestril 20 mg, comprimido

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Os principais usos do lisinopril na medicina veterinária no presente momento é como um vasodilatador no tratamento de insuficiência cardíaca ou hipertensão. O lisinopril pode apresentar vantagens sobre outros inibidores da ECA como dosagem a cada 24 horas e menor custo.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Administrar com cautela em pacientes com insuficiência renal, hiponatremia, insuficiência cerebrovascular, alterações hematológicas e aumento da PIC.

EFEITOS ADVERSOS

Os efeitos adversos do lisinopril em cães são similares a outros inibidores da ECA, principalmente efeitos no TGI (anorexia, vômito, diarreia). Potencialmente tosse, fraqueza, hipotensão, insuficiência renal e hipercalemia podem ocorrer.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

​O lisinopril atravessa a placenta, Não se sabe se o lisinopril é excretado no leite, use com cautela.

SUPERDOSAGEM

Em situações de superdosagens a primeira preocupação é hipotensão; tratamento de suporte com expansão volumétrica utilizando solução fisiológica comum é recomendado. Devido ao longo tempo de ação do fármaco, monitoramento e tratamento prolongados podem ser necessários. Superdosagens recentes devem ser tratadas com protocolos de esvaziamento gástrico quando necessário.  

Interações medicamentosas

INTERAÇÕES

Anestésicos

O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão.

Antiácidos

Redução da absorção oral do enalapril pode acontecer caso o uso seja concomitante com antiácidos; é sugerido que as doses sejam separadas por pelo menos 2 horas.

Agentes anti hipertensivos/vasodilatadores

O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão e outros efeitos adversos.

Baclofeno

Uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão.

Buspirona

Uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão.

Cabergolina

Uso concomitante pode levar a hipotensão aditiva.

Corticosteroides

Pode diminuir os efeitos anti hipertensivos dos inibidores da ECA.

Darbepoetina; Epoetina

Inibidores da ECA podem interferir com eritropoetina.

Digoxina

Níveis podem aumentar em 15% a 30% quando é adicionado um inibidor da ECA, não é recomendada redução automática da dose, mas monitoramento dos níveis séricos de digoxina é recomendado.

Difenidramina

O uso recorrente pode aumentar o risco de hipotensão.

Disopiramida

Efeitos hipoglicêmicos podem ser aumentados.

Diuréticos

O uso concomitante de diuréticos pode causar hipotensão se utilizado com lisinopril; ajuste as doses com cuidado.

Doxepina

Uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão.

Glicerina oral

Uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão.

Heparinas de baixo peso molecular

Uso concomitante pode aumentar o risco de hipercalemia.

AINEs

Podem reduzir a eficácia clínica do enalapril quando é utilizado como agente anti hipertensivo.

Opióides

O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão.

Potássio ou Diuréticos poupadores de potássio

Hipercalemia pode ser desenvolvida.

Probenecida

Pode diminuir a excreção renal do enalapril e possivelmente aumentar os efeitos tóxicos e clínicos do fármaco.

Sildenafil

O uso concomitante pode aumentar o risco de hipotensão. 

Vasodilatadores

O uso concomitante de vasodilatadores pode causar hipotensão; ajuste as doses cautelosamente.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Diferente do enalapril, o lisinopril não precisa ser convertido no fígado em um metabólito ativo. O lisinopril previne a formação de angiotensina-II (um potente vasoconstritor) pela competição com a angiotensina-I pela enzima conversora de angiotensina (ECA). A ECA tem afinidade mais alta pelo lisinopril do que pela angiotensina-I. Devido a queda nas concentrações de angiotensina-II, a secreção de aldosterona é reduzida e a atividade da renina plasmática é aumentada. Lisinipril tem afinidade com a ECA maior do que o enalapril ou captopril.

FARMACOCINÉTICA

Em cães a biodisponibilidade do lisinopril vai de 25% a 50% com o pico dos níveis ocorrendo aproximadamente 4 horas após a dose. o lisinopril é mal distribuído para o SNC. Não se sabe se ele é distribuído no leite materno, mas não atravessa a placenta. Meia-vidas aumentam nos pacientes com insuficiência renal ou insuficiência cardíaca congestiva severa. A duração de ação em cães é descrita como 24 horas, mas os efeitos tendem a cair com o tempo. Não foi localizada informação sobre gatos.

MONITORAMENTO

Monitore os sinais clínicos da insuficiência cardíaca congestiva, eletrólitos, creatinina, proteína urinária, hemograma e pressão sanguínea.

Referências Bibliográficas

<https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/FafMZmWU2D>. Acesso em 22 de maio de 2020.

<https://consultaremedios.com.br/lisinopril/pa>. Acesso em 22 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd