Informações

Princípio Ativo: Alopurinol.
Classe terapêutica: Inibidor Enzimático.

Dose

Cães: Dissolução de urólitos: 10 mg/kg VO a cada 8 horas ou 15 mg/kg VO a cada 12 horas por até 4 semanas.
Gatos: Leishmaniose: 10 – 20 mg/kg VO a cada12 ou 24 horas.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Alopurinol

Classificaçāo

Inibidor Enzimático

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães e Gatos

ARMAZENAMENTO

Deve ser armazenado em temperatura ambiente (15°C a 30°C).

Apresentações e concentrações

Apresentações e concentrações

  • Alopurinol 300 mg, comprimido
  • Alopurinol 100 mg, comprimido
  • Zyloric 100 mg, comprimido
  • Zyloric 300 mg, comprimido
  • Lopurax 100 mg, comprimido

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Os principais usos veterinários do alopurinol são para o tratamento e prevenção de urólitos recorrentes de ácido úrico e oxalato de cálcio hiperuricosúrico em cães, principalmente os dálmatas. O alopurinol tem sido utilizado como tratamento alternativo para a leishmaniose canina e felina. Embora pareça ter eficácia clínica moderada, a duração do tratamento é de vários meses e não resulta em cura completa. Também existem dados mínimos para apoiar seu uso no tratamento de infecções por tripanossomíase.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

O alopurinol é contraindicado em pacientes com reações de hipersensibilidade anteriores e deve ser usado com cautela em pacientes com disfunção hepática ou renal. São necessárias reduções de dose e aumento do monitoramento. O alopurinol não parece ser eficaz na dissolução de urólitos de urato em cães com anomalias portovasculares.

EFEITOS ADVERSOS

Efeitos adversos em cães são incomuns com alopurinol quando alimentados com dietas com pouca purina. Considere uma dieta pobre em purinas se o medicamento for necessário para terapia crônica.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

A segurança do uso do alopurinol durante a gestação não está bem estabelecida. E estudos indicam que a substância é eliminada no leite.

SUPERDOSAGEM

Os achados comuns incluem vômitos (observados em cães com doses> 44 mg / kg) e tremores. Não há antídoto conhecido, mas o medicamento é dialisável.

Interações medicamentosas

INIBIDORES DA ECA, AMOXICILINA ou AMPICILINA

Podem aumentar o risco de reações de hipersensibilidade ao alopurinol. A importância veterinária dessa interação é desconhecida.

AMINOFILINA ou TEOFILINA

O alopurinol pode diminuir o metabolismo, aumentando assim os níveis séricos.

ANTIÁCIDOS

Pode diminuir a absorção do alopurinol.

AZATIOPRINA ou MERCAPTOPURINA

O alopurinol pode aumentar a concentração sérica de mercaptopurina (metabólito ativo da azatioprina) e promover a formação de nucleotídeos de tioguanina ativos. Considere a modificação da terapia ou reduza a dose do agente imunossupressor em 25% a 33% inicialmente.

CICLOFOSFAMIDA

Aumento do risco de supressão da medula óssea.

DIURÉTICOS

Podem aumentar a concentração sérica de alopurinol.

ANTICOAGULANTES ORAIS

Pode reduzir o metabolismo da varfarina e aumentar o efeito anticoagulante.

AGENTES URICOSÚRICOS

Podem aumentar a excreção renal de oxipurinol e, assim, reduzir a inibição da xantina oxidase; no tratamento da hiperuricemia, os efeitos aditivos no ácido úrico no sangue podem ser benéficos.

ACIDIFICADORES URINÁRIOS

Podem reduzir a solubilidade do ácido úrico na urina e induzir urolitíase.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

O alopurinol e seu metabólito, oxipurinol, inibem a enzima xantina oxidase, responsável pela conversão de oxipurinas em ácido úrico. Não aumenta a excreção renal de ácido úrico, nem possui ação anti-inflamatória ou analgésica. O alopurinol inibe a atividade de Leishmania spp limitando as purinas disponíveis no hospedeiro. Também é metabolizado em um composto tóxico e incorporado no RNA do organismo, causando a morte do parasita. O alopurinol, ao inibir a xantina oxidase, pode inibir a formação de radicais ânion superóxido e fornecer proteção contra choque hemorrágico e isquemia miocárdica em condições laboratoriais. No entanto, o uso clínico do medicamento em doenças cardiovasculares requer mais estudos.

FARMACOCINÉTICA

Em cães, a biodisponibilidade oral foi semelhante à dos seres humanos (aproximadamente 90%), com uma meia-vida sérica de aproximadamente 2 e 4 horas para alopurinol e oxipurinol, respectivamente. Os alimentos não parecem alterar a absorção. A absorção não é linear com administração oral e intravenosa; portanto, doses altas não são recomendadas. Nos dálmatas, as taxas de absorção eram variáveis entre os indivíduos com níveis máximos ocorrendo dentro de 1-3 horas após a administração oral. A meia-vida de eliminação é de cerca de 2,7 horas. O medicamento apresenta boa absorção sistêmica, mas a penetração no SNC é limitada.

MONITORAMENTO

Monitore hemograma e níveis de ácido úrico na urina. Faça testes de função hepática e renal. Monitore o estado de hidratação, sinais de hipersensibilidade e hepatotoxicidade.

Referências Bibliográficas

KAHN, C. M. et al. Manual Merck de Veterinária. [tradução José Jurandir et al.]. - 10. ed. - São Paulo : Roca, 2013. OSBORNE, C. A.; BARTGES, J. W.; LULICH, J. P.; POLZIN, D. J.; ALLEN, T. A. Canine urolithiasis. In: HAND, M.S.; TATCHER, C.D.; REMILLARD, R.L.; ROUDEBUSH, P. Small animal clinical nutrition. Missouri: Mark Morris Institute, 2000. ed. 4, p.605-688. Sorenson, J. L.; Ling, G. V. Diagnosis, prevention, and treatment of urate urolithiasis in Dalmatians . Journal of the American Veterinary Medical Association, v. 203, n.6, p.863-869, 1993b. <https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/eXxFXrXRWH/>. Acesso em 25 de março de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd