UGA RESEARCHER desenvolve novos protocolos de diagnóstico e tratamento para ancilostomíase resistente a vermífugos

18 de novembro de 2020
Como especialista em parasitologia, o Dr. Ray Kaplan, professor de doenças infecciosas, fica de olho nas interações entre os parasitas e seus hospedeiros. Nos últimos anos, os parasitologistas notaram que os galgos de corrida e os recém-adotados galgos de corrida estão quase sempre infectados com ancilóstomos. Acreditava-se que esse fenômeno fosse apenas um produto da maneira como os galgos são criados, mas o Dr. Kaplan tinha uma visão diferente. Seus anos de experiência no estudo da resistência aos medicamentos em parasitas o deixaram desconfiado de que os ancilóstomos haviam se tornado resistentes aos vermífugos, por isso ele e o candidato ao doutorado e residente Dr. Pablo D. Jimenez Castro iniciaram estudos investigando o assunto. Eles descobriram que os ancilóstomos se tornaram resistentes a todas as três classes principais de medicamentos usados ​​para tratar esses vermes nos Estados Unidos. Raças de cães diferentes de galgos também estão sendo diagnosticados com ancilóstomos resistentes a medicamentos, indicando que esses vermes resistentes a medicamentos estão se espalhando na população geral de cães de estimação. Os ancilóstomos também podem infectar as pessoas penetrando na pele, causando uma condição com coceira conhecida como larva migrans cutânea ou erupções rastejantes.

Embora isso possa parecer alarmante, o laboratório Kaplan tem testado novos tratamentos e descobriu uma nova droga que é altamente eficaz. O laboratório também está realizando estudos para determinar o quão comuns e amplamente distribuídos são esses ancilóstomos resistentes a medicamentos.

Para os veterinários, o artigo "Infecções persistentes ou suspeitas de ancilostomídeos resistentes", publicado no Resumo do Clínico, contém uma grande quantidade de informações úteis sobre como diagnosticar, gerenciar e tratar infecções por ancilóstomos resistentes.


Ancilóstomo canino adulto
O que são ancilóstomos?
O ancilóstomo canino comum (Ancylostoma caninum) é uma espécie de nematóide ou lombriga que infecta cães. A infecção por esses parasitas pode causar anemia, perda de peso e diarreia que pode conter muco ou sangue. É importante observar que, embora os humanos possam ser infectados com ancilóstomos caninos, essas infecções resultam em uma condição com coceira, mas relativamente benigna, chamada de larva migrans cutânea.


Ovos de ancilostomíase canina
Como os cães são infectados?
Ovos de ancilóstomo são eliminados nas fezes de cães infectados. Esses ovos eclodem e se desenvolvem ao longo de alguns dias para infectar larvas nas fezes. As larvas então escapam das fezes e vivem no solo. Os cães podem ser infectados por uma das três rotas diferentes:
• Ingestão de larvas infectantes de solo contaminado
• Penetração direta das larvas através da pele do cão
• Em filhotes, ingerindo as larvas infectantes do leite enquanto amamentam cadelas previamente infectadas
O objetivo dos ancilóstomos é chegar ao intestino delgado, onde amadurecem, acasalam-se com outros vermes e colocam seus ovos - reiniciando assim o ciclo de vida. No entanto, algumas larvas, em vez de seguirem para o intestino, irão se instalar em outros tecidos - entrando em um estado de atividade suspensa. Nesse estado, eles ainda podem “vazar” desses tecidos e completar o ciclo para o intestino delgado. Certos eventos de vida, como a gravidez, também podem despertar as larvas de ancilóstomo, permitindo-lhes migrar para o tecido mamário e infectar filhotes enquanto se alimentam do leite materno.

Como posso proteger meu cachorro?
Embora não haja nenhuma maneira de garantir que seu cão não encontre solo contaminado por ancilostomídeos, você pode retardar a propagação dos vermes ao ser vigilante ao coletar as fezes do seu cão. Até mesmo recolher as fezes a cada poucos dias pode ser útil. Em condições ambientais normais, leva de 5 a 7 dias para as larvas atingirem o estágio infectivo. Assim que os dejetos começam a se decompor, as larvas atingem o estágio infeccioso e começam a procurar um hospedeiro.

Canis que permitem que os cães tenham acesso ao solo e à grama em climas quentes também podem ser arriscados, pois o ambiente quente e úmido permite que os ancilóstomos e outros parasitas se desenvolvam. No entanto, o manejo e a higiene adequados do canil e os tratamentos de rotina dos cães podem manter os problemas de ancilostomídeos sob controle.

Se meu cachorro estiver infectado, o que devo fazer?
Ancilóstomos normais podem ser facilmente tratados pelo seu veterinário. Depois de fazer o diagnóstico, seu veterinário poderá determinar o tratamento mais adequado para a infecção do seu cão.

Fonte: https://vet.uga.edu/handling-hookworms/?fbclid=IwAR1j7eafuE4yTU7Y2z2kfnfa-t308V9NTo2wChG8llSfevJtUOHokCWCzTM

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd