Cutaneous lupus erythematosus in dogs: a comprehensive review

30 de novembro de 2020

Lúpus eritematoso cutâneo em cães: uma revisão abrangente

Autores

 & 

Abstract

Since the first description of discoid lupus erythematosus (LE) in two dogs in 1979, the spectrum of canine cutaneous lupus erythematosus (CLE) variants has expanded markedly. In this review, we first propose an adaptation of the Gilliam-Sontheimer classification of CLE for dogs. We then review the signalment, clinical signs, laboratory and histopathology and treatment outcome of the currently recognized variants of canine CLE, which are vesicular CLE, exfoliative CLE, mucocutaneous LE and facial or generalized discoid LE. We end with a short description of the rare cutaneous manifestations of systemic LE in dogs. Canine CLE variants are heterogeneous, some of them mirror their human counterparts while others appear—thus far—unique to the dog. As most CLE subtypes seem to have a good prognosis after diagnosis, veterinarians are encouraged to become familiar with the spectrum of often-characteristic and unique clinical signs that would permit an early diagnosis and the rapid implementation of an effective treatment.

Resumo

Desde a primeira descrição de lúpus eritematoso discóide (LE) em dois cães em 1979, o espectro de variantes do lúpus eritematoso cutâneo canino (CLE) se expandiu acentuadamente. Nesta revisão, primeiro propomos uma adaptação da classificação de Gilliam-Sontheimer de CLE para cães. Em seguida, revisamos a sinalização, os sinais clínicos, laboratoriais e histopatológicos e o resultado do tratamento das variantes atualmente reconhecidas de CLE canino, que são CLE vesicular, CLE esfoliativo, LE mucocutâneo e LE facial ou discóide generalizado. Terminamos com uma breve descrição das raras manifestações cutâneas do LE sistêmico em cães. As variantes caninas do CLE são heterogêneas, algumas delas refletem suas contrapartes humanas, enquanto outras parecem - até agora - exclusivas do cão. Como a maioria dos subtipos de CLE parecem ter um bom prognóstico após o diagnóstico, os veterinários são encorajados a se familiarizar com o espectro de sinais clínicos únicos e frequentemente característicos que permitiriam um diagnóstico precoce e a implementação rápida de um tratamento eficaz.

Palavras-chave

Lupus eritematoso, canino, variantes caninas

Comentar este artigo

Você precisa estar logado para comentar os artigos.
Desenvolvido por logo-crowd