Risco de parasitas de cães em parques

3 de março de 2021

Donato Traversa, DVM, PhD, DipEVPC, EBVS, University of Teramo, Teramo, Itália

PARASITOLOGIA

Parasitas intestinais caninos são encontrados em todo o mundo. A maioria dos cães se torna afetada pela ingestão de agentes infecciosos (por exemplo, Toxocara canis [ou seja, lombriga] ou ovos trichuris vulpis [ou seja, whipworm] ovos, cistos de Giardia duodenalis, larvas de ancilóstomas de terceiro estágio em um ambiente contaminado. Estes podem causar doença intestinal e, em alguns casos (por exemplo, T canisAncylostoma spp, alguns genótipos de G. duodenalis), representam um risco relevante para a saúde humana.

Equívocos comuns podem levar a infecções por parasitas não diagnosticadas, incluindo a crença do dono de animais de estimação de que o estilo de vida pode prevenir infecções e apenas filhotes estão em risco para parasitas intestinais, especialmente vermes. Os parasitas intestinais infectam cães independentemente da idade e do estilo de vida e podem potencialmente causar graves sinais clínicos (mesmo em cães adultos); no entanto, sua relevância clínica é frequentemente subestimada.

Infecções não detectadas podem se tornar clinicamente aparentes, e cães não tratados podem lançar parasitas que contaminam o meio ambiente, apresentando uma ameaça aos animais e humanos. Uma Saúde indica que o monitoramento de rotina e os tratamentos adequados para o parasiticida são cruciais para os cães.

Parques para cães fora da coleira estão cada vez mais disponíveis, pois proporcionam aos cães a oportunidade de brincar, se exercitar e socializar; no entanto, esses parques podem servir como uma fonte de parasitas. Este estudo avaliou a ocorrência de parasitas intestinais em cães que visitam esses parques. Também foi investigada a relação entre positividade com parasitas intestinais e uso de prevenção de parasitas minhocas/intestinais, bem como a eficiência complementar de 2 métodos diagnósticos para detectar parasitas intestinais: imunoensaio coproantigen validado e flutuação centrífuga de sulfato de zinco (CF).

Amostras foram colhidas de 3.006 cães que visitaram 288 parques para cães. Amostras de fezes foram examinadas com sulfato de zinco convencional CF e ensaios de coproantigen capazes de detectar giardia spp e nematoides intestinais. Pelo menos um parasita foi encontrado em 20,7% dos cães em 85,1% dos parques. Giardia spp foi o protozoário mais comumente detectado, e as minhocas foram o nematoide mais comumente diagnosticado. O uso combinado de CF e um ensaio de coproantigen permitiram a detecção de 78,4% mais infecções por nematoide do que apenas com CF.

Minhocas e vermes foram encontrados em cães de todas as idades, mas lombrigas foram encontradas apenas em cães <4 anos de idade. No geral, 42% dos cães <1 ano de idade foram infectados por Giardia spp ou nematoides. Um número significativamente menor de cães que recebem medicação preventiva deu positivo para nematoides intestinais.

… AOS SEUS PACIENTES

Pérolas-chave para colocar em prática:

1

Parasitas intestinais podem ser uma ameaça constante em cães; testes de rotina e tratamento podem ser necessários.

 

2

É fundamental educar os proprietários que, embora os parques de cães tenham um papel importante no bem-estar de seu animal de estimação, há um risco aumentado de exposição a parasitas intestinais.

3

O exame fecal frequente com técnicas de diagnóstico adequadas e combinadas é importante em cães de todas as idades.

 

4

Os cães devem ser mantidos em parasiticídeos de amplo espectro utilizados individualmente e de acordo com as condições locais de epizootiologia. Recomenda-se que sejam seguidas diretrizes reconhecidas (ver Leitura Sugerida) para salvaguardar a saúde do paciente, minimizar o risco para os seres humanos e reduzir a contaminação ambiental.

*Este estudo recebeu financiamento da Elanco Animal Health. Os testes foram fornecidos pelo IDEXX.

Leitura sugerida:

Stafford K, Kollasch TM, Duncan KT, et al. Detection of gastrointestinal parasitism at recreational canine sites in the USA: the DOGPARCS study. Parasit Vectors. 2020;13(1):275.

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd