Informações

Princípio Ativo: Bleomicina.
Classe terapêutica: Antibiótico, Antineoplásico.

Dose

Cães: 10 UI/m2 ou 0,3 – 0,5 mg/kg (Nota: 1 UI = 1 mg), IV, SC, ou intralesional. Alguns protocolos usam o fármaco a cada 24 horas por alguns dias e depois reduzem para uma vez por semana. Alguns administram a droga semanal desde o início. Para reduzir a chance de toxicidade pulmonar a dose total cumulativa de 125 – 200 mg/m2 não deve ser ultrapassada.
Gatos: 10 UI/m2 ou 0,3 – 0,5 mg/kg (Nota: 1 UI = 1 mg), IV, SC, ou intralesional. Alguns protocolos usam o fármaco a cada 24 horas por alguns dias e depois reduzem para uma vez por semana. Alguns administram a droga semanal desde o início. Para reduzir a chance de toxicidade pulmonar a dose total cumulativa de 125 – 200 mg/m2 não deve ser ultrapassada.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Bleomicina

Classificaçāo

Antibiótico, Antineoplásico

Espécies

Cães e Gatos

ARMAZENAMENTO

Estabilidade após reconstituição: 24 horas em temperatura ambiente ou 30 dias sob refrigeração.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Blenoxane, frasco ampola (15 UI)
  • Bonar, frasco ampola (15 UI)
  • Cinaleo, frasco ampola (15UI)
  • Tecnomicina, frasco ampola (15UI)
  • Tevableo, frasco ampola (15UI)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A bleomicina tem sido usada no tratamento de linfomas, carcinomas epidermoides orais, teratomas e tumores tireoidianos não funcionais em cães e gatos, embora evidências recentes sugiram ação de agente único extremamente limitada no linfoma canino. Pesquisas recentes demonstraram que a bleomicina pode ser promissora para tratamento intralesional para alguns tumores localizados, com ou sem eletropermeabilização concomitante. A bleomicina intralesional tem sido utilizada com sucesso no tratamento de cães com ameloblastoma acantomatoso.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Como a bleomicina é um fármaco citotóxico com baixo índice terapêutico, deve ser usado apenas em instalações capazes de monitorar ativamente e lidar com possíveis complicações. A bleomicina é contraindicada em pacientes com reações de hipersensibilidade anteriores e deve ser usada com cautela em pacientes com doença pulmonar pre-existente ou efeitos pulmonares adversos de terapia anterior. A redução da dose pode ser necessária para pacientes com insuficiência renal significativa. A bleomicina pode ser teratogênica; só deve ser utilizado em animais prenhes quando os proprietários aceitarem os riscos associados.

EFEITOS ADVERSOS

A toxicidade se divide em duas grandes categorias: aguda e retardada. As toxicidades agudas incluem febre, anorexia, vômitos leves e reações alérgicas, incluindo anafilaxia. Os efeitos tóxicos tardios incluem efeitos dermatológicos, estomatite, pneumonite e fibrose pulmonar. Os dois últimos foram associados a fatalidades induzidas por fármacos. Os sinais iniciais associados à toxicidade pulmonar incluem edema intersticial pulmonar com formação de membrana hialina alveolar e hiperplasia dos macrófagos alveolares do tipo II. A toxicidade pulmonar é potencialmente reversível se o tratamento for interrompido brevemente. Ao contrário de muitos outros antineoplásicos, a bleomicina geralmente não causa toxicidade na medula óssea, mas é possível trombocitopenia, leucopenia e pequenas diminuições nos níveis de hemoglobina. Toxicidade renal e hepatotoxicidade também são potencialmente possíveis.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

Não usar em gestantes. Não se sabe se a bleomicina infiltra no leite; não é recomendável amamentar enquanto estiver recebendo o medicamento.

SUPERDOSAGEM

Devido ao potencial de toxicidade grave associada a esse agente, os cálculos de dosagem devem ser cuidadosamente verificados para evitar sobredosagem. Não há antídoto conhecido.

Interações medicamentosas

Anestésicos gerais

O uso de anestésicos gerais em pacientes tratados anteriormente com bleomicina deve ser feito com cautela. A bleomicina sensibiliza o tecido pulmonar ao oxigênio (até as concentrações de oxigênio inspirado considerado seguro) e pode ocorrer rápida deterioração da função pulmonar e fibrose pulmonar pós-operatória.

Quimioterapia, radioterapia ou uso de imunossupressores concomitantemente ou previamente

Pode levar ao aumento da toxicidade hematológica, pulmonar ou de mucosas.

Fatores estimulantes de colônias granulocíticas (eg, filgrastim)

Pode aumentar o risco de toxicidade pulmonar.

Vacinas (vivas e inativadas)

Bleomicina pode diminuir a eficácia e aumentar os efeitos adversos de vacinas.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

Bleomicina é um antibiótico com ação contra uma variedade de bactérias gram-negativas e gram-positivas e alguns fungos, mas sua citotoxicidade impede que seja clinicamente usado como antibiótico. Ela apresenta um sítio de ligação de DNA e um da forma ferrosa do ferro. Ao aceitar um elétron do íon ferroso para um átomo de oxigênio na fita de DNA o DNA é clivado.

FARMACOCINÉTICA

Bleomicina não é bem absorvida pelo trato digestivo e deve ser administrada de forma parenteral. É majoritariamente distribuída para pulmões, rins pele, sistema linfático e peritônio.Em humanos, após administração, a bleomicina atinge seu pico de concentração após 30 – 60 minutos. Em pacientes com função renal normal a meia-vida é de 2 – 4 horas. Em humanos, 60% a 70% da dose é excretada como fármaco ativo na urina.
 

Referências Bibliográficas

VIANA, F. A. B. Guia Terapêutico Veterinário. 3 ed. Minas Gerais: Editora CEM, 2014. 560 p. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/JZXzJcxRjM/>. Acesso em 6 de abril de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd