Informações

Princípio Ativo: Flumetasona.
Classe terapêutica: Anti-inflamatório esteroidal.

Dose

Cães: 0,0625 – 0,25 mg VO, IV, IM, SC a cada 24 horas; 0,166 – 1 mg intra articular; 0,125 – 1 mg intra lesional.
Gatos: 0,03125 – 0,125 mg VO a cada 24 horas; 0,03125 – 0,125 mg IV, IM ou SC.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Flumetasona

Classificaçāo

Anti-inflamatório

Espécies

Cães e Gatos

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Apresentações e concentrações

  • Algitan 0,5 mg, frasco ampola (50 mL)
  • Flucortan 0,5 mg, frasco ampola (10 mL)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A injeção de flumetasona está disponível comercialmente como uma solução de álcool esteróide livre. Como a flumetasona não funciona tão rápida quanto os fosfatos de corticosteróides e ésteres de succinato, ela pode ser administrada tanto IM quanto IV e é útil para reações agudas como hipersensibilidade à picadas de inseto ou à vacinas.  A flumetasona injetável (Flucort®) é recomendada pelo fabricante como indicada para: (1) condições músculo-esqueléticas provenientes de inflamação musculares ou articulares e de estruturas acessórias, onde não há mudanças estruturais permanentes, como artrites, osteoartrites, síndrome do disco intervertebral ou miosite; (2) certas dermatoses agudas e crônicas de etiologias variadas para ajudar a controlar o prurido, irritação e inflamação associadas a essas condições; (3) estado alérgico como urticária e picada de inseto. Em gatos, a flumetasona injetável (Flucort®) é recomendada para certas dermatoses agudas e crônicas de etiologias variadas para ajudar a controlar o prurido, irritação e inflamação associadas a essas condições.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

O uso sistêmico de glicocorticóides geralmente é considerado contraindicado em infecções fúngicas sistêmicas (a menos que seja usado para substituir a terapia em pacientes com hipoadrenocorticismo), quando administrado IM em pacientes com trombocitopenia idiopática, e àqueles hipersensíveis a um composto em particular. O uso de glicocorticóides injetáveis de liberação lenta é contraindicado na terapia crônica de corticosteróide de doenças sistêmicas. Animais que receberam glicocorticóides sistemicamente, além da dose de ataque, devem ser desmamados gradualmente. Pacientes que receberam a terapia crônica devem ser desmamados lentamente, pois o ACTH endógeno e a função corticosteróide podem retornar devagar. Se o animal sofrer estresse (cirurgia, trauma, doença) durante o processo de redução gradual ou até as funções normais da adrenal e pituitária restabelecerem, deve ser administrado glicocorticoide adicional.

EFEITOS ADVERSOS

Os efeitos adversos geralmente estão associados com a administração a longo prazo desses fármacos, especialmente se administrados em altas doses ou sem regime de dia alternativo. Os efeitos geralmente se manifestam como sinais clínicos de hipoadrenocorticismo. Quando administrado em animais jovens e em crescimento, o glicocorticoide retarda o crescimento.  Em cães, os efeitos gastrintestinais podem ocorrer com dosagem aguda. Na terapia de dose a curto prazo, pode ocorrer polidipsia, polifagia e poliúria. Os efeitos adversos em cães incluem pelo seco e sem brilho, ganho e peso, ânsia, vômito, diarréia, elevação das enzimas hepáticas, pancreatite, ulceração gastrointestinal, lipidemia, ativação ou piora da diabetes mellitus, perda muscular e mudança de comportamento. Pode ser necessária a descontinuação do medicamento, trocar para um esteroide de dia alternado também pode aliviar o problema. Com exceção da poliúria, polidipsia e polifagia, os efeitos adversos associados à terapia com anti-inflamatórios são relativamente incomuns. Os efeitos adversos associados com dosagens imunossupressoras são mais comuns e potencialmente mais graves. Gatos geralmente precisam de doses mais altas que os cães para o efeito terapêutico, mas tendem a desenvolver menos efeitos adversos. Ocasionalmente, polidipsia, poliúria, polifagia com ganho de peso, diarréia ou depressão podem ser observados. No entanto, tratamento de longo prazo com altas doses pode causar efeitos similares à síndrome de Cushing.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não utilizar em gestantes.

Interações medicamentosas

Anfotericina B

Administrar concomitantemente com glicocorticóide por causar hipocalemia.

Agentes anticolinesterásicos

Em pacientes com miastenia grave, a administração concomitante de glicocorticóide e agentes anticolinesterásicos pode causar fraqueza muscular profunda. Se possível, descontinue a medicação anticolinesterásica por pelo menos 24 horas antes da administração do corticosteróide.

Aspirina

Os glicocorticóides podem reduzir os níveis sanguíneos de salicilato.

Barbitúricos

Podem aumentar o metabolismo de glicocorticóides e diminuir os níveis de flumetasona no sangue.

Ciclofosfamida

Os glicocorticóides podem inibir o metabolismo hepático da ciclofosfamida; o ajuste da dose pode ser necessário.

Ciclosporina

A administração concomitante de glicocorticóides e ciclosporina pode aumentar os níveis sanguíneos de cada um por inibição mútua do metabolismo hepático do outro; a significância clínica desta interação não está clara.

Diazepam

A flumetasona pode diminuir os níveis do diazepam.

Diuréticos poupadores de potássio

Podem causar hipocalemia quando administrados concomitantemente com glicocorticóides.

Efedrina

Pode reduzir os níveis de flumetasona no sangue.

Insulina 

A exigência de insulina pode aumentar em pacientes recebendo glicocorticóides.

Cetoconazol e outros antifúngicos azóis

Pode diminuir o metabolismo dos glicocorticóides e aumentar os níveis de flumetasona no sangue; o cetoconazol pode causar insuficiência da adrenal quando os glicocorticóides são retirados por inibir a síntese de corticosteróides adrenais.

Antibióticos macrolídeos

Podem diminuir o metabolismo de glicocorticóides e aumentar os níveis de flumetasona no sangue.

Mitotano

Pode alterar o metabolismo de esteróides; doses de esteróides mais altas do que as usuais podem ser necessárias para tratar insuficiência adrenal induzida por mitotano.

AINE’s

A administração de medicamentos ulcerogênicos com glicocorticóides pode aumentar o risco de ulceração gastrointestinal.

Fenitoína

Pode aumentar o metabolismo de glicocorticóides e diminuir os níveis de flumetasona no sangue.

Rifampicina

Pode aumentar o metabolismo de glicocorticóides e diminuir os níveis de flumetasona no sangue.

Vacinas

Pacientes recebendo corticosteróides em dosagens imunossupressoras geralmente não devem receber vacinas vivas com vírus atenuado visto que a replicação viral pode estar aumentada; uma diminuição da resposta imune pode ocorrer após vacina, toxóide ou bacterina administrados em pacientes recebendo glicocorticóides.

Farmacologia

FARMACOLOGIA

A flumetasona é considerada um glicocorticóide de longa ação com duração de efeito entre 36-48 horas. A flumetasona é cerca de 15 vezes mais potente que a hidrocortisona. Ela não tem atividade mineralocorticóide significativa e não é adequada para a administração em dias alternados.

Referências Bibliográficas

VIANA, F. A. B. Guia Terapêutico Veterinário. 3 ed. Minas Gerais: Editora CEM, 2014. 560 p. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/IngpMi5iKQ/>. Acesso em 17 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd