Informações

Princípio Ativo: Cefixima.
Classe terapêutica: Antibiótico (grupo Cefalosporinas).

Dose

Cães: Informação indisponível
Gatos: Informação indisponível
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Cefixima

Classificaçāo

Antibiótico (grupo Cefalosporinas)

Receita

Controle Especial - Humano

Espécies

Cães e Gatos

ARMAZENAMENTO

Deve ser armazenado em sua embalagem original, em temperatura ambiente (15°C a 30°C), protegido da luz e umidade e fora do alcance de crianças e animais domésticos.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Cefixima 200 mg/5mL, suspensão oral
  • Cefixima 100 mg/5mL, suspensão oral

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A cefixima é uma cefalosporina de terceira geração e, portanto, possui propriedades antibacterianas de amplo espectro. Os usos da cefixima são limitados na medicina veterinária, em grande parte devido à disponibilidade de outras cefalosporinas de terceira geração licenciadas. Seu uso deve ser reservado para infecções (trato sistêmico ou urinário) causadas por organismos gram-negativos suscetíveis nos quais o tratamento oral é indicado ou quando fluoroquinolonas aprovadas pela FDA ou outras cefalosporinas de terceira geração são contraindicadas ou ineficazes. Dada a similaridade no espectro e os efeitos adversos de outras cefalosporinas de terceira geração, raramente há uma indicação para o uso desse medicamento em pacientes veterinários.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A cefixima é contraindicada em pacientes hipersensíveis a ela ou a outras cefalosporinas. Como a cefixima é excretada pelos rins, as doses e / ou a frequência da dose podem precisar ser ajustadas em pacientes com função renal significativamente reduzida. Use com cautela em pacientes com distúrbios convulsivos e pacientes alérgicos às penicilinas.

EFEITOS ADVERSOS

Os efeitos adversos em cães podem incluir angústia gastrointestinal (por exemplo, vômitos) e reações de hipersensibilidade (por exemplo, urticária e prurido, possivelmente febre).

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

A cefixima não demonstrou ser teratogênica, mas deve ser usada apenas durante a prenhez quando for claramente indicada. Não foram realizados estudos sobre amamentação com cefixima; no entanto, outras cefalosporinas são excretadas em baixas concentrações no leite materno. Isso pode causar alterações na flora intestinal do filhote. Tenha cuidado com lactantes.

SUPERDOSAGEM

As sobredosagens com cefalosporina dificilmente causam problemas significativos, mas outros efeitos são possíveis (consulte a seção efeitos adversos).

Interações medicamentosas

PROBENECIDA

Bloqueia competitivamente a secreção tubular da maioria das cefalosporinas, aumentando os níveis séricos e a meia-vida sérica.

SALICILATOS

Pode deslocar a cefixima dos locais de ligação às proteínas plasmáticas; a importância clínica não é clara.

ANTAGONISTAS DE VITAMINA K

As cefalosporinas podem aumentar os efeitos anticoagulantes dos antagonistas da vitamina K (por exemplo, varfarina).

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

À semelhança das penicilinas, as cefalosporinas inibem enzimas transpeptidases de membrana que sintetizam os peptideoglicanos da parede celular bacteriana, levando-as a lise osmótica. A parede celular é responsável pela proteção, sustenção e manutenção da forma da bactéria, logo a supressão da sua síntese conduz à morte da célula.

FARMACOCINÉTICA

A cefixima é absorvida rapidamente após administração oral. A biodisponibilidade no cão é de cerca de 50%. Os alimentos podem impedir a taxa, mas não a extensão, da absorção. A suspensão pode ter uma biodisponibilidade mais alta que os comprimidos. O fármaco é bastante ligado às proteínas plasmáticas do cão (cerca de 90%). Não se sabe se o fármaco penetra no líquido cefalorraquidiano. A eliminação da cefixima é por meios renais e não-renais, mas as meias-vidas séricas são prolongadas em pacientes com função renal diminuída. Em cães, a meia-vida de eliminação é de cerca de 7 horas.

MONITORAMENTO

Deve ser monitorada a eficácia e efeitos adversos.

Referências Bibliográficas

ANDRADE, S. F. et al. Quimioterápicos, antimicrobianos e quimioterápicos. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica Veterinária, 3 ed. São Paulo: Editora Roca, 2008, 912 p. . CALVERT, C. A. Valvular bacterial endocarditis in the dog. Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 180, n. 9, p. 1080-1084, 1982. GOSSETT, K. A. Anemias associated with drugs and chemicals. In.: FELDMAN, B. F.; ZINKL, J. G.; JAIN, N. (Ed.). Schalm’s veterinary hematology. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2000. p. 185-189. LAPPIN, M. R. Quimioterapia antimicrobiana prática. In: NELSON, R. W.; COUTO, C. G. Medicina interna de pequenos animais. Tradução: Aline Santana da Hora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2010 SPINOSA, H. S. Antibióticos beta-lactâmicos: penicilinas e cefalosporinas. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006. VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Monografias farmacêuticas. In: VIEIRA, F. C.; PINHEIRO, V. A. Formulário veterinário farmacêutico. 1. ed. São Paulo: Pharmabooks, 2004 <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/WsVKoYIYkg/>. Acesso em 15 de abril de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd