Informações

Princípio Ativo: Dipiradamol.
Classe terapêutica: Vasodilatador, Antiplaquetário.

Dose

Cães: 4 - 10 mg / kg VO a cada 24 horas.
Gatos: 4 - 10 mg / kg VO a cada 24 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Dipiradamol

Classificaçāo

Vasodilatador, Antiplaquetário

Espécies

Cães e Gatos

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Persantin Drágeas 75 mg, drágea (40 un)
  • Persantin Drágeas 100 mg, drágea (40 un)
  • Persantin Injetável 10 mg, frasco ampola (10 mL)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Vasodilatador e inibidor da agregação plaquetária.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Não usar em pacientes pediátricos. Usar com cautela em portadores de hipotensão.

EFEITOS ADVERSOS

Cafaléia, náusea, diarreia, ataxia e hipotensão.

Interações medicamentosas

Derivados da xantina (por exemplo, cafeína e teofilina) são potenciais redutores do efeito vasodilatador de Dipiridamol e, portanto, devem ser evitados 24 horas antes da avaliação miocárdica com Dipiridamol. O Dipiridamol aumenta os níveis plasmáticos e efeitos cardiovasculares da adenosina. O Dipiridamol pode potencializar o efeito hipotensor de fármacos anti-hipertensivos (como atenolol, verapamil, anlodipino e outros) e pode atuar contra os efeitos anticolinesterásicos dos inibidores da colinesterase (como tacrina, rivastigmina); deste modo é potencialmente um agravante da miastenia gravis. No uso concomitante com qualquer substância que afete a coagulação, como anticoagulantes ou antiplaquetários (tais como o ácido acetilsalicílico),deve-se observar o perfil de segurança para estes medicamentos. A adição de Dipiridamol ao ácido acetilsalicílico não aumenta a incidência de hemorragias. Quando o Dipiridamol foi administrado concomitantemente com varfarina, a frequência ou severidade de hemorragia não foi maior do que a observada com a administração isolada de varfarina.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

O Dipiridamol inibe a captação de adenosina nos eritrócitos, nas plaquetas e nas células endoteliais in vitro e in vivo. A inibição atinge no máximo 80%, sendo dose-dependente em concentrações terapêuticas (0,5-2 mcg/ml). Consequentemente há um aumento local da concentração de adenosina que atua no receptor A2 das plaquetas, estimulando a adenilciclase plaquetária e aumentando assim os níveis de AMPc plaquetário. Desse modo, a agregação plaquetária é inibida em resposta aos vários estímulos, tais como PAF, colágeno e ADP. A diminuição da agregação plaquetária reduz o consumo de plaquetas aos níveis normais. Além disso, a adenosina tem um efeito vasodilatador e este é um dos mecanismos pelo qual o Dipiridamol produz a vasodilatação.

FARMACOCINÉTICA

Estudos não-clínicos indicam que o Dipiridamol distribui-se preferencialmente pelo fígado, depois pelos pulmões, rins, baço e coração, não atravessa significativamente a barreira hematoencefálica e demonstram uma transferência placentária muito baixa.

Referências Bibliográficas

VIANA, F. A. B. Guia Terapêutico Veterinário. 3 ed. Minas Gerais: Editora CEM, 2014. 560 p. <https://consultaremedios.com.br/dipiridamol/pa#bula>. Acesso em 12 de maio de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd