Informações

Princípio Ativo: Axetil Cefuroxima.
Classe terapêutica: Antibiótico.

Dose

Cães: Infecções susceptíveis: 10 – 15 mg/kg IV a cada 8 - 12 horas. Profilaxia cirúrgica: 20 – 50 mg/kg IV lentamente (durante pelo menos 3 – 5 minutos) aproximadamente 30 antes da cirurgia e a cada 1,5 – 3 horas durante a cirurgia.
Gatos: Infecções susceptíveis: 10 – 15 mg/kg IV a cada 8 - 12 horas. Profilaxia cirúrgica: 20 – 50 mg/kg IV lentamente (durante pelo menos 3 – 5 minutos) aproximadamente 30 antes da cirurgia e a cada 1,5 – 3 horas durante a cirurgia.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Axetil Cefuroxima

Classificaçāo

Antibiótico

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

INFORMAÇÕES AO CLIENTE

Informe ao Médico Veterinário a ocorrência de gestação ou lactação durante ou logo após o tratamento. A interrupção do tratamento e a modificação de dose não devem ser feitas sem a orientação do Médico Veterinário. Os microrganismos são capazes de desenvolver resistência nos casos de subdosagem. O medicamento só deve ser prescrito por um Médico Veterinário. O uso indiscriminado de antimicrobianos pode ser perigoso para a saúde dos animais. Continue o tratamento pelo tempo determinado pelo médico veterinário, mesmo se o animal apresentar melhora.

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Axetil Cefuroxima, (este princípio ativo não tem apresentação, pois usualmente é encontrado em compostos, manipulações farmacológicas ou não existe comercialização industrial no Brasil)

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

A cefuroxima é uma cefalosporina de segunda geração semissintética com atividade aprimorada contra alguns patógenos gram-negativos em comparação com agentes de primeira geração. A cefuroxima está disponível em formas de dosagem orais e parentéricas. Pode ser útil em pequenos animais quando se deseja uma cefalosporina no tratamento de infecções bacterianas resistentes às cefalosporinas de primeira geração, quando se deseja uma cobertura gram-negativa ligeiramente aprimorada para a profilaxia da cirurgia ou quando são necessários altos níveis de SNC. Pouca informação está disponível em relação ao seu uso clínico em pequenos animais.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

Nenhuma informação específica está disponível para pacientes veterinários. Em humanos, a cefuroxima é contraindicada em pacientes hipersensíveis a ela ou a outras cefalosporinas. O ajuste da dose é recomendado em humanos com insuficiência renal grave.

EFEITOS ADVERSOS

Quando usado clinicamente em cães, os efeitos gastrointestinais são os efeitos adversos mais prováveis, mas as taxas de incidência não são conhecidas.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

A cefuroxima infiltra no leite materno em baixas concentrações. Embora provavelmente seja seguro para os filhotes lactentes, o potencial de efeitos adversos não pode ser descartado, principalmente alterações na flora intestinal resultando em diarreia.

SUPERDOSAGEM

Foi relatada irritação cerebral com convulsões com grandes sobredosagens em humanos. Os níveis plasmáticos de cefuroxima podem ser reduzidos com hemodiálise ou diálise peritoneal.

Interações medicamentosas

Aminoglicosídeos

Possível aumento do risco de nefrotoxidade – monitorar função renal; entretanto aminoglicosídeos e cefalosporinas podem ter efeito sinérgico ou aditivo contra bactérias gram-negativas (Enterobacteriaceae).

Antiácidos

Antiácidos podem diminuir os níveis séricos de cefuroxima oral. Separe as doses pelo intervalo de tempo de 2 horas.

Antagonistas - H2

Antagonistas - H2 podem diminuir a absorção de cefuroxima. Separe as doses pelo intervalo de tempo de 2 horas.

Probenecida

Reduz a excreção renal de cefuroxima.

Antagonistas de vitamina K

Cefalosporinas podem aumentar os efeitos anticoagulantes dos antagonistas de vitamina K.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

A cefuroxima, como outras cefalosporinas, é um antibiótico bactericida tempo-dependente e atua inibindo a síntese da parede celular. Seu espectro de ação é semelhante ao da cefalexina, mas é mais ativo contra bactérias gram-negativas, incluindo cepas de E. coli, Klebsiella pneumoniae, Salmonella spp e Enterobacter spp. Não é eficaz contra Staphylococcus spp, Pseudomonas spp, Serratia spp ou Enterococcus spp, resistente à meticilina, e tem pouca ação contra Bacteroides fragilis.

FARMACOCINÉTICA

Em cães, a cefuroxima é rapidamente distribuída após injeção intravenosa. O volume de distribuição é de cerca de 0,49 L / kg. A meia-vida de eliminação é de aproximadamente 1,12 hora e a depuração é de cerca de 0,34 L / kg / h. Quando administrada a 20 mg / kg IM, a meia-vida de eliminação é de aproximadamente 1,13 horas, a biodisponibilidade é de cerca de 80% e a concentração plasmática máxima é de 23 mcg / mL. Quando administrada na mesma dose SC, a meia-vida de eliminação é de aproximadamente 1,04 horas, a biodisponibilidade é de cerca de 77% e a concentração plasmática máxima é de cerca de 15,4 mcg / mL. O clearance é de 0,34 L / kg / h para as duas vias. Os autores concluíram que a cefuroxima dada a 20 mg / kg IM ou IV a cada 11 horas ou SC a cada 12 horas seria eficaz para bactérias com CIM ≤1 micrograma / mL, mas o intervalo precisaria ser reduzido para cada 8 horas (IM ou SC) para bactérias com CIM ≤4 microgramas / mL; no entanto, são necessários estudos farmacocinéticos e farmacodinâmicos adicionais, bem como ensaios clínicos.

MONITORAMENTO

Deve ser monitorada a eficácia do tratamento. Monitore a função renal em pacientes com insuficiência renal.

Referências Bibliográficas

ANDRADE, S. F. et al. Quimioterápicos, antimicrobianos e quimioterápicos. In: ANDRADE, S. F. Manual de terapêutica Veterinária, 3 ed. São Paulo: Editora Roca, 2008, 912 p. . GOSSETT, K. A. Anemias associated with drugs and chemicals. In.: FELDMAN, B. F.; ZINKL, J. G.; JAIN, N. (Ed.). Schalm’s veterinary hematology. Baltimore: Lippincott Williams & Wilkins, 2000. p. 185-189. RODRIGUES, Paulo Ricardo Centeno et al. O uso das cefalosporinas na clínica de pequenos animais: breve revisão. Veterinária em Foco, v. 4, n. 2, p. 143-158, 2007. SPINOSA, H. S. Antibióticos beta-lactâmicos: penicilinas e cefalosporinas. In: SPINOSA H. S. et al. Farmacologia Aplicada à Medicina Veterinária. 4. ed. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2006.
<https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/CI1qq4gdUU/>. Acesso em 3 de abril de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd