Informações

Princípio Ativo: Gabapentina.
Classe terapêutica: Anticonvulsivante.

Dose

Cães: Anticonvulsivante: 10 – 20 mg/kg VO a cada 8 horas. Dor neuropática: 10 – 20 mg/kg VO a cada 12 horas.
Gatos: Anticonvulsivante: 5 – 10 mg/kg VO a cada 8 - 12 horas. Dor neuropática: 5 – 10 mg/kg VO a cada 12 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Gabapentina

Classificaçāo

Anticonvulsivante

Receita

Controle Especial - Humano

Espécies

Cães e Gatos

ARMAZENAMENTO

Deve ser conservada em temperatura ambiente (entre 15°C e 30°C), protegido da luz e umidade, fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Gabapentina 400 mg, comprimido
  • Gabapentina 600 mg, comprimido
  • Gabapentina 300 mg, cápsula
  • Gabapentina 300 mg, comprimido
  • Gabapentina 400 mg, cápsula
  • Neurotin 300 mg, cápsula
  • Neurotin 400 mg, cápsula
  • Neurotin 300 mg, comprimido
  • Neurotin 400 mg, comprimido
  • Neurotin 600 mg, comprimido
  • Gabaneurin 300 mg, cápsula
  • Gabaneurin 400 mg, cápsula
  • Gabaneurin 300 mg, comprimido
  • Gabaneurin 400 mg, comprimido
  • Gabaneurin 600 mg, comprimido
  • Neurocontrol 400mg, comprimido

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Gabapentina pode ser útil como terapia adjunta para convulsões refratarias ou complexas. Como analgésico ela tem sido demonstrada como útil no tratamento de dor crônica, particularmente neuropática. A gabapentina tem melhorado a qualidade de vida de cães em condição de dor crônica, mas não de gatos. A gabapentina não parece ter uso significante para o tratamento de dor aguda, mas pode ser benéfica quando administrada profilaticamente para dores agudas em conjunto com outros analgésicos. Pesquisas demonstram que esse uso diminui a quantidade necessária de opioides necessários no pós operatório de cães mastectomizados.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A gabapentina é contraindicada em pacientes hipersensíveis a ela. Devido a sua eliminação por vias renais a gabapentina deve ser utilizada com cautela em pacientes com insuficiência renal, se necessário deve-se considerar ajustes de dose. Em cães, o fármaco é metabolizado, então o ajuste de dose pode não ser necessário em cães com disfunções renais suaves ou moderadas.

EFEITOS ADVERSOS

Há relatos de sedação e ataxia.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O uso durante a gestação e lactação deve ser bem avaliado pelo médico veterinário, desde que seus benefícios à mãe superem os riscos ao feto.

Interações medicamentosas

Observações da interação

Antiácidos (contendo alumínio, magnésio, cálcio)

Antiácidos orais administrados com gabapentina podem diminuir a bio aviabilidade oral em 20%; caso sejam necessários antiácidos sua administração deve ser separada da gabapentina por pelo menos 2 horas. Altas dose de magnésio IV ou epidural podem aumentar o risco de sedação associada a gabapentina.

Buprenorfina

O uso concomitante de buprenorfina e gabapentina pode resultar em aumento no risco de sedação.

Canabidiol

O uso concomitante de canabidiol e gabapentina pode resultar em aumento no risco de sedação.

Hidroxizina

O uso concomitante de hidroxizina e gabapentina pode resultar em aumento no risco de sedação.

Minociclina

O uso concomitante de minociclina e gabapentina pode resultar em aumento no risco de sedação.

Mirtazapina

O uso concomitante de mirtazapina e gabapentina pode resultar em aumento no risco de sedação.

Analgésicos opioides

O uso concomitante de agonistas opioides e gabapentina pode resultar em aumento do risco de sedação. O uso concomitante de gabapentina e hidrocodona pode aumentar a área abaixo da curva da gabapentina e aumentar sua eficácia e /ou efeitos adversos. A gabapentina pode reduzir a área abaixo da curva da hidrocodona, potencialmente reduzindo sua efetividade. A morfina pode aumentar os níveis de gabapentina

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

O mecanismo de ação não é muito bem esclarecido; a gabentina é um análogo do neurotransmissor inibitório GABA, no entanto não interage com o seus receptores. Sugere-se que haja um bloqueio dos canais dependentes de cálcio, reduzindo o influxo de cálcio necessário para liberação de neurotransmissores (especialmente os aminoácidos excitatórios) provenientes dos neurônios sinápticos.

FARMACOCINÉTICA

A meia-vida em cães e gatos é de apenas 3-4 horas, o que pode requerer administração frequente. Em seres humanos, a gabapentina é eliminada inalterada principalmente por via renal, no entanto, em cães ocorre biotransformação hepática de 30-40%.

Referências Bibliográficas

ANDRADE NETO, J. P. Anticonvulsivantes. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. ANDRADE NETO, J. P. Anticonvulsivantes. In: Andrade SF. Manual de terapêutica veterinária. 3. ed. São Paulo: Roca, 2008. FIGUEIREDO, R. C. C. Avaliação comparativa da ação da gabapentina ou amitriptilina sobre o controle dador neuropática de origem não-oncológica e sobre os níveis séricos de interleucina-6 (IL-6) e TNF-α em cães. Dissertação (mestrado) - Clínica cirúrgica veterinária. Universidade de São Paulo, 2012. PAPICH, M. G. Manual Saunders de terapia veterinária. 3ª ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2012 <https://consultaremedios.com.br/gabapentina/pa>. Acesso em 18 de maio de 2020. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/CSJtfV8dnf/>. Acesso em 18 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd