O processo de especialização em Medicina Veterinária no Brasil

30 de outubro de 2020

O processo de especialização em Medicina Veterinária no Brasil

Saiba como obter o título de especialista e conheça sua importância

*Por Ana Claudia Balda

A especialização em Medicina Veterinária no Brasil é recente, tendo sido os primeiros títulos emitidos pelas associações de Acupuntura e Homeopatia em 2005. De acordo com o Conselho Federal de Medicina Veterinária (CFMV), “o termo ‘especialista’ na Medicina Veterinária e na Zootecnia é um título homologado pelo CFMV àquele emitido por entidades que cumprem os requisitos da resolução que trata sobre especialidades veterinárias (Resolução CFMV nº 935/2009) e que devem estar habilitadas pelo Federal”. O Conselho habilita entidades que estejam ativas há pelo menos 5 anos.

Atualmente, existem 13 entidades habilitadas pelo CFMV a conceder títulos nas especialidades: Acupuntura Veterinária; Anestesiologia Veterinária; Cardiologia Veterinária; Dermatologia Veterinária; Diagnóstico por Imagem; Homeopatia Veterinária; Inspeção Higiênica Sanitária e Tecnológica de Produtos Animais, Tecnologia de Produtos de Origem Animal e de Saúde Pública; Medicina Felina; Medicina Veterinária Intensiva; Medicina Veterinária Legal; Oftalmologia Veterinária; Oncologia Veterinária; Patologia Veterinária. Estão em processo Cirurgia Veterinária e Clínica Veterinária de Pequenos Animais. O CFMV permite especialização em até duas áreas por profissional.

Como obter o título de especialista

O título pode ser obtido de duas formas:

  1. Inscrição em processo seletivo na respectiva entidade de classe. O candidato passa por uma prova de conhecimentos específicos, em que deve obter 70% de acertos, e toda a análise de documentação comprobatória, que caracteriza uma pontuação mínima.
  2. Por “notório saber”, ou seja, um profissional reconhecidamente detentor de conhecimento na área, mas que também passa por avaliação da entidade de classe e envio ao CRMV de sua região de toda a documentação comprobatória (especialização, residência, mestrado, doutorado), bem como cursos nacionais, internacionais e experiência de atendimento na área. Esse processo é então enviado e avaliado pelo CFMV, que devolve essa aprovação ao CRMV do estado onde o profissional atua, que emite então o título de especialista.

Em ambos os casos, visando uma constante atualização profissional, o título tem validade de cinco anos. Após esse período, o profissional deve se submeter a um novo processo avaliativo.

Residência, mestrado ou doutorado também são considerados na avaliação do profissional, mas ele também deve apresentar um memorial circunstanciado confirmando a atividade profissional na área específica há pelo menos cinco anos. Já o profissional que não tenha concluído curso de pós-graduação lato ou stricto sensu também pode se candidatar à prova de título de especialista, desde que apresente um memorial circunstanciado comprovando oito anos de atuação na área.

Sobre os cursos de especialização em Medicina Veterinária

Muitas faculdades estão direcionando seus serviços dentro dos seus hospitais universitários (HOVETs) para as especialidades, e a tendência é que sejam criados novos cursos de especialização em diferentes áreas, assim como acontece na Medicina.

Embora haja muitos cursos no Brasil, vale lembrar que há requisitos para que sejam considerados cursos de especialização: carga horária mínima de 500 horas (400 teóricas/específicas e 100 práticas) cumprida em, no máximo, 36 meses; o corpo docente deve ter pelo menos 50% dos docentes com título de doutor e 50% com vínculo permanente à instituição do curso, que deve ser reconhecida pelo Ministério da Educação (MEC).

Título de especialista valoriza o profissional

O médico veterinário com especialização em Medicina Veterinária tem mais chances de se inserir no mercado se trabalho, já que ser um especialista é um diferencial na profissão e na comunidade científica. Dando como exemplo uma consulta, o médico veterinário com título de especialista pode cobrar um valor até 25% a mais pelo seu serviço, graças ao seu conhecimento validado por uma entidade, inclusive com a emissão de uma carteira diferenciada.

Por outro lado, adverte o Conselho Federal de Medicina Veterinária, médicos veterinários sem título de especialista devidamente registrado no Sistema CFMV/CRMVs estão impedidos de se anunciarem como tal e podem sofrer sanções caso o façam, além de estarem mais vulneráveis a processos de má prática movidos pelos tutores dos pacientes.

Você pode ler a íntegra da Resolução CFMV nº 935/2009 aqui.

*A Dra. Ana Claudia Balda é professora de Clínica Médica de Pequenos Animais da FMU e FMVZ/USP e colaboradora do Vetsapiens. Recentemente, foi titulada na especialidade de Dermatologia.

Comentar esta notícia

Você precisa estar logado para comentar as notícias.
Desenvolvido por logo-crowd