Status sorológico e de infecção canina em área endêmica de leishmaniose visceral

18 de agosto de 2020

Serological and infection statuses of dogs from a visceral leishmaniasis-endemic area

Autores

Daniela Farias Laranjeira, Ivânia Lúcia Ribeiro da Matta, Thaíse Yumie Tomokane, Mary Marcondes, Carlos Eduardo Pereira Corbet, Márcia Dalastra Laurenti

Resumo

Objetivo: Foi investigado o status sorológico de cães, em área endêmica de leishmaniose visceral, e sua correlação com a infecção parasitológica dos animais.

Métodos: A resposta humoral canina foi avaliada no soro de 134 cães pelo método ELISA e pela imuno-histoquímica, para detectar parasitos na pele, linfonodo e baço desses animais. Os anticorpos específicos investigados foram IgG, IgG1, IgG2 e IgE.

Resultados: De acordo com os achados parasitológicos, laboratoriais e clínicos, os cães foram alocados em um dos quatro grupos: assintomáticos com (AP+, n = 21) e sem (AP-, n = 36) parasitismo tecidual por Leishmania e sintomáticos com (SP+, n = 52) ou sem (SP-, n = 25) parasitismo. Níveis mais elevados de IgG e IgE se correlacionaram positivamente com o status de infecção e a carga parasitária, mas não com a condição clínica. Em todos os grupos, IgG total foi o anticorpo predominante, com maior concentração de IgG2 que IgG1. O anticorpo IgG foi positivo em proporção elevada nos animais infectados (SP+ 98,1%; AP+ 95,2%), mas não o IgE (SP+ 80,8%; AP+ 71,2%). O achado mais relevante refere-se aos cães não infectados que apresentaram elevada positividade para anticorpos IgG anti-Leishmania (SP- 60,0%; AP- 44,4%), IgE (SP- 44,0%; AP- 27,8%), IgG1 (SP- 28,0%; AP- 22,2%) e IgG2 (SP- 56,0%; AP- 41,7%).

Conclusões: O status sorológico dos cães, determinado por qualquer classe ou subclasse de anticorpos, não distinguiu com acurácia cães infectados por L. (L.) infantum chagasi daqueles não infectados. A imprecisão do resultado sorológico pode prejudicar não só o diagnóstico, mas também as investigações epidemiológicas e as estratégias para o controle da leishmaniose visceral. Esse complexo cenário sorológico observado na área endêmica mostra quão desafiador é o diagnóstico canino, e aponta a dificuldade enfrentada pelos médicos veterinários e coordenadores dos programas de controle.

Palavras-chave

Leishmaniose Visceral, diagnóstico. Leishmaniose Visceral, epidemiologia. Leishmania, imunologia. Cães. Estudos Soroepidemiológicos. Doenças Endêmicas, veterinária

Abstract

Objective:This study investigated the serological status of dogs living in a visceral leishmaniasis-endemic area and its correlation with the parasitological condition of the animals.

Methods:Canine humoral responsewas evaluated using the sera of 134 dogs by enzyme-linked immunosorbent assay and immunohistochemistry to detect parasites in the skin, lymph node, and spleen of the animals. The specific antibodies investigated were IgG, IgG1, IgG2, and IgE.

Results: According to the parasitological, laboratory, and clinical findings, the dogs were placed into one of four groups: asymptomatic with (AP+, n = 21) or without (AP-, n = 36) Leishmania tissue parasitism and symptomatic with (SP+, n = 52) or without (SP-, n = 25) parasitism. Higher IgG and IgE levels were positively correlated with the infection condition and parasite load, but not with the clinical status. In all groups, total IgG was the predominant antibody, which occurred at the expense of IgG2 instead of IgG1. Most of the infected dogs tested positive for IgG (SP+, 98.1%; AP+, 95.2%), whereas this was not observed with IgE (SP+, 80.8%; AP+, 71.2%). The most relevant finding was the high positivity of the uninfected dogs for Leishmania-specific IgG (SP-, 60.0%; AP-, 44.4%), IgE (SP-, 44.0%; AP-, 27.8%), IgG1 (SP-, 28.0%; AP-, 22.2%), and IgG2 antibodies (SP-, 56.0%; AP-, 41.7%).

Conclusions: The serological status of dogs, as determined by any class or subclass of antibodies, did not accurately distinguish dogs infected with L. (L.) infantum chagasi from uninfected animals. The inaccuracy of the serological result may impair not only the diagnosis, but also epidemiological investigations and strategies for visceral leishmaniasis control. This complex serological scenario occurring in a visceral leishmaniasis-endemic area highlights the challenges associated with canine diagnosis and points out the difficulties experienced by veterinary clinicians and coordinators of control programs.

Keywords

Visceral Leishmaniasis, diagnosis. Visceral Leishmaniasis, epidemiology. Leishmania, immunology. Dogs. Seroepidemiological Studies. Endemic Diseases, Veterinary

Comentar este artigo

Você precisa estar logado para comentar os artigos.
Desenvolvido por logo-crowd