Informações

Princípio Ativo: Brometo de Rocurônio.
Classe terapêutica: Relaxante Muscular.

Dose

Cães: Bolus de 0,5 mg/kg IV, seguido por infusão contínua de 0,2 mg/kg/hora.
Gatos: 0,3 - 0,6 mg/kg IV.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Brometo de Rocurônio

Classificaçāo

Relaxante Muscular

Receita

Restrito a Hospitais

Espécies

Cães e Gatos

ARMAZENAMENTO

Deve ser armazenado na sua embalagem original, protegido da luz e umidade, devendo ser conservado sob refrigeração (entre 2°C e 8°C).

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Brometo de Rocurônio, solução injetável
  • Esmeron 10mg/mL, solução injetável
  • Rocuron 50mg, solução injetável
  • Romeran 10mg/mL, solução injetável

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

O brometo de rocurônio é um agente bloqueador neuromuscular não-despolarizante, competitivo e aminoterápico, com início rápido a intermediário, dependendo da dose e duração intermediária da ação. O rocurônio tem efeitos cardiovasculares e de liberação de histamina mínimos. Tem uma duração de ação semelhante ao vecurônio e atracúrio, mas um início de ação mais rápido (2-3 vezes mais rápido que o vecurônio). Ao contrário do vecurônio e do atracúrio, é estável em soluções aquosas. O início da ação é quase tão rápido quanto a succinilcolina, mas tem menos efeitos adversos. A experiência clínica com rocurônio em pacientes veterinários é limitada, mas pode ser usada para intubação endotraqueal rápida e relaxamento muscular durante a cirurgia. O rocurônio pode ser usado sob anestesia geral para alcançar a posição central do olho necessária em alguns procedimentos oftalmológicos. Quando agentes bloqueadores neuromusculares não despolarizantes são administrados, a paralisia deve ser monitorada por estimulação do nervo periférico e eletromiografia.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

O rocurônio é contraindicado em pacientes hipersensíveis a ele ou a outros agentes bloqueadores neuromusculares. Só deve ser usado em locais onde os pacientes possam ser totalmente monitorados e a intubação, ventilação mecânica, oxigenoterapia e medicamentos antagonistas estejam prontamente disponíveis. O rocurônio só deve ser usado em pacientes anestesiados ou sedados adequadamente, pois possui ações analgésicas ou sedativas / anestésicas limitadas. Há relatos conflitantes sobre se o rocurônio deve ser usado em pacientes com insuficiência hepática ou renal e alguns afirmaram que o atracúrio é preferido nesses pacientes. O rocurônio é considerado um medicamento de alto cautela (medicamentos que requerem atenção especial para reduzir o risco de erros). Considere instituir práticas como dosagem redundante de dosagem / verificação do volume de medicamentos, etiquetas de alerta especiais, etc. Não são necessárias precauções específicas para o manuseio do besilato de atracúrio; siga suas diretrizes institucionais.

EFEITOS ADVERSOS

Além dos efeitos associados ao bloqueio neuromuscular farmacológico, o rocurônio parece ser bem tolerado no número limitado de animais estudados. Alterações na frequência cardíaca e pressão arterial podem ser observadas.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Quando administrado a animais de laboratório gestantes, o rocurônio não demonstrou efeitos teratogênicos e é provável que seja seguro, desde que a paciente não se torne hipóxica durante o uso. O peso molecular do rocurônio é baixo o suficiente para excreção no leite, mas, como o fármaco é ionizado em pH fisiológico, qualquer efeito clínico na prole parece improvável. No entanto, avalie os riscos potenciais do uso deste medicamento versus os benefícios em animais prenhes ou lactantes.

SUPERDOSAGEM

Sobredosagens com agentes bloqueadores neuromusculares podem resultar em bloqueio neuromuscular prolongado. O tratamento primário é a manutenção das vias aéreas do paciente, ventilação mecânica e oxigenação e sedação adequada até a função de recuperação ser assegurada. Somente após a evidência de recuperação é observada a administração de um medicamento anticolinesterásico com um agente anticolinérgico. A pressão arterial e a frequência cardíaca devem ser monitoradas durante uma overdose com qualquer tratamento de suporte necessário realizado. O rocurônio pode ser revertido pelo medicamento sugammadex, um agente ligante específico para o rocurônio (e em menor grau vecurônio e pancurônio).

Interações medicamentosas

OUTROS RELAXANTES MUSCULARES NÃO DEPOLARIZANTES

Pode ter um efeito sinérgico se usado com rocurônio.

SUCCINILCOLINA

Pode acelerar o início da ação e aumentar as ações de bloqueio neuromuscular do rocurônio; não administre rocurônio até que os efeitos da succinilcolina diminuam Os seguintes agentes podem aumentar ou prolongar a atividade de bloqueio neuromuscular do rocurônio: ANTIBIÓTICOS AMINOGLICOSÍDEOS, ANESTÉSICOS GERAIS, BACITRACINA E POLIMIXINA B sistêmica (considere a modificação da terapia), BLOQUEADORES DE CANAIS DE CÁLCIO, CICLOSPORINA sistêmica, ANTIBIÓTICOS DE LINCOSAMIDA, DERIVADOS DE TETRACICLINA, VANCOMICINA, AGENTES ANTI-ARRITÍMICOS, QUININA (evite a combinação), LÍTIO e SAL DE MAGNÉSIO.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

O rocurônio é um bloqueador neuromuscular não despolarizante estruturalmente semelhante ao vecurônio, com início de ação rápido a intermediário dependente da dose e duração intermediária. Antagoniza a acetilcolina pela ligação competitiva dos locais receptores colinérgicos na placa motora, resultando em paralisia dos músculos estriados. Os efeitos são antagonizados por inibidores da acetilcolinesterase (edrofônio ou neostigmina). O rocurônio parece não induzir hipertermia maligna, pois não causou hipertermia em suínos suscetíveis a ela. O rocurônio é levemente vagolítico e ocasionalmente ocorre uma leve taquicardia transitória em pacientes humanos.

FARMACOCINÉTICA

Nos cães, o rocurônio 0,4 mg / kg IV produz bloqueio neuromuscular completo em ≈2-3 minutos. Uma dose de 0,6 mg / kg IV causarou bloqueio neuromuscular completo em 90% dos gatos num estudo em 30 a 60 segundos. Em doses de 0,6 mg / kg, o rocurônio parece ter uma ação mais prolongada em cães do que em gatos (13 minutos). Foi relatado que o rocurônio é eliminado principalmente pelo fígado em cães e gatos. O metabolito principal, 17-desacetil-rocurônio, possui aproximadamente 1/20 da potência bloqueadora neuromuscular do rocurônio em gatos.

MONITORAMENTO

Monitore o grau de bloqueio neuromuscular, frequência cardíaca e pressão arterial.

Referências Bibliográficas

GÓRNIAK, S. L. Transmissão neuromuscular e relaxantes musculares de ação periférica. In: SPINOSA, H. S.; GÓRNIAK, S. L.; BERNARDI, M. M. Farmacologia aplicada à medicina veterinária. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 4ª edição, 2006 KANASHIRO, G. P. Miorrelaxantes de ação central e periférica. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica Veterinária, 3 ed. São Paulo: Editora Roca, 2008 PAPICH, M. G. Manual Saunders de terapia veterinária. 3ª ed. Elsevier, Rio de Janeiro, 2012 VIANNA, P. T. G.; GANEM, E. M. Agentes Bloqueadores Neuromusculares. In: SILVA, P., 1921. Farmacologia/Penildon Silva – 8 ed. [Reimpr.]. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2010. <https://consultaremedios.com.br/b/brometo-de-rocuronio>. Acesso em 11 de abril de 2020. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/iG7yqhN3yj/>. Acesso em 11 de abril de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd