Informações

Princípio Ativo: Acetato de Desmopressina.
Classe terapêutica: Hormônio.

Dose

Cães: Diabetes insípido central: o fármaco intranasal humano de 0,1 mg / mL (0,01%) é o mais comumente empregado. Inicialmente, uma gota no saco conjuntival a cada 12 a 24 horas. Podem ser necessários até 4 gotas por dose em alguns pacientes.
Gatos: Diabetes insípido central: 1 a 4 gotas da solução intranasal no saco conjuntival a cada 12 a 24 horas. Pode também ser usada a solução intranasal em aplicação parenteral de 0,002 - 0,005 mg SC a cada 12 a 24 horas. Para o uso via oral em gatos cujos donos consideram inconveniente a aplicação intranasal ou conjuntival: 0,0025 a 0,005 mg (por gato; 1/4 a 1/2) comprimido de 100 microgramas) via oral a cada 12 horas. A dose e resposta podem variar.
Outras espécies: Informação indisponível

Sobre

Aviso

Este medicamento pode ser encontrado em apresentações de uso humano, porém com literatura técnica que baseia seu uso na medicina veterinária. O uso de suas informações é de responsabilidade do médico veterinário.

Princípio(s) Ativo(s)

  • Desmopressina

Classificaçāo

Hormônio

Receita

Receita Simples

Espécies

Cães

Armazenamento

Deve ser armazenado refrigerado (entre 2°C e 8°C). Não Congelar. Conservar o frasco sempre bem fechado.

Apresentações e concentrações

  • Acetato de Desmopressina 0,2 mg, comprimido
  • Acetato de Desmopressina 0,1 mg/mL, solução nasal
  • Acetato de Desmopressina 0,1 mg, comprimido
  • Acetato de Desmopressina 4 mcg/mL, solução injetável
  • Eponim®, comprimido, 0,2 mg/comprimido
  • Eponim®, solução nasal, 0,1 mg/mL
  • Eponim®, solução injetável, 0,004 mg/mL

Indicações e contraindicações

INDICAÇÕES

Notou-se que a desmopressina é útil no tratamento do diabetes insipidus central em pequenos animais. Pode ser útil no tratamento da doença de von Willebrand, mas sua curta duração de ação (2-4 horas) nessa condição, desenvolvimento de resistência e despesa limita sua utilidade para esse distúrbio. A desmopressina, secundária aos seus efeitos hemostáticos, pode ser útil como adjuvante cirúrgico no perioperatório para reduzir o envolvimento linfonodal e a doença metastática no carcinoma mamário canino ou em outros tumores agressivos.

CONTRAINDICAÇÕES / PRECAUÇÕES

A desmopressina é contraindicada em pacientes hipersensíveis a ela. Não deve ser utilizado no tratamento da doença de von Willebrand do tipo II B ou plaquetária (pseudo), pois pode ocorrer agregação plaquetária e trombocitopenia. A desmopressina deve ser usada com cautela em pacientes suscetíveis a eventos trombóticos. Quando a desmopressina é usada para estimular o fator de von Willebrand, com administração repetida, ocorrerá taquifilaxia (crescente falta de eficácia) em extensão variável dentro de 24 horas.

EFEITOS ADVERSOS

Os efeitos colaterais em pequenos animais aparentemente são incomuns. Ocasionalmente, pode ocorrer irritação ocular após a administração conjuntival. Reações de hipersensibilidade são possíveis.

REPRODUÇÃO, GESTAÇÃO E LACTAÇÃO

O uso seguro durante a gestação não foi estabelecido. A desmopressina é provavelmente segura de usar durante a amamentação.

SUPERDOSAGEM

Doses orais de 0,2 mg/kg/dia foram administradas a cães por 6 meses sem nenhuma toxicidade significativa relacionada ao medicamento relatada. Dosagens muito altas podem levar à retenção de líquidos e hiponatremia; redução de dosagem e restrição de fluidos podem ser empregadas para tratar. Monitoramento adequado deve ser realizado.

Interações medicamentosas

Clorpropamida, fludrocortisona e ureia

Podem aumentar os efeitos antidiuréticos da desmopressina.

Farmacologia

FARMACODINÂMICA

A desmopressina está relacionada estruturalmente à arginina vasopressina, mas tem mais atividade antidiurética e menos propriedades vasopressoras por peso. A desmopressina aumenta a reabsorção de água pelos dutos coletores nos rins, aumentando a osmolalidade da urina e diminuindo a produção líquida de urina. As doses terapêuticas não afetam diretamente a excreção urinária de sódio ou potássio. A desmopressina causa um aumento dependente da dose no fator VIII plasmático e no fator plasminogênio e também causa aumentos menores nas atividades de antígeno e ristocetina relacionados ao fator VIII.

FARMACOCINÉTICA

Como a desmopressina é destruída no trato GI, geralmente é administrada por via parenteral ou tópica. Comprimidos orais foram usados em cães que não toleram a administração oftálmica, mas a biodisponibilidade é muito baixa. O início da ação antidiurética em cães geralmente ocorre dentro de uma hora após a administração, atinge o pico em 2 a 8 horas e pode persistir por até 24 horas. As características de distribuição da desmopressina não são bem descritas, mas entram no leite materno. O destino metabólico também não é bem conhecido.

MONITORAMENTO

Para diabetes insipidus central: eletrólitos séricos, osmolaridade e/ou volume de urina. Para a doença de von Willebrand ou outras coagulopatias: tempos de sangramento.

Referências Bibliográficas

<https://www.plumbsveterinarydrugs.com/#!/monograph/WPnk5LZOxW/> Acesso em 12 de março de 2020.
Desenvolvido por logo-crowd