Informações

Princípio Ativo: Cimetidina.
Classe terapêutica: Antagonista H2.

Dose

Cães: 5 - 10 mg/kg VO a cada 6-8 horas.
Gatos: 5 - 10 mg/kg VO a cada 6-8 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Cimetidina

Classificaçāo

Antagonista H2

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

A alimentação do animal durante o tratamento pode interferir na eficácia do medicamento utilizado. Siga corretamente as instruções do médico veterinário em relação aos horários e tipo de alimentação.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Cimetidina, comprimido
  • Cimetidina, xarope
  • Cimetidina, solução injetável
  • Cinton 150 mg/mL, solução injetável
  • Gastrocine 200 mg, comprimido
  • Novacimet 200 mg, comprimido
  • Tagamet 200 mg, comprimido
  • Tagamet 400 mg, comprimido
  • Ulcinax 200 mg, comprimido

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Na medicina veterinária, a cimetidina tem sido usada no tratamento e/ou profilaxia de úlcera gástrica, abomasal e duodenal, gastrite urêmica, gastrite erosiva induzida por medicamento ou relacionada ao estresse, esofagite, refluxo gástrico duodenal e refluxo esofágico. Também tem sido empregada no tratamento de condições hipersecretoras associadas com gastrinomas e mastocitose sistêmica.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A cimetidina é contra-indicada em pacientes com hipersensibilidade conhecida ao medicamento. A cimetidina deve ser usada com cautela em pacientes geriátricos e pacientes com função hepática ou renal significativamente comprometida. Em humanos que atendem a esses critérios, pode ocorrer aumento do risco de efeitos do SNC; reduções de dose podem ser necessárias. A cimetidina foi usada no passado como tratamento para a toxicidade do acetaminofeno em gatos, mas como não parece ser eficaz e pode complicar a terapia, geralmente não é mais utilizada.

EFEITOS ADVERSOS

Os efeitos adversos parecem ser raros em animais nas doses geralmente usadas. Os efeitos adversos potenciais (documentados em humanos) que podem ser vistos incluem confusão mental, cefaleia (após a descontinuação do medicamento), ginecomastia e diminuição da libido. Raramente, pode ocorrer agranulocitose e, se administrada rapidamente por via intravenosa, podem ser observadas arritmias cardíacas transitórias. Dor no local da injeção pode ocorrer após a administração IM. A cimetidina inibe enzimas microssômicas no fígado e pode alterar as taxas metabólicas de outros medicamentos.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Estudos em animais ainda não demonstraram risco para o feto ou  demonstraram efeitos adversos. A cimetidina é distribuída no leite; Embora a segurança durante a amamentação não seja garantida, ela geralmente é considerada compatível em seres humanos.

SUPERDOSAGEM

A experiência clínica com superdosagem com cimetidina é limitada. Em animais de laboratório, doses muito altas foram associadas a taquicardia e insuficiência respiratória; suporte respiratório e bloqueadores beta-adrenérgicos foram sugeridos para uso caso esses sinais ocorram.

Interações medicamentosas

ANTÁCIDOS

Pode diminuir a absorção da cimetidina; doses escalonadas (separadas por 2 horas, se possível).

CEFPODOXIMA

O uso simultâneo pode diminuir a eficácia da cefpodoxima.

CLOPIDOGREL

O uso simultâneo pode resultar em menor eficácia do clopidogrel devido à falta de metabolismo em sua forma ativa. No entanto, os efeitos clínicos disso não são claros.

CETOCONAZOL, ITRACONAZOL

A cimetidina pode diminuir a absorção desses medicamentos; administre esses medicamentos pelo menos 2 horas antes da cimetidina.

FÁRMACOS MIELOSSUPRESSORES

A cimetidina pode exacerbar as leucopenias quando usada com agentes mielossupressores.

TOLAZOLINA

O uso simultâneo pode resultar em menor eficácia da tolazolina. A cimetidina pode inibir o sistema enzimático microssômico hepático e, assim, reduzir o metabolismo, prolongar a meia-vida sérica e aumentar os níveis séricos de vários medicamentos e / ou reduzir o fluxo sanguíneo hepático e reduzir a quantidade de extração hepática de medicamentos com alta efeito passe, resultando em maior risco de efeitos adversos e toxicidade. Os medicamentos afetados incluem:

BENZODIAZEPÍNICOS

BLOQUEADORES BETA-ADRENÉRGICOS

BLOQUEADORES DE CANAIS DE CÁLCIO

CARBAMAZEPINA

CLORANFENICOL

CISAPRIDA

CICLOSPORINA

DOMPERIDONA

DOXEPINA

FLUOROURACIL

GLIPIZIDA / GLIBURIDA

LIDOCAÍNA

LORATADINA

METRONIDAZOL

MIRTAZAPINA

OPIOIDES

PENTOXIFILINA

FENITOÍNA

PRAZIQUANTEL

PROCAINAMIDA

QUINIDINA

SILDENAFIL

INIBIDORES SELETIVOS DE RECAPTAÇÃO DE SEROTONINA

TANSULOSINA

TEOFILINA

TERBINAFINA

TRIANTERENO

ANTIDEPRESSIVOS TRICÍCLICOS

VARFARINA

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Nos receptores H2 das células parietais, a cimetidina inibe competitivamente a histamina, reduzindo assim a produção de ácido gástrico tanto nas condições basais quanto quando estimulada por alimentos, pentagastrina, histamina ou insulina. O tempo de esvaziamento gástrico, a secreção pancreática ou biliar e as pressões esofágicas mais baixas não são alteradas pela cimetidina. Ao diminuir a quantidade de secreções de ácido gástrico, a cimetidina também diminui a secreção de pepsina. A cimetidina tem um aparente efeito imunomodulador, como foi demonstrado para reverter a supressão imune mediada por células T supressoras. Também possui fraca atividade anti-androgênica.

FARMACOCINÉTICA

Em cães, a biodisponibilidade oral é relatada em aproximadamente 75% a 95%; os alimentos podem reduzir significativamente a biodisponibilidade oral. A meia-vida sérica é de 1,3 a 1,6 horas e o volume de distribuição é de 1,2 L / kg. A cimetidina está bem distribuída nos tecidos do corpo e apenas 15% a 20% está ligada às proteínas plasmáticas. O fármaco entra no leite e atravessa a placenta. A cimetidina é metabolizada no fígado e excretada inalterada pelos rins. Mais da substância é excretada pelos rins quando administrada por via parenteral (75%) do que quando administrada por via oral (48%). A meia-vida sérica média é de 2 horas em humanos, mas pode ser prolongada em pacientes idosos e com doença renal ou hepática. A diálise peritoneal não melhora sensivelmente a remoção da cimetidina do corpo.

MONITORAMENTO

Monitore a eficácia clínica pela diminuição dos sinais clínicos, exame endoscópico, sangue nas fezes. Monitore também os efeitos adversos.

Referências Bibliográficas

SANTOS, D. R. D. e SILVA, L. R. Farmacologia clínica das drogas antiulcerosas e antidispépticas. In: SILVA, P., 1921. Farmacologia/Penildon Silva – 8 ed. [Reimpr.]. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. SPINOSA, H. S. Medicamentos que Interferem nas Funções Gastrintestinais. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária 5. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2011. VIEIRA F. C e PINHEIRO V. A. Monografias Farmacêuticas. In: VIEIRA F. C e PINHEIRO V. A. Formulário Veterinário Farmacêutico. 1ª edição, São Paulo: Pharmabooks, 2004. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/LISn0Hr7Rr>. Acesso em 20 de abril de 2020. <https://consultaremedios.com.br/cimetidina/pa>. Acesso em 20 de abril de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd