Informações

Princípio Ativo: Hidromorfona.
Classe terapêutica: Pré-Anestésico, Analgésico, Sedativo.

Dose

Cães: Analgesia: 0,05 - 0,2 mg/kg IV, IM ou SC a cada 2 - 4 horas. Sedação/contenção: 0,1 - 0,2 mg/kg + 0,05 mg/kg de acepromazina IM.
Gatos: Analgesia: 0,05 - 0,1 mg/kg IV, IM ou SC a cada 2 - 6 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Hidromorfona

Classificaçāo

Pré-Anestésico, Analgésico, Sedativo

Receita

Receita Amarela ou A

Espécies

Cães e Gatos

Apresentações e concentrações

Este produto ainda não tem informações de Apresentações e concentrações

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Opióide semi-sintético derivado do fenantereno, com propriedades similares às da morfina, para pré-anestesia, analgesia, sedação e contenção.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Não usar em intoxicados por toxina escorpiônica ou portadores de diarreias severas, dilatação gástrica e obstrução intestinal. Usar com cautela em pacientes neonatos, geriátricos, debilitado ou portadores de traumatismo craniano, abdômen agudo, disfunção respiratória aguda e bradiarritmias.

EFEITOS ADVERSOS

Depressão do SNC, bradicardia, anafilaxia, vômito e diarreia. A hidromorfona pode causar liberação de histamina, que pode ser importante em animais enfermos. Em gatos, a hidromorfona pode aumentar a temperatura corporal após anestesia.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não usar em gestantes.

SUPERDOSAGEM

Depressão respiratória, colapso cardiovascular, hipotermia e hipotonia da musculatura esquelética. A naloxona é o agente de escolha no tratamento de depressão circulatória ou respiratória. A ventilação mecânica deve ser considerada nos casos de depressão respiratória grave.

Interações medicamentosas

Agentes anticolinérgicos

As medicações com propriedades anticolinérgicas podem aumentar o risco de retenção urinária e constipação quando combinados com opioides.

Anti histamínicos

Possíveis efeitos depressivos adicionais no SNC.

Benzodiazepínicos

Possíveis efeitos depressivos adicionais no SNC e sistema respiratório.

Butorfanol

O butorfanol diminui a duração da analgesia em cães e gatos e pode ser considerado como antagonista parcial.

Clopidogrel

O uso de opioide pode retardar e reduzir a formação de metabólitos ativos de clopidogrel e dos efeitos antiplaquetários do medicamento, possivelmente por reduzir a motilidade gastrointestinal e absorção do fármaco.

Desmopressina

Quando combinados, os opioides podem aumentar o risco de intoxicação por água ou hiponatremia.

Diuréticos

Os opioides podem diminuir a eficácia em pacientes com insuficiência cardíaca.

Gabapentina

Possíveis efeitos depressivos adicionais no SNC.

Pró-cinéticos

Os opioides podem antagonizar os efeitos na motilidade gastrointestinal desses agentes.

Anestésicos locais

Possíveis efeitos depressores cardiorrespiratórios.

Sulfato de magnésio

Os efeitos da hidromorfona no SNC podem aumentar, mais provável com doses mais altas de magnésio ou terapia IV com magnésio.

Inibidores da monoamina oxidase

Potencialização imprevisível e grave dos opioides.

Ondansetrona

Risco aumentado para síndrome de serotonina.

Fenobarbital

Possíveis efeitos depressores adicionais do SNC.

Fenotiazínicos

Alguns fenotiazínicos podem antagonizar os efeitos analgésicos e aumentar o risco de hipotensão.

Moduladores de serotonina

Quando combinado com hidromorfona, pode ocorrer depressão do SNC e aumento do risco de síndrome da serotonina.

Relaxantes de musculatura esquelética

A hidromorfona pode aumentar os efeitos depressores do SNC.

Succinilcolina

Os opioides combinados com succinilcolina podem aumentar os efeitos bradicárdicos dos opioides.

Trazodona

Pode potencializar a ação anticoagulante.

Antidepressivos tricíclicos

A hidromorfona pode exacerbar os efeitos dos antidepressivos tricíclicos.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

A hidromorfona é aproximadamente 5 vezes mais potente como analgésico por peso quando comparada à morfina e tem potência similar comparada à oximorfona. Os agonistas do tipo morfina tem ação primária nos receptores µ e alguma atividade nos receptores δ. O mecanismo de ação preciso é desconhecido, mas parece reduzir a excitabilidade neuronal no SNC.

FARMACOCINÉTICA

A hidromorfona é absorvida via IM, SC e retal. Ela é rapidamente absorvida após a administração oral, mas o metabolismo extensivo de primeira passagem limita a biodisponibilidade. Os níveis de pico ocorrem entre 10 e 30 minutos após a administração SC em cães. O volume de distribuição em cães é alto (> 4 L/kg) em administrações IV e SC. A hidromorfona é metabolizada no fígado por glucuronidação. A meia-vida terminal é curta e parece ser dose e via dependente. O metabólito é excretado pelos rins.

MONITORAMENTO

Monitore frequência cardíaca e respiratória, níveis de depressão/excitação do SNC, pressão sanguínea e eficácia analgésica.

Referências Bibliográficas

VIANA, F. A. B. Guia Terapêutico Veterinário. 3 ed. Minas Gerais: Editora CEM, 2014. 560 p. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/UvzrLrOaaC/>. Acesso em 20 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd