Informações

Princípio Ativo: Cefovecina.
Classe terapêutica: Antibiótico (grupo Cefalosporinas).

Dose

Cães: 8 mg/kg SC aplicação única, podendo ser repetida após 14 dias.
Gatos: 8 mg/kg SC aplicação única, podendo ser repetida após 14 dias.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Cefovecina

Classificaçāo

Antibiótico (grupo Cefalosporinas)

Receita

Controle Especial - Humano

Espécies

Cães e Gatos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Informe ao Médico Veterinário a ocorrência de gestação ou lactação durante ou logo após o tratamento. A interrupção do tratamento e a modificação de dose não devem ser feitas sem a orientação do Médico Veterinário. Os microrganismos são capazes de desenvolver resistência nos casos de subdosagem. O medicamento só deve ser prescrito por um Médico Veterinário. O uso indiscriminado de antimicrobianos pode ser perigoso para a saúde dos animais. As embalagens vazias podem ser recicladas ou descartadas no lixo comum após serem inutilizadas. Continue o tratamento pelo tempo determinado pelo médico veterinário, mesmo se o animal apresentar melhora.

ARMAZENAMENTO

Deve ser armazenado em sua embalagem original, em temperatura ambiente (15°C a 30°C), protegido da luz e umidade e fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Opções veterinárias

Apresentações e concentrações

  • Cefovecina, solução injetável (10 mL)
  • Convenia 8%, solução (4 mL)
  • Convenia 8%, solução (10 mL)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

É aprovada pela FDA para tratar infecções de pele de cães causadas por cepas suscetíveis de Staphylococcus pseudintermedius e Streptococcus canise infecções de pele felina causada por cepas suscetíveis de Pasteurella multocida. A cefovecina pode ser viável como parte de um protocolo de tratamento ambulatorial para tratamento de enterite parvoviral canina quando combinada com terapias de suporte.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A cefovecina é contraindicada em animais com alergia conhecida à cefovecina ou a outros antibióticos β-lactâmicos. Foi relatada anafilaxia com o uso deste produto. Deve-se ter cautela em animais com disfunção renal grave. O uso seguro em cães ou gatos com menos de 4 meses não foi estabelecido. O uso seguro não foi estabelecido com o uso a longo prazo ou com administração IV ou IM.

EFEITOS ADVERSOS

A cefovecina parece ser bem tolerada em cães e gatos. Êmese, diarreia e reações no local da injeção são possíveis. Os efeitos adversos mais comuns listados (em ordem decrescente de frequência) são: em cães, depressão / letargia, anorexia, vômito; em gatos, anorexia, depressão / letargia, vômito. Reações de hipersensibilidade, anafilaxia e morte associadas à cefovecina são possíveis e foram relatadas. O fabricante também declara que, ocasionalmente, cefalosporinas e AINEs foram associados à mielotoxicidade, criando assim uma neutropenia tóxica. Outras reações hematológicas observadas com as cefalosporinas incluem neutropenia, anemia, hipoprotrombinemia, trombocitopenia, tempo de protrombina e tempo parcial de tromboplastina prolongados, disfunção plaquetária e aumento transitório das aminotransferases séricas. Como a cefovecina pode persistir no corpo por até 65 dias, podem ocorrer reações adversas que requerem tratamento prolongado.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O fabricante afirma que o uso seguro em animais reprodutores ou lactantes não foi determinado. Os animais tratados não devem ser utilizados para reprodução durante 12 semanas após a última administração. No entanto, as cefalosporinas são geralmente consideradas seguras para uso durante a prenhez e a lactação e os veterinários e os proprietários podem avaliar os riscos do uso da droga versus os possíveis benefícios para a lactante e a prole.

SUPERDOSAGEM

As sobredosagens agudas devem ser relativamente seguras. Os cães que receberam cefovecina SC até 180 mg / kg mostraram apenas irritação no local, vocalização e edema. O edema foi resolvido em 8 a 24 horas. Gatos que receberam a mesma dose apresentaram os mesmos sinais, mas apresentaram leucócitos médios mais baixos 10 dias após o tratamento em comparação com os controles, e um gato apresentou uma pequena quantidade de bilirrubinúria no dia 10.

Interações medicamentosas

Como a cefovecina está altamente ligada às proteínas plasmáticas, ela pode se deslocar (ou ser deslocada) dos locais de ligação às proteínas plasmáticas por outros agentes altamente ligados. O fabricante relata que em um sistema experimental in vitro, a cefovecina demonstrou que poderia aumentar as concentrações livres (ativas) de outros medicamentos altamente ligados a proteínas (por exemplo, carprofeno, furosemida, doxiciclina, cetoconazol) e alerta que o uso simultâneo desses ou outros medicamentos com um alto grau de ligação às proteínas (por exemplo, maropitant, AINEs; propofol; medicamentos cardíacos, anticonvulsivantes e comportamentais) podem competir com a ligação à cefovecina e causar reações adversas. No entanto, a importância clínica real não foi estabelecida e um relatório recente concluiu que é improvável uma interação clinicamente significativa com a administração concomitante de carprofeno e cefovecina em cães.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

À semelhança das penicilinas, as cefalosporinas inibem enzimas transpeptidases de membrana que sintetizam os peptideoglicanos da parede celular bacteriana, levando-as a lise osmótica. A parede celular é responsável pela proteção, sustentação e manutenção da forma da bactéria, logo a supressão da sua síntese conduz à morte da célula.

FARMACOCINÉTICA

A cefovecina é completamente absorvida após a injeção SC em cães e gatos. Os níveis de pico ocorrem em cães ± 6 horas após a administração e em gatos ± 2 horas após a administração. A cefovecina está altamente ligada às proteínas plasmáticas (cães, 98,5%; gatos, 99,8%) que se dissociam lentamente e dão à cefovecina uma meia-vida de eliminação prolongada. Como a cefovecina exibe cinética não linear, um aumento da dose não aumenta proporcionalmente a concentração plasmática.

MONITORAMENTO

Deve ser monitorada a eficácia do tratamento e efeitos adversos.

Referências Bibliográficas

ANDRADE, S. F. et al. Quimioterápicos, antimicrobianos e quimioterápicos. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica Veterinária, 3 ed. São Paulo: Editora Roca, 2008, 912 p. . CALVERT, C. A. Valvular bacterial endocarditis in the dog. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 180, n. 9, p. 1080-1084, 1982. GOSSETT, K. A. Anemias associated with drugs and chemicals. In.: FELDMAN, B. F.; ZINKL, J. G.; JAIN, N. (Ed.). Schalm’s veterinary hematology. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2000. p. 185-189. LAPOSY, C. B. et al. Estudo laboratorial do uso de cefovecina em cães sadios. Semina: Ciências Agrárias, Londrina, v. 35, n. 1, p. 365-370, jan./fev. 2014 LAPPIN, M. R. Quimioterapia antimicrobiana prática. In: NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. Tradução: Aline Santana da Hora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010 SPINOSA, H. S. Antibióticos beta-lactâmicos: penicilinas e cefalosporinas. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Monografias farmacêuticas. In: VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Formulário veterinário farmacêutico. 1. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2004
<https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/B97y0UeIRi/>. Acesso em 15 de abril de 2020.  
Desenvolvido por logo-crowd